Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2013

O Corpo doado e o sangue vertido

Imagem
Por  Frei Almir R. Guimarães , OFM. "A Palavra do Deus vivo, transformou o vinho e o pão no seu sangue e no seu corpo para nossa salvação." (Hino das I Vésperas de Corpus Christi) Uma mesa com uma toalha, uma toalha branca. Branca como a transparente pessoa do Mestre e a limpidez dos corações retos. Uma cruz que evoca a cruz do Gólgota. Sobre uma mesa, ao lado, uma cesta de pães e uma vaso com o vinho rubro. Nesse quadro fazemos a memória do Senhor. Anunciamos sua paixão, proclamamos a sua morte e ressurreição, esperando a sua vinda. Eucaristia, ação de graças, mesa da comunhão, comunhão de irmãos, oferenda do Corpo doado e do sangue vertido. Era a noitinha, a noitinha da véspera da Paixão. O Mestre, com roupas bonitas, aguardava os seus íntimos. Depois de lhes lavar os pés tomou o pão e o vinho, seu corpo e seu sangue dados na véspera. No dia seguinte, na hora das horas, na aridez do sofrimento, fora dos muros da cidade, ele haveria de ver seu corpo

A experiência de Deus Pai em São Francisco de Assis

Imagem
Por Frei José Carlos Corrêa Pedroso , OFMCap. “Observemos, portanto, as palavras, a vida e a doutrina, o Santo Evangelho daquele que se dignou rogar por nós a seu Pai e manifestar-nos o seu nome”. (RnB 22,41) Francisco descobre o Pai ouvindo Jesus São Francisco viveu uma profunda experiência espiritual de Deus Pai porque, acima de tudo, viveu Jesus Cristo. No seu tempo, era comum as pessoas chamarem a Deus de Pai, mas pensando na figura de Jesus Cristo. O que havia era uma ideia ampla de Deus, chamado de Pai, mas reconhecido na figura de Jesus (1). No relativamente demorado processo de conversão de Francisco, são fatos marcantes o desencanto com as carreiras de comerciante e cavaleiro e, como ele mesmo afirma no Testamento, o encontro com os leprosos, de onde saiu transformado. A experiência dos leprosos Parece-me fundamental notar que a transformação que aconteceu na experiência com os leprosos está ligada a uma experiência de Deus Pai. Francisco disse que “com

As traições sentimentais

Os falsos bons, na realidade, passam a vida alimentando com ramos odoríferos a caldeira do nosso egoísmo, sem reparar que, querendo deixar-nos felizes com a sua brandura, nos fazem deslizar cada vez mais para o abismo da nossa infelicidade. É um fato que só o amor e a verdade nos realizam, e o egoísmo nos destrói. Por sua vez, o bondoso sentimental é ele próprio um egoísta. A sua máxima aspiração é “ficar bem”, “ser agradável”, “ser simpático”. E, em troca de granjear o nosso apreço, não hesita em abençoar a mentira e acobertar o mal. O filho ou um amigo estão à beira de desmanchar o casamento por motivos fúteis? Jamais passará pela mente do “bonachão” estender-lhes a mão com sacrifício, ajudá-los a reagir, passar um mau bocado para tentar que reconsiderem o mau passo que estão prestes a dar e enfrentem o dever. Preferirá observar tudo “sem interferir”, e achará por bem comentar docemente: “Deixa, ele tem o direito de ser feliz”. Uma vez consumada a catástrofe, que pode ter co

A festa da comunhão

Imagem
A solenidade da Santíssima Trindade é ocasião para celebrarmos a comunhão que existe em Deus, bem como a união que construímos na comunidade de fé. No evangelho, Jesus havia acabado de falar aos discípulos sobre sua partida. Eles ficaram tristes, pois não tinham compreendido o sentido dessa partida. Jesus se entrega até a morte, para deixar com seus seguidores o Espírito da verdade. É esse Espírito, presente no Filho e em nós, que nos permite continuar hoje a missão de Jesus. Mas o que significa dizer que o Espírito é verdade? A palavra "verdade" na Bíblia tem o sentido de "fidelidade". Isso quer dizer que somos verdadeiros ou falsos à medida que somos fiéis ou infiéis. Mas fiéis a quem e ao quê? Fiéis ao próprio Jesus e à missão que ele veio revelar, revelando assim o próprio Deus. Somente o Espírito da verdade, diz-nos Jesus, pode nos conduzir à plena verdade. Pois Deus, na comunhão e no amor de suas três pessoas, é um mistério que não conseguimos compreende

O "santo do cotidiano"

Há uma doutrina cristã maravilhosa, que São Josemaría Escrivá, como instrumento de Deus, proclamou com uma clareza e uma força tão grandes, que acendeu chamas de alegria e de amor em milhares de pessoas comuns – cristãos “vulgares” – em todo o mundo. A missão que Deus lhe confiou consistia em contribuir para que os cristãos comuns, que vivem no meio do mundo, compreendessem “que a sua vida, tal como é, pode vir a ser ocasião de encontro com Cristo: quer dizer, que é um caminho de santidade e de apostolado. Cristo está presente em qualquer tarefa humana honesta: a vida de um simples cristão – que talvez a alguns pareça vulgar e acanhada – pode e deve ser uma vida santa e santificante”. E como conseguir viver esse ideal? São Josemaría mostrava o caminho: “Fazei tudo por amor –dizia -. Assim não há coisas pequenas: tudo é grande. – A perseverança nas pequenas coisas, por Amor, é heroísmo”. E aplicava esta doutrina – que é inspirada no Evangelho e em São Paulo ( se não tiver amor, nad

Pe. Gabriele Amorth - Alerta quanto ao importante avanço do demônio

Pe. Gabriele Amorth, famoso exorcista Exorcista da diocese de Roma: alerta quanto ao importante avanço do demônio             O Revmo. Pe. Gabriele Amorth, da Pia Sociedade de São Paulo, muito apreciado na Itália por seus livros sobre Nossa Senhora e sua atividade jornalística - seu programa na Radio Maria peninsular conta com 1.700.000 ouvintes -, tornou-se mundialmente conhecido com o lançamento de sua obra Um exorcista conta-nos, em 1990. Tal obra alcançou notável êxito editorial na Itália, tendo sua tradução portuguesa obtido várias edições. A partir de então, a mídia internacional vem focalizando a atuação desse sacerdote, nomeado Presidente da Associação Internacional dos Exorcistas.             Solicitadíssimo por inúmeras pessoas necessitadas de amparo contra as insídias diabólicas, o Pe. Amorth exerce intenso e extenuante trabalho apostólico. Mesmo assim, marcou um horário para receber nosso enviado especial, Sr. Nestor Fonseca, a quem acolheu amavelmente, juntamente