quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Por que há pessoas que não querem mais ir à Missa?


Um estudo revela as razões que estão fazendo fiéis abandonarem a prática religiosa

Há quem diga que as pessoas deixaram de ir à igreja devido à falta de flexibilidade que a instituição possui em relação a alguns temas, como sua postura sobre as uniões de homossexuais e outros princípios no que se refere à sexualidade. No entanto, os motivos da falta de fiéis nos templos podem ser outros.
No livro Por qué ya nadie quiere ir a Misa (“Por que ninguém quer ir mais à Missa”), Thom y Joani Schultz, casados e consultores de religião, mostram que, atualmente, muitas pessoas, sobretudo jovens de países com antiga tradição cristã, decidiram se afastar da religião. A afirmação se baseia em uma exaustiva pesquisa que os escritores fizeram em ambientes católicos e protestantes. Além disso, o estudo revela quatro razões pelas quais as pessoas deixaram de frequentar os lugares de culto:

1. As pessoas se sentem julgadas na igreja

Essa é a primeira das quatro causas explicadas pelo casal Schultz que fazem muitas pessoas se afastarem das igrejas ou outros lugares de culto.
Não é que existam muitas pessoas que fazem julgamentos nesses lugares. Há, sim, uma ideia preconcebida por parte de quem se sente julgado. Para elas, pode haver uma solução eficaz: a Igreja deve continuar acolhendo e aceitando todos os fiéis como eles chegam, no estado em que eles se apresentam, independentemente se, aos olhos de Deus, suas atitudes não são boas. Ou seja: é necessária uma “hospitalidade radical”, que abra oportunidade de tratar do tema “pecado” posteriormente.

2. A impossibilidade do diálogo

Thom y Joani Schultz explicam que, no ocidente, as pessoas querem falar e ser ouvidas: os colégios incentivam os debates e, desde cedo, qualquer criança intervém para dizer ao professor a primeira coisa que lhe vem à cabeça; os sites de jornais estão cheios de comentários de pessoas que, muito provavelmente, nem sequer analisaram o tema, mas que têm muita vontade de comentar.
No entanto, quando as pessoas vão à Missa ou a um culto, não encontram um momento para se expressar. Há quem diga que a situação é menos complicada para os católicos, já que, pelo menos, recitamos algumas respostas e rezamos em voz alta. Em muitos cultos protestantes, as pessoas devem se limitar a ouvir o pastor ou a cantar hinos. Quando os cantos são mudados, as pessoas deixam de ter algo para fazer, pois não conhecem as músicas novas.
O casal Schultz detectou que os fiéis querem falar de seus sentimentos religiosos, formular perguntas, sentirem-se ouvidos, o que, claro, não conseguem fazer na Missa. Por isso, a Igreja deveria oferecer espaços para que ele possam dividir suas opiniões. Já que um pároco não pode ouvir atentamente seus dois, três ou 30 mil paroquianos, é preciso incentivar a criação de espaços onde possa acontecer o diálogo, como as células de Evangelização Paroquial, os grupos Carismáticos, os grupos do Caminho Neocatecumenal e outros.

3. O pensamento de que “os cristãos são hipócritas”

O livro diz que não é fácil para as pessoas pensarem que há hipócritas. Com certeza, hipócritas são os outros, “não eu”. A verdade é que os cristãos nunca serão suficientemente virtuosos para os elevadíssimos patamares dos que estão afastados da Igreja. Não importa o bem que os cristãos façam em suas paróquias, quem está afastado sempre encontrará um cristão que não seja suficientemente bom para ele. E, se não encontra um membro pecaminoso da Igreja ao seu lado, encontra-o nos meios de comunicação: um padre vigarista, um religioso que cometeu um crime. Pode encontrá-lo até mesmo no passado: “Não vou à Missa porque a Santa Inquisição…”
Para os autores, a melhor estratégia para a Igreja é enfatizar o fato de que ela não é uma casa para perfeitos, mas um hospital para enfermos. Além de disso, é preciso fomentar a humildade e fazê-la visível; se a humildade é atrativa, a imagem de humildade é necessária. Esse é o motivo que torna o Papa Francisco atrativo para muitos fiéis afastados.

4. A sensação de que Deus está “distante” ou “morto”

A última razão que o casal Schultz nos mostra é o fato de as pessoas não sentirem que há um Deus vivo. Elas argumentam que não o viram, nem conversaram com Ele. Por isso, a resposta aqui é o Kerigma, o anúncio forte de que “Cristo ressuscitou, nos salva da morte, do pecado e muda nossa vida”. Também deve ser enfatizada a mensagem de que “Deus te ama e te perdoa, de forma pessoal”.
Os autores ainda destacam que, mais do que falar sobre uma moral elevado que as pessoas deveriam praticar, o que é preciso é convidá-las a fazer a prova, a confiar no Senhor, a abrir seus corações a Ele e deixar-se transformar por Ele, já que um encontro pessoal com Deus é a chave. Por isso, a Nova Evangelização pede, como dizia João Paulo II, novos métodos, nova linguagem, novo ardor.

Com informações de Religión en Libertad, publicado em Desde la fe, traduzido e adaptado ao português.

https://pt.aleteia.org/2017/08/21/por-que-ha-pessoas-que-nao-querem-mais-ir-a-missa/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

sábado, 26 de agosto de 2017

A tristeza pode ser boa ou má: São Francisco de Sales explica a diferença


A tristeza tem 2 efeitos bons e 6 ruins

A tristeza pode ser boa ou má. A tristeza que vem de Deus, diz São Paulo, opera a penitência para a salvação; e a tristeza que vem do mundo opera a morte.
A tristeza pode, pois, ser boa ou má, segundo os efeitos que em nós produz. É verdade que há mais efeitos maus do que bons; porque só há dois bons: misericórdia e penitência; e seis maus: angústia, preguiça, indignação, inveja, impaciência e ciúme. É por isso que diz o sábio: “A tristeza mata muita gente e nada com ela ganhamos“; porque há dois bons regalos que dela provém, mas seis maus efeitos.
O inimigo serve-se da tristeza para exercitar a perseverança dos bons; porque, assim como procura alegrar os maus no pecado, procura entristecer os bons nas boas obras; e assim como não pode atrair para o mal senão tornando-o agradável, também não pode afastar do bem senão tornando-o odioso.
O demônio só pede tristeza e melancolia; porque, assim como ele está para toda a eternidade triste e melancólico, assim desejaria que todos também estivessem.
A tristeza má perturba a alma e a inquieta, lhe incute temores desregrados e a afasta da oração; atormenta o cérebro e priva a alma de conselho, resolução, juízo e coragem, absorvendo-lhe completamente as forças. Em breve tempo ela estará como um rigoroso inverno, que apaga toda a beleza da terra e atormenta os animais; porque priva a alma de toda consolação e torna impotentes as suas faculdades.
Já a tristeza boa deixa grande paz e tranquilidade no espírito. É por isso que Nosso Senhor, dizendo aos seus apóstolos: “Vós estareis tristes“, acrescenta: “Não se perturbe o vosso coração; nada temais“.
A tristeza má vem como saraiva, com uma mudança inopinada e grandes terrores e impetuosidade, e de repente, sem que se possa dizer de onde vem, porque não se deixa adivinhar. Entretanto, a tristeza boa chega docemente à alma, como uma chuva fina, que tempera os ardores das consolações, e com algumas razões precedentes.
A tristeza má perde o coração e o atormenta, tornando-o inútil, fazendo-lhe perder o cuidado das boas obras, como diz o salmista, e como Agar, que deixou o filho debaixo da árvore para chorar. A tristeza boa dá força e coragem, e não deixa nem abandona um bom desígnio; esta foi a tristeza de Nosso Senhor, que, embora fosse a maior que existiu, não lhe impediu a oração nem o cuidado dos seus apóstolos. E Nossa Senhora, tendo perdido seu Filho, ficou muito triste, mas nem por isso deixou de procurá-Lo com diligência, como também o fez Madalena, sem se demorar a lamentar-se e chorar inutilmente.
A tristeza pecaminosa obscurece o entendimento, priva as almas de conselho, de resolução e discernimento, como sucede àqueles de quem diz o salmista que “os perturbaram e abalaram como um ébrio, e ficaram privados de sabedoria” (Salmo CVI, 27). Procuram-se remédios aqui e além, confusamente, sem tino e às apalpadelas. A tristeza santa abre o espírito, torna-o claro e luminoso, e, como diz o salmista, dá inteligência.
A pecaminosa impede a oração e a contemplação e faz desconfiar da benignidade divina; pelo contrário, a santa tristeza nos fortalece na bondade de Deus e nos impele a invocar a Sua misericórdia. “As tribulações e angústias me perturbaram, mas os vossos mandamentos foram a minha meditação”.
Em suma, os que estão possuídos da tristeza pecaminosa mergulham numa infinidade de horrores, erros e temores inúteis, receando ser abandonados por Deus. Tudo lhe parece contrário à sua salvação; são como Caim, que pensava que todos os que encontrava o queriam matar. Julgam que Deus será injusto e severo só com eles por toda a eternidade; pensam que os outros são muito mais felizes do que eles. É da soberba que provém tal crença, que lhes persuade que deveriam ser muito melhores do que os outros e mais perfeitos que ninguém.
A tristeza santa, porém, discorre assim: “Sou uma criatura miserável, vil e abjeta: mas Deus usará de misericórdia para comigo; porque a virtude se acrisola na doença e não se aflige por ser pobre, miserável“.
Ora, o fundamento da oposição que se oferece entre a boa e a má tristeza é que o Espírito Santo é o autor da tristeza santa e, por ser o único Consolador, as suas operações trazem consigo luz e claridade. Por consequência, essas operações são inseparáveis do verdadeiro bem; porque os frutos do Espírito Santo, diz São Paulo, são caridade, alegria, paz, paciência, benignidade, longanimidade.
Pelo contrário, o espírito maligno, autor da má tristeza (porque não aludo à tristeza natural que tem mais necessidade de medicina do que de teologia), é um verdadeiro estrago, tenebroso e aniquilador, e os seus frutos só podem ser ódio, tristeza, inquietação, pesar, malignidade e desalento. Ora, todos os sinais da má tristeza são os mesmos que os do mau temor.

___________
São Francisco de Sales, em Filoteia.


FILHO PORQUE ESTÁ TÃO LONGE...





...Mesmo á distância, desfigurado pelo pecado, mergulhado nos próprios interesses, há sempre um amor que o espera.

Um amor que não se explica, um amor que pregação alguma pode expor ou explicar.



Esse é o amor de Deus



Se você se afastou, VOLTE


Com certeza você teve motivos para se afastar...
Mas os motivos para voltar são ainda maiores
Que cada um de nós colaboremos pra que o outro volte!


Marcelo Mattityahu

filhosespirituaisdepepio.blogspot.com.br

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

6º Dia da Quaresma de São Miguel Arcanjo

PARA NOSSO SEXTO DIA DA QUARESMA O TEMA SERA:
Pela intenção do Santo Padre Papa Francisco ...

3 armas fortes de São Miguel Arcanjo


Vai até 29 de setembro a celebração da Festa de São Miguel Arcanjo. Veja três ferramentas fortes e interessantes para você viver bem esta época

1. Faça a Oração 
São muitas versões da Oração de São Miguel Arcanjo, porém a mais conhecida é a Poderosa Oração de São Miguel Arcanjo que nos tempos do Papa Leão XII era rezada depois de cada missa, e que ficou conhecida como “O Pequeno Exorcismo” .
“São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate, sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Ordene-lhe Deus, instantemente o pedimos, e vós, príncipe da milícia celeste, pela virtude divina, precipitai no inferno a satanás e aos outros espíritos malignos, que andam pelo mundo para perder as almas. Amém.
2. Reze a Ladainha de São Miguel Arcanjo
Senhor, tende piedade de nós. Jesus Cristo, tende piedade de nós. Senhor, tende piedade de nós. Jesus Cristo, ouvi-nos. Jesus Cristo, atendei-nos. Pai Celeste, que sois Deus, tende piedade de nós. Filho, Redentor do Mundo, que sois Deus, tende piedade de nós. Espírito Santo, que sois Deus, tende piedade de nós. Trindade Santa, que sois um único Deus, tende piedade de nós. Santa Maria, Rainha dos Anjos, rogai por nós. São Miguel, rogai por nós. São Miguel, cheio da graça de Deus, rogai por nós. São Miguel, perfeito adorador do Verbo Divino, rogai por nós. São Miguel, coroado de honra e de glória, rogai por nós. São Miguel, poderosíssimo Príncipe dos exércitos do Senhor, rogai por nós. São Miguel, porta-estandarte da Santíssima Trindade, rogai por nós. São Miguel, guardião do Paraíso, rogai por nós. São Miguel, guia e consolador do povo israelita, rogai por nós.São Miguel, esplendor e fortaleza da Igreja militante, rogai por nós. São Miguel, honra e alegria da Igreja triunfante, rogai por nós. São Miguel, Luz dos Anjos, rogai por nós.São Miguel, baluarte dos Cristãos, rogai por nós.São Miguel, força daqueles que combatem pelo estandarte da Cruz, rogai por nós.São Miguel, luz e confiança das almas no último momento da vida, rogai por nós. São Miguel, socorro muito certo, rogai por nós. São Miguel, nosso auxílio em todas as adversidades, rogai por nós. São Miguel, arauto da sentença eterna, rogai por nós.São Miguel, consolador das almas que estão no Purgatório, rogai por nós. São Miguel, a quem o Senhor incumbiu de receber as almas que estão no Purgatório, rogai por nós. São Miguel, nosso Príncipe, rogai por nós.São Miguel, nosso Advogado, rogai por nós. Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor. Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, atendei-nos, Senhor. Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós. Rogai por nós, ó glorioso São Miguel, Príncipe da Igreja de Cristo, para que sejamos dignos de Suas promessas. amém!.
3. Consagre-se a São Miguel Arcanjo
Oh! Príncipe nobilíssimo dos Anjos, valoroso guerreiro do Altíssimo, zeloso defensor da glória do Senhor, terror do espíritos rebeldes, amor e delícia de todos os Anjos justos, meu diletíssimo São Miguel Arcanjo, desejando eu fazer parte do número dos vossos devotos e servos, a vós hoje me consagro, me dou e me ofereço e ponho-me a mim próprio, a minha família e tudo o que me pertence, debaixo da vossa poderosíssima proteção.
É pequena a oferta do meu serviço, sendo como sou um miserável pecador, mas vós engrandecereis o afeto do meu coração;
Recordai-vos que de hoje em diante estou debaixo do vosso sustento e deveis assistir-me em toda a minha vida e obter-me o perdão dos meus muitos e graves pecados, a graça da amar a Deus de todo coração, ao meu querido Salvador Jesus Cristo e a minha Mãe Maria Santíssima, obtende-me aqueles auxílios que me são necessários para obter a coroa da eterna glória.
Defendei-me dos inimigos da alma, especialmente na hora da morte.
Vinde, oh! príncipe gloriosíssimo, assistir-me na última luta e com a vossa arma poderosa lançai para longe, precipitando nos abismos do inferno, aquele anjo quebrador de promessas e soberbo que um dia prostrastes no combate no céu.
São Miguel Arcanjo defendei-nos no combate para que não pereçamos no supremo juízo. Amém.

sábado, 19 de agosto de 2017

5 tipos diferentes de cruz e seus significados


Conheça as verdades espirituais que cada cruz transmite

Ao longo da história da Igreja, os cristãos representaram visualmente a cruz de diferentes maneiras. Em cada caso, a cruz é ligeiramente diferente e costumava simbolizar diferentes verdades espirituais.
Aqui, há cinco cruzes que foram usadas ao longo dos séculos pelos cristãos ao redor do mundo.
Cruz Papal
Esta cruz é usada oficialmente para representar o Papa. A cruz de três camadas lembra a Tiara Papal – uma referência ao triplo ofício de Cristo: sacerdote, profeta e rei.
 Cruz Celta
Mais comum na Irlanda, a Cruz Celta é composta por uma cruz cristã típica colocada em frente a um círculo. Embora sua origem exata seja desconhecida, muitos a vinculam a São Patrício e afirmam que ele a lançou para converter pagãos. A cruz ficava em frente ao sol – adorado pelos pagãos -, mostrando a supremacia de Cristo sobre o mundo natural. Além disso, lembra que Cristo é a única fonte de luz e vida. Às vezes, também recebe o nome de Cruz do Sol.
Cruz de Santo André
Foi criada para simbolizar a cruz em que Santo André, o apóstolo, foi morto. A tradição conta que Santo André pediu para ser crucificado sobre este tipo de cruz, pois ele se sentiu indigno de ser crucificado de maneira idêntica à de Cristo.
 Cruz de São Pedro
Tem origem semelhante à cruz de Santo André. Pedro também não quis ser crucificado da mesma maneira do Salvador e pediu para ser colocado de cabeça para baixo na cruz. Por essa razão, essa cruz é usada para representar a humildade. Às vezes, faz referência ao papa, que é o sucessor de São Pedro.
Cruz Ortodoxa
É usada até hoje nas igrejas cristãs ortodoxas/bizantinas. A barra superior representa a placa pregada no topo da cruz por Pilatos (Jesus Nazareno, Rei dos Judeus). A segunda barra representa a tábua horizontal em que as mãos de Jesus foram pregadas. Já a terceira barra simboliza o apoio para os pés que teria sido usado para suportar os pés de Jesus. Está inclinada em reconhecimento ao fato de Cristo ter prometido o paraíso ao bom ladrão crucificado ao lado direito Dele. A liturgia ortodoxa se refere a esse simbolismo nas sextas-feiras:
 “No meio, entre dois ladrões, sua Cruz foi encontrada como o feixe de equilíbrio da justiça; enquanto um era levado para o inferno pelo fardo de sua blasfêmia, o outro foi iluminado de seus pecados até o conhecimento de coisas divinas”.

https://pt.aleteia.org/2017/08/18/5-tipos-diferentes-de-cruz-e-seus-significados/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

5º Dia da Quaresma de São Miguel Arcanjo

PARA NOSSO QUINTO DIA DA QUARESMA O TEMA SERA:
Pelas pessoas que só reclamam, só lamuriam!
Pessoas que são negativas e pessimistas.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Acredite: estas descobertas científicas sobre o jejum vão te surpreender


Neurocientistas mostram o que o jejum faz ao seu cérebro e por que a indústria farmacêutica não vai estudar este fenômeno

Mark Mattson, o atual chefe do Laboratório de Neurociência do Instituto Nacional de Envelhecimento e também professor de neurociência na Universidade Johns Hopkins, um dos mais respeitados pesquisadores na área de mecanismos moleculares e celulares para desordens neurodegenerativas, deu um TEDx que deveria ser assistido (em inglês).
Existem exemplos incontáveis da manipulação de pesquisas publicadas pelas industrias farmacêuticas nos anos recentes. É por isso que o professor de medicina de Harvard Arnold Symour Relman disse ao mundo que a profissão medica foi comprada pela indústria farmacêutica.
Dr. Richard Horton, editor chefe da revista The Lancet, disse que muito da literatura cientifica publicada hoje é inverdade. Já a Dra. Marcia Angell, antiga editora chefe da New England Journal of Medicine, disse que a “a indústria farmacêutica gosta de ser mostrar como uma indústria baseada em pesquisam, como a fonte de drogas inovadoras. Nada poderia ser mais longe da verdade.”
E é por isso que John Loannidis, um epidemiologista da escola de medicina da Universidade de Stanford publicou um artigo intitulado “Porque a maioria dos achados de pesquisas publicadas são falsos” que subsequentemente se tornou o artigo mais acessado da história da PLoS.
Dr. Mattson comenta no final do vídeo:
“Porque a dieta normal é três refeições diárias mais lanches? Não é porque ela seja o padrão mais saudável de comer, isso é a minha opinião, mas eu acho que existe um monte de evidência que mostra isso. Existe uma grande pressão que exista esse padrão de alimentação, existe muito dinheiro envolvido.
A indústria alimentícia – eles vão ganhar dinheiro de pessoas que pularam o café da manhã, como eu fiz hoje? Não, eles vão perder dinheiro. Se as pessoas jejuarem, a indústria alimentícia perde dinheiro. E a indústria farmacêutica?
Se as pessoas fizerem pequenos jejuns, se exercitem periodicamente e forem muito saudáveis, a indústria farmacêutica vai fazer dinheiro com pessoas saudáveis? ”

Principais pontos da palestra acima e a ciência da qual ela veio

Mark e sua equipe já publicaram vários artigos que discutem como jejuar duas vezes por semana pode diminuir o risco de desenvolver doenças como Parkinson e Alzheimer
“Já são bem conhecidas as mudanças que fazemos na dieta afetam nosso cérebro. Crianças que sofrem de epilepsia tem menos episódios quando são colocadas em dietas de restrição calórica ou jejuns.
Acredita-se que o jejum ajuda a iniciar medidas protetivas que ajudam a contrabalancear os sinais superexcitados que os cérebros epiléticos muitas vezes exibem (algumas crianças também se beneficiaram de uma dieta bem especifica com muita gordura e pouco carboidrato).
Cérebros normais, quando superalimentados, podem experimentar outro tipo de excitação descontrolada, impedindo o funcionamento cerebral.”
Basicamente, quando você olha para estudos sobre restrição calórica, muitos deles mostram um tempo de vida prolongado assim como uma habilidade aumentada de lutar contra doenças crônicas.
“A restrição calórica aumenta o tempo de vida e retarda doenças crônicas relacionadas a idade em muitas espécies, como ratos, camundongos, peixes, moscas, minhocas e leveduras. O mecanismo ou mecanismos pelo qual isso ocorre é desconhecido.”
A frase acima é de uma revisão da literatura que tem mais de 10 anos. O trabalho apresentado aqui mostra alguns dos mecanismos que antes eram desconhecidos.
O jejum faz coisas boas ao cérebro, e isso é evidenciado pelas mudanças neuroquímicas benéficas que acontecem no cérebro quando em jejum. Também aumenta a função cognitiva, fatores neurotróficos, resistência ao dano e reduz a inflamação.
O jejum é um desafio para o cérebro, e o cérebro responde a esse desafio adaptando vias de resposta ao dano que ajudam o seu cérebro a lidar com o dano e o risco de doenças. As mesmas mudanças que ocorrem no cérebro durante o jejum imitam as mudanças que ocorrem com exercício regular. Ambas aumentam a produção de fatores neurotróficos que promovem o crescimento de neurônios, a conexão entre eles e a força das sinapses.
“Desafios para o cérebro, seja por jejum intermitente ou exercício vigoroso… é um desafio cognitivo. Quando isso acontece circuitos neurais são ativados, níveis de fatores neurotróficos aumentam, e isso promove o crescimento de neurônios (e) a formação e fortalecimento das sinapses…”
O jejum também pode estimular a produção de novas células nervosas de células tronco no hipocampo. Ele também menciona a produção de cetonas e que isso poderia aumentar o número de mitocôndrias nos neurônios.
O jejum também aumenta o número de mitocôndrias nas células nervosas; isso é um resultado dos neurônios se adaptando ao dano pelo jejum (pela produção de mais mitocôndrias).
Pelo aumento do número de mitocôndrias nos neurônios, a habilidade dos neurônios de formar e manter as conexões entre eles também aumentam, melhorando assim o aprendizado e a memória.
“O jejum intermitente aumenta a habilidade das células nervosas de reparar DNA.”
Ele também entra no aspecto evolucionário da teoria – como nossos ancestrais adaptaram e foram selecionados para passar longos períodos de tempo sem comer.
Um estudo publicado na revista Cell Stem Cell por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia mostrou que ciclos de jejum prolongado protegem contra danos no sistema imune e, mais ainda, induz a regeneração do sistema imune.
Eles concluíram que o jejum altera as células tronco do estado dormente para o estado de auto-renovação. Ele ativa a regeneração baseada em células tronco de um órgão ou sistema.

Pesquisas clinicas em humanos foram realizadas usando pacientes que recebiam quimioterapia. Por longos períodos de tempo, os pacientes não comiam, o que reduziu as células de defesa. Em camundongos, ciclos de jejum “ligaram a regeneração, mudando as vias de sinalização das células tronco hematopoéticas, que são responsáveis pela geração do sistema sanguíneo e imune.”
Isso significa que o jejum mata as células imunes velhas e danificadas e quando o organismo reinicia ele usa as células tronco para criar células novinhas, completamente saudáveis.
“Nós não poderíamos prever que o jejum prolongado poderia ter um efeito tão impressionante na promoção de regeneração baseada em célula tronco do sistema hematopoético…
Quando você passa fome, o sistema tenta poupar energia, e uma das coisas que você pode fazer para poupar energia é reciclar muitas células imunes que não são necessárias, especialmente aquelas que estão danificadas. Nós começamos a notar em humanos e animais que as células de defesa diminui no jejum prolongado. Quando você é realimentado, as células retornam” – Valter Longo
Uma revisão de vários estudos sobre jejum foi publicada no The American Journal of Clinical Nutrition em 2007. Ela examinou estudos em humanos e animais e determinou que o jejum é uma maneira efetiva de reduzir o risco de doenças cardiovasculares e câncer. Também mostrou potencial em tratar a diabetes.
Antes de jejuar
Antes de começar a jejuar, tenha certeza que fez seu dever de casa. Pessoalmente, eu venho jejuando por anos e é algo fácil para mim.
Uma maneira recomendada de fazer – que foi testada pelo Michael Mosley da BBC para reverter seu diabetes, colesterol alto e outros problemas associados com a obesidade – é a que é conhecida como “dieta 5:2”.
No plano 5:2, você reduz sua comida para um quarto das suas calorias normais nos dias em jejum (que deve ser algo como 600 calorias para homens e 500 calorias para mulheres nas terças e quintas por exemplo), mas consumindo bastante água. Nos outros cinco dias da semana, você come uma dieta normal (no mesmo exemplo, 2400 para homens e 2000 para mulheres nos outros dias).
Outra maneira de fazer é restringir sua alimentação em algum horário específico, como só comer entre as 11 da manhã e 7 da noite e não comer fora desse horário.
Como você pensa sua dieta é, na minha opinião, uma das mais importantes, se não a mais importante parte de estar saudável. Como você pensa sobre o que você está inserindo no seu organismo é importante e eu acredito que isso irá eventualmente ficar firmemente estabelecido na literatura médica não influenciável no futuro.

(via Tema Livre)

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Quaresma de São Miguel Arcanjo


A Quaresma de São Miguel Arcanjo reaviva nossa devoção e nosso relacionamento com os anjos.
A História da Quarentena de São Miguel Arcanjo
A Quaresma de São Miguel Arcanjo começou com São Francisco, que era devoto do Arcanjo. São Francisco sentia o desejo de experimentar, no corpo e na alma, a Paixão de Cristo, Sua dor e também o imenso amor por se entregar ao sofrimento por nós.
No ano de 1224, o santo realizou a primeira quaresma de jejum e oração, no Monte Alverne, local deserto, distante, próprio para oração. São Francisco disse: “Para honra de Deus, da bem-aventurada Virgem Maria e de São Miguel Arcanjo, príncipe dos anjos e das almas, quero fazer aqui uma quaresma”.
No dia 17 de setembro, durante sua quaresma, enquanto estava em oração, teve a visão de um serafim, o qual logo se aproximou. Este tinha seis asas de fogo e também estava crucificado, mãos e pés estendidos e amarrados numa cruz. Duas asas elevavam-se por cima de sua cabeça, duas outras estavam abertas para o voo, as duas últimas cobriam-lhe o corpo. E, por meio desta visão, Francisco pôde compreender melhor o verdadeiro sentido da Paixão.
Quando chegou a Festa em honra a São Miguel Arcanjo, Francisco desceu o Monte Alverner, trazendo nos pés e nas mãos os estigmas de Jesus. Como achava-se indigno de se tornar igual a Cristo, que ficou em total jejum, no final daqueles dias bebeu água e comeu um pedaço de pão.
Importante lembrar que a quaresma pode ser realizada a partir de qualquer data do ano, sendo agosto a setembro um momento especial. Que você possa se reunir com sua família, amigos, namorado(a) para rezar pelas intenções que você traz no coração.
“Os anjos existem, são enviados pela Divina Providência, para que nos ajudem a alcançar a santidade da vida” (João Paulo II).
Esta quaresma deve ser rezada, diariamente, entre os dias 15 de agosto e 29 de setembro, dia da Festa de São Miguel.
Providencie um altar para São Miguel com uma imagem ou uma estampa. Todos os dias:
– Acender uma vela benta;
– Oferecer uma penitência;
– Fazer o sinal-da-cruz;
– Rezar a oração inicial;
– Rezar a ladainha de São Miguel.
* Rezar estas orações todos os dias:
Oração inicial para todos os dias
São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate, sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Ordene-lhe, Deus, instantemente o pedimos. E vós, príncipe da milícia celeste, pela virtude divina, precipitai no inferno a satanás e aos outros espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas. Amém.
Sacratíssimo Coração de Jesus (3x)
Ladainha de São Miguel Arcanjo
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.
Pai Celeste, que sois Deus, tende piedade de nós.
Filho, Redentor do Mundo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Espírito Santo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Trindade Santa, que sois um único Deus, tende piedade de nós.
Santa Maria, Rainha dos Anjos, rogai por nós.
São Miguel, rogai por nós.
São Miguel, cheio da graça de Deus, rogai por nós.
São Miguel, perfeito adorador do Verbo Divino, rogai por nós.
São Miguel, coroado de honra e de glória, rogai por nós.
São Miguel, poderosíssimo príncipe dos exércitos do Senhor, rogai por nós.
São Miguel, porta-estandarte da Santíssima Trindade, rogai por nós.
São Miguel, guardião do Paraíso, rogai por nós.
São Miguel, guia e consolador do povo israelita, rogai por nós.
São Miguel, esplendor e fortaleza da Igreja militante, rogai por nós.
São Miguel, honra e alegria da Igreja triunfante, rogai por nós.
São Miguel, luz dos anjos, rogai por nós.
São Miguel, baluarte dos cristãos, rogai por nós.
São Miguel, força daqueles que combatem pelo estandarte da cruz, rogai por nós.
São Miguel, luz e confiança das almas no último momento da vida, rogai por nós.
São Miguel, socorro muito certo, rogai por nós.
São Miguel, nosso auxílio em todas as adversidades, rogai por nós.
São Miguel, arauto da sentença eterna, rogai por nós.
São Miguel, consolador das almas que estão no Purgatório, rogai por nós.
São Miguel, a quem o Senhor incumbiu de receber as almas que estão no Purgatório,
São Miguel, nosso príncipe, rogai por nós.
São Miguel, nosso advogado, rogai por nós.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós, Senhor.
Rogai por nós, ó glorioso São Miguel, príncipe da Igreja de Cristo, para que sejamos dignos de Suas promessas.
Oração : Senhor Jesus, santificai-nos por uma bênção sempre nova e concedei-nos, pela intercessão de São Miguel, essa sabedoria que nos ensina a ajuntar riquezas do céu e a trocar os bens do tempo presente pelos da eternidade. Vós que viveis e reinais em todos os séculos dos séculos. Amém.
Consagração a São Miguel
Ó Príncipe nobilíssimo dos anjos, valoroso guerreiro do Altíssimo, zeloso defensor da glória do
Senhor, terror dos espíritos rebeldes, amor e delícia de todos os anjos justos, meu diletíssimo
Arcanjo São Miguel, desejando eu fazer parte do número dos vossos devotos e servos, a vós hoje
me consagro me dou e me ofereço, e ponho-me a mim próprio, a minha família e tudo o que me
pertence, debaixo da vossa poderosíssima proteção. É pequena a oferta do meu serviço, sendo como
sou um miserável pecador, mas vós engrandecereis o afeto do meu coração. Recordai-vos que de
hoje em diante estou debaixo do vosso sustento e deveis assistir-me em toda a minha vida e obter-me
o perdão dos meus muitos e graves pecados, a graça de amar a Deus de todo coração, ao meu
querido Salvador Jesus Cristo e a minha Mãe Maria Santíssima. Obtende-me aqueles auxílios que
me são necessários para receber a coroa da eterna glória. Defendei-me dos inimigos da alma,
especialmente na hora da morte. Vinde, ó príncipe gloriosíssimo, assistir-me na última luta e, com a
vossa arma poderosa, lançai para longe, precipitando nos abismos do inferno, aquele anjo quebrador
de promessas e soberbo que um dia prostrastes no combate no Céu.
São Miguel Arcanjo, defendei-no no combate para que não pereçamos no supremo Juízo. 

Amém.

domingo, 13 de agosto de 2017

O dia em que Jesus me repreendeu enquanto eu celebrava a Missa


Imagem relacionada

Sim, os padres também erram


Como acontece com todos os padres do mundo, não há um dia sem que procurem o Padre Sérgio para conversar e perguntar o que fazer em determinadas situações: “Minha sogra está contra mim, dá vontade de me distanciar dela e deixar de falar com ela. O que o senhor recomenda que eu faça?”

Outras situações que aparecem:

-“Meu avô deixou uma herança, mas tem todos os netos a merecem. Convém que entre na justiça?”

– “Padre, já não aguento mais meu esposo, seus insultos e maus tratos… Quero deixá-lo. O senhor acredita que seja conveniente?”

– “Sinto que tudo está dando errado na minha vida, todos os meus esforços têm sido em vão. Estou cansada. O que eu faço?”

Enfim, são muitas perguntas como essas que eu recebo todos os dias. Sempre trato de escutar com o coração e de iluminá-los com algumas palavras de esperança, convidando-os a fazer o bem e que peça força a Deus para seguir adiante. Também faço questão de lembra-los que mais vale padecer de uma injustiça que cometê-la.

Porém, o que mais faço é rezar por eles, especialmente na Eucaristia, quando tenho o meu Senhor em minhas mãos. Eu sempre digo a Ele: “Confio a ti tal pessoa e também aquela outra. Faça com que elas tomem as melhores decisões para Tua glória e benefício de suas famílias…”

Entretanto, outro dia, chegou a mim uma infinidade de problemas em uma só tarde. Eu sentia que meus conselhos eram muito pobres. Quando cheguei à Missa, era um mar de angústia. Seguia pensando em como faria para orientar essas pessoas. E, justamente depois da consagração, gaguejei em várias ocasiões. E me recriminei: “Você está fazendo errado.”

Naquele momento, consegui escutar o meu doce Jesus: “Sim, você está fazendo errado, você não poderá ajudá-los, diga a eles que perguntem para mim o que EU faria no lugar deles e EU indicarei o caminho.”

Eu tinha me equivocado. Não só no fato de gaguejar, mas também na maneira de auxiliar. Jesus tinha razão. Quem melhor que Ele para nos dizer o que fazer? Por isso, a partir daquele momento, me propus a não me preocupar tanto e orientar as pessoas para que se aproximem de Deus e peçam conselho a Ele mesmo.

Naquela mesma noite, antes de eu sair da igreja, apareceu um senhor que queria falar comigo. Ele me contou que o pai dele foi muito cruel com ele durante toda a sua vida; praticamente havia crescido entre insultos e brigas. Além disso, o homem não quis deixar os filhos irem à escola. Sem contar que ele só sabia dar ordens aos gritos para a esposa. Por isso, quando pode, o homem se distanciou do pai e havia mais de 30 anos que não o via. Porém, há uma semana, uma tia lhe contou que o pai dele estava fazendo diálise, que estava muito fraco e que ninguém da família queria ajudar. Por fim, ele perguntou: “Padre, graças a Deus tenho uma família, sou muito feliz, sei que minha esposa e meus filhos receberão meu pai com muito gosto, mas creio que não é justo que agora eu o ajude, depois de tudo o que ele nos fez sofrer. Será que sou obrigado a ajudá-lo?”

Eu lhe dei um abraço e disse: “Filho, lamento tudo o que você sofreu e entendo que você não acha justo. Mas te peço um favor: acompanhe-me, vou abrir a capela do Santíssimo e quero que você pergunte ao Nosso Senhor o que ele faria em seu lugar”.

Depois de meia hora, ele voltou e me disse entre lágrimas: “Padre, eu vou receber meu pai, graças a ele tenho a vida. Receberei meu pai em minha casa e vou ajudá-lo em tudo o que eu puder…”

Fui dormir muito alegre. Sentia que naquele dia eu descansaria como nunca. Deus, mais uma vez, me mostrou que ele soluciona os problemas; que eu só devo aproximar as pessoas Dele.

Muitas coisas dão errado porque nós não pensamos em perguntar a Jesus “o que ele faria em nosso lugar”. Como eu gostaria de encontrar todo mundo que está passando por uma dificuldade ou que precise tomar alguma decisão. Iria dizer-lhes: Não tenha medo, não se desgaste tanto, Deus te ama, está com você e vai te ajudar; coloque-se de joelhos diante dele e pergunte: “meu bom Jesus, o que o senhor faria em meu lugar?”



Fonte: http://www.padresergio.org

sábado, 12 de agosto de 2017

Oração para conseguir emprego


"Senhor, apesar da boa vontade de trabalhar há tanto desemprego"

São José Trabalhador, rogai pelos desempregados.
Senhor que disseste, comerás o pão com o suor de teu rosto, eu sei que o trabalho é digno e abençoado para sustentar a vida, mas Senhor, apesar da boa vontade de trabalhar há tanto desemprego!
E por isso Senhor, o desemprego está causando problemas na família e na vida pessoal. Senhor olhai pelos desempregados. Por isso hoje estamos rezando por estes, cujos nomes apresentamos agora…
(Diga os nomes das pessoas que estão precisando da graça de um emprego)
Senhor, por intercessão de São José Operário, faça com que estas pessoas consigam um trabalho decente para sustentar a vida. Senhor, quando estivestes neste mundo, fostes humilde carpinteiro. Tende piedade e compaixão dos desempregados que querem trabalhar, que precisam trabalhar.
Ilumina o caminho para que possam encontrar o que há tanto tempo estão procurando. Nós cremos Senhor naquela Tua Palavra: Batei e a porta vos será aberta.
Ilumina os desempregados a baterem na porta certa. Que não recebam um não ou o descaso, mas consigam a graça de um trabalho. Dai ânimo Senhor, aos desempregados. Abre as portas de um emprego para estas pessoas
(Diga mais uma vez os nomes das pessoas)
São José Operário, intercedei pelos desempregados.
Senhor, eu confio na Tua Graça.
Senhor, eu confio no Teu Poder.

Amém.

3 orações a São Caetano para pedir emprego


Não se renda! Tenha fé, pois essa é a única coisa que Deus exige para operar milagres em sua vida

São Caetano (1480-1547) foi o fundador da Ordem dos Teatinos e um dos primeiros promotores do Escapulário Azul, que se transformou em um sacramental próximo e querido dos Padres Marianos da Imaculada Conceição.
Caetano nasceu em Vicenza, Itália, e seu pai era um conde muito rico. Estudou Direito na Universidade de Pádua e conseguiu trabalho nos escritórios do Papa, em Roma. Porém, mais tarde, sentindo o chamado de Deus, decidiu ser sacerdote.
Com o passar do tempo, uniu-se a um grupo de homens humildes e simples, que se dedicavam a ajudar os enfermos e os pobres.
São Caetano também servia em um hospital, cuidando de pessoas com doenças contagiosas. Geralmente, convencia-os a receber a Sagrada Comunhão.
“Nunca serei feliz, até que eu veja os cristãos se unirem e se alimentarem com o Pão da Vida com avidez, não com medo e vergonha”, disse São Caetano.
Sabemos o quanto é importante levar o sustento de cada dia para o nosso lar, e que, em algumas ocasiões, as situações que vivemos nos colocam em uma posição pouco favorável para conseguir o trabalho que tanto desejamos e pelo qual tanto lutamos.
Deus capacitou a todos com talentos diferentes e suficientes para enfrentar a vida e ir adiante, seja qual for a dificuldade a que estivermos submetidos.
Não devemos nos desesperar, pois estamos seguros de que Deus tem reservado para nós esse lugar de trabalho, que será um lugar de salvação espiritual para nós e para nossos companheiros.
A seguir, deixamos três orações a São Caetano para que você possa pedir a intercessão dele junto ao Senhor. Não se renda, tenha fé, pois esta é a única coisa que Deus exige para operar milagres em sua vida.

Oração a São Caetano por uma causa desesperada
“Glorioso São Caetano, aclamado por todos os povos, Pai de providência porque socorres com grandes milagres a quem te invoca em suas necessidades, recorro ao teu altar, suplicando-te que apresentes ao Senhor os desejos que confiantemente deposito em tuas mãos.
(Pedir a graça)
Faz com que esta graça, que agora te peço, me ajude a buscar sempre o Reino de Deus e sua Justiça, sabendo que Deus, que veste de beleza as flores do campo e alimenta com a grandeza as aves do céu, me dará as demais coisas por consequência.
Em nome de Jesus.
Amém.”
(Rezar o Pai-Nosso, a Ave-Maria e o Glória)

Oração a São Caetano pelo sustento diário
“Ó, glorioso São Caetano, Pai de providência, não permitas que me falte o sustento em minha casa e faz com que eu sempre possa contar com o auxílio divino para suprir todas as necessidades de minha família.
Ó, glorioso São Caetano, confiamos na providência de Deus e na tua intercessão”.
(Pedir a graça)
(Rezar o Pai-Nosso, a Ave-Maria e o Glória)
Invocação:
“Glorioso São Caetano, intercede por nós junto à Divina Providência.
Em nome de Jesus.
Amém.”

Oração a São Caetano por pão e trabalho
“Deus de todo consolo, Pai misericordioso, que vês em segredo e conheces nossas necessidades, que alimenta os pássaros do céu e veste os lírios do campo, te pedimos, ó Senhor, por intercessão de São Caetano, que nos ajudes a viver sempre em teu amor e no amor de nossos irmãos, e, assim, nos concedas a graça de nunca nos faltar nem o pão nem o trabalho de cada dia.
Ó glorioso São Caetano, confiamos na providência de Deus e na tua intercessão”.
(Pedir a graça)
(Rezar o Pai-Nosso, a Ave-Maria e o Glória)
Invocação:
“Glorioso São Caetano, intercede por nós junto à Divina Providência.
Em nome de Jesus.
Amém.”

Oração originalmente publicada por pildorasdefe.net, traduzida e adaptada ao português.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Satisfaz-se à queixa dos que sentem securas e desconsolações na oração





Em primeiro lugar eu não digo que não se deva alegrar uma alma quando Deus a visita com as consolações espirituais, porque é coisa certa que não pode deixar de sentir gosto com a presença do seu divino esposo; nem digo também que não sinta a ausência de Deus, quando a castiga com securas e tentações, pois bem vejo que isto se não pode deixar de sentir. Cristo Nosso Redentor sentiu o desamparo de Seu Eterno Pai, quando estando na Cruz disse: Deus meu, Deus meu por que me desamparaste? (1) Mas o que pretendemos persuadir é que saibamos aproveitar-nos deste trabalho e desta prova com que o Senhor costuma experimentar muitas vezes a Seus escolhidos, e que sempre nos conformemos com a vontade de Deus, e digamos com fortaleza: Não se faça Senhor o que eu quero, senão o que vós quereis (2); pois devemos advertir que a santidade e perfeição não consiste nas consolações ou em ter alta e elevada oração, nem o nosso aproveitamento se mede por estas coisas, senão, pelo verdadeiro amor de Deus, o qual também não consiste nisso, mas em uma união e conformidade inteira com a vontade de Deus, assim nas amarguras como nas doçuras, e tanto no adverso como no próspero.


E assim havemos de tomar igualmente da mão de Deus tanto a cruz e o desamparo espiritual, como a consolação, dando-Lhe graças assim por uma coisa como pela outra. “Se quereis que esteja em trevas, sede bendito; e se quereis que esteja em luz, sede bendito igualmente. Se quereis que eu esteja consolado, sede bendito; e se quereis que esteja atribulado, sede também bendito para sempre” (3). Assim no-lo aconselha também o apóstolo S. Paulo. Em todas as coisas que vos acontecerem, dai graças a Deus, porque esta é a sua vontade (4). Pois se esta é a vontade de Deus, que mais temos que desejar? Esta vida não é mais que para agradar a Deus. Se Ele guia a minha vida por esta vereda escura e escabrosa, não tenho que suspirar por outro caminho mais claro e suave.


Quer Deus que aquele vá por um caminho fácil e cheio de luz, e que eu vá por este deserto escuro e cheio de desolação; pois eu não trocaria a minha escuridão pela sua claridade. Isto dizem os que têm os olhos abertos à verdade, e com isto se consolam. Diz muito bem o P. Mestre Ávila: Oh! se o Senhor nos abrisse os olhos, como veríamos mais claro que a luz do sol, que todas as coisas da terra e do céu são muito baixas para serem desejadas ou possuídas, se delas se aparta a vontade de Deus, e que não há coisa por pequena e amarga que seja, que, se vem junta com a vontade de Deus, não seja de muito valor! Vale muito mais sem comparação estar no meio de trabalhos, desolações, securas e tentações, se o Senhor assim o quer, do que todos os gostos e consolações e que todas as contemplações, se delas se aparta a vontade divina.


Porem dirá alguém: Se eu entendesse com certeza que esta era a vontade de Deus, e que Lhe agradava mais esta minha tribulação, facilmente me conformaria, e estaria muito contente, ainda que passasse toda a vida atribulado desta maneira, porque bem vejo que neste mundo não há mais que agradar a Deus, nem a vida é para outra coisa. Mas a mim parece-me que Deus queria que eu tivesse melhor oração e mais recolhimento e atenção, se eu me dispusesse para isso; e o que a mim me dá pena e tormento é crer que por minha culpa e tibieza, e por não fazer toda a diligência da minha parte, estou ali distraído e seco sem poder entrar na oração; pois se eu entendesse e estivesse persuadido que fazia da minha parte tudo o que devo, e que não era culpa minha a causa das minhas securas, não teria pena alguma.






Muito bem dada está a réplica; não há mais que dizer, porque nisto se vêm a resumir todas as razões dos que têm semelhantes queixas. E assim se satisfizermos bem a isto, faremos uma grande obra, porque não há ninguém, por santo e perfeito que seja, que não sinta a seus tempos estas securas e desolações espirituais. Do bem-aventurado S. Francisco e de S. Catarina de Sena lemos que, sendo tão amigos e favorecidos de Deus, contudo experimentaram estas provas. E S. Antão abade tendo tão alta oração, que as noites lhe pareciam breves, e se queixava do sol porque madrugava tanto, contudo algumas vezes era tão combatido e perseguido de pensamentos maus e importunos, que clamava e dava vozes a Deus: “Senhor, eu quero ser bom, e não me deixam os meus pensamentos!” Do mesmo se queixava São Bernardo e dizia: “Ai! Senhor, que se secou e coagulou o meu coração, e está tão endurecido como a terra sem água; de tal modo que não me posso compungir nem mover a lágrimas, tanta é a dureza de meu coração! Não me sinto bem no coro, não gosto da leitura espiritual, não me agrada a meditação; já não acho na oração o que antes costumava. Onde está aquela suavidade, paz e gozo no Espírito Santo?” Portanto não há dúvida que para todos é útil e necessária esta doutrina, e confio no Senhor que a todos satisfaremos.






Comecemos pois por aqui: Concedo que a vossa culpa é a causa da vossa distração e secura, e de não poderdes entrar na oração. Assim é bem que o sintais e o confesseis, que por vossos pecados e pelas vossas culpas e descuidos presentes, vos quer o Senhor castigar em vos não dar entrada na oração, e em não poderdes ter recolhimento nem quietação, nem atenção nela; enfim não o mereceis, antes o desmereceis. Porém daí não se segue; que vos hajais de queixar, antes deveis ter uma grande conformidade com a vontade de Deus neste particular. Quereis ver isto claramente? Por vossa boca e pelas vossas palavras vos quero julgar (5). Não conheceis e dizeis vós que pelos vossos pecados passados, e por vossas culpas e descuidos presentes, mereceis grande castigo de Deus? “Assim é na verdade, tenho merecido o inferno muitas vezes; e assim nenhum castigo será grande para mim, mas todo o castigo será misericórdia e benefício, em comparação do que eu mereço; e o querer-me Deus mandar algum castigo nesta vida, me terá por singular favor, pois para mim será sinal de que o Senhor me tem perdoado os meus pecados, e que me não quer castigar na outra vida, visto castigar-me nesta”.


Baste isso. Não é preciso acrescentar mais; eu me contento com o que já dissestes. Porém, não sejam tudo palavras; vamos às obras. Este é pois o castigo que Deus quer que padeçais agora por vossos pecados. Essas desolações, essas distrações e securas, esse desamparo espiritual, esse fazer-se-vos o céu de ferro e a terra de bronze, esse ocultar-se-vos Deus de modo que não acheis entrada na oração: essa é a pena com que Deus vos quer agora castigar, para expiardes as vossas culpas.


Não vos parece que os vossos pecados passados e os descuidos e negligências presentes merecem um grande castigo? “Sim, por certo; e agora digo que ainda é muito pequeno para o que mereço, e que esse castigo vem cheio de muita justiça e misericórdia. De justiça, porque, como tenho tantas vezes fechado a Deus as portas da minha alma e do meu coração, e me tinha feito surdo, quando Ele batia e chamava com Suas santas inspirações, resistindo-lhes muitas vezes: agora é muito justo que o Senhor, ainda que eu chame, Se faça também surdo e não me responda nem me queira abrir a porta, antes me dê com ela nos olhos: Justíssimo castigo é este, mas para mim muito pequeno, e assim é cheio de misericórdia, por ser muito inferior ao que eu merecia”. A isto só respondo: Conformai-vos pois com a vontade de Deus nesse castigo, e recebei-o com ações de graças, visto castigar-vos com tanta misericórdia, e não segundo os vossos merecimentos.


Não dizeis vós que merecíeis o inferno? Pois como vos atreveis a pedir a Deus consolações e regalos na oração, e que vos dê nela muita entrada e muita familiaridade com Ele, e uma paz e sossego e quietação própria de filhos muito queridos e regalados? E como vos atreveis a fazer queixa do contrário? Não vedes que essa vossa ousadia é grande atrevimento e soberba? Contentai-vos com que Deus vos tenha em sua casa, e vos consinta em Sua presença, e estimai isso por grande mercê e benefício singular. Se no nosso coração houvesse humildade, não teríamos boca para nos queixarmos, de qualquer modo que o Senhor nos tratasse, e assim facilmente acabaria esta tentação.


(Exercícios de Perfeição e Virtudes Cristãs pelo V. Padre Afonso Rodrigues da Companhia de Jesus, versão do Castelhano por Fr. Pedro de Santa Clara, 4.ª Edição, primeira Parte, Tomo II.)


Notas:


1- Deus meus, Deus meus, ut quid dereliquisti me? Matth. XXVII, 46.


2- Veruntamen non sicut ego volo, sed sicut tu. Matth. XXVI, 39.


3- Kempis, Imit. De Cristo, 1. III, c.17.


4- In omnibus gratias agite, haec est enim voluntae Dei. I ad Thess. V, 13.


5- De ore tuo te judico. Luc. XIX, 22.



Fonte: A grande Guerra.

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...