segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

"SEU VOCABULÁRIO PARA 2013"

MORTE DA VIDA VELHA

Que estas palavras façam parte do seu dia-a-dia em 2013: Jesus Cristo, Virgem Santíssima, Fé, Esperança, Luta, Entrega, Devoção, Santificação, Respeito, Cura, Libertação, Amor, Abandono em Deus, Justiça, Sinceridade, Adoração, Reciprocidade, Penitência, Mortificação, Reflexão, Perdão, Louvor, Morte da vida velha, Sacramentos, Purificação, Disponibilidade para Deus, Bençãos, Prosperidade, Alegria, Submissão, Oração, Jejum, Silêncio, Revisão de vida, Meditação, Confissão, Restauração, Missão, Ser missionário, Liturgia da palavra, Bíblia, Salmos, Comunhão com Cristo, Espiritualidade, Amizade com Deus, Fidelidade, Aliança, Carisma, Unção de Deus, Evangelização, e aquela que brota agora no seu coração. 
Agradecemos a todos por mais este ano juntos, por cada visitante que por aqui passou e que em  2013 estaremos juntos para continuar a nossa meta de viver em Cristo, trabalhando com Ele e levando almas para Deus...

FONTE: Filhos Espirituais de Pe. Pio

"FECHADO PARA BALANÇO"

Que 2013 seja pra você totalmente diferente do que foi 2012. Que você já a partir de agora faça uma revisão daquilo que foi 2012, faça uma análise bem critica do que foi feito nesse ano que está acabando. Dos erros, das faltas cometidas, das faltas de perdão, do comodismo, da preguiça. Daquilo que foi urgente mais preferi deixar para depois, do meu adiamento em servir a Deus de uma maneira mais plena, mais sincera.

Das vezes que tive a chance de ser melhor mas preferi adiar, das vezes em que ouviu a voz de Deus mas fez pouco caso. Agradecemos a todos que passaram por aqui, que 2013 seja o ano da vitória na vida de cada um e que a presença da força do alto seja o que predomine em sua vida...

FONTE: Filhos Espirituais de Pe. Pio

sábado, 29 de dezembro de 2012

"QUEM OBSERVA A LEI, ADQUIRE A SABEDORIA"


Quem teme a Deus faz estas coisas; quem observa a Lei, adquire a Sabedoria. Ela vem ao seu encontro qual mãe venerada, e como jovem esposa o acolhe.
Ela o alimenta com o pão da vida e do entendimento e lhe dá de beber a água da Sabedoria salutar. Nela ele se apóia e não cai; confia nela e não será envergonhado. Ela o exalta entre seus companheiros e faz com que tome a palavra no meio da assembléia. Ela o encherá do espírito de Sabedoria e inteligência, e o cobrirá com um manto glorioso. Ela o cumulará de um tesouro de alegria e júbilo e ainda lhe dará, como herança, um renome imortal.
Os insensatos não a alcançarão mas os ajuizados se encontrarão com ela; os pecadores não a verão, pois ela está longe da soberba e do engano. Os mentirosos não se lembrarão dela, mas os que amam a verdade nela serão encontrados e terão bom êxito, até o julgamento de Deus.

O pecado nada tem a ver com Deus 
Não é belo o louvor na boca do ímpio, pois não foi Deus quem lho concedeu.
À sabedoria de Deus convém o louvor: o sábio a louvará com seus lábios, pois é o seu Dominador quem a ensina
 Não digas: “De Deus vem o meu pecado!”, pois Deus não faz o que Ele próprio detesta. Não digas: “Ele me induziu!”, pois Deus não precisa dos ímpios. Todo erro é abominável e o Senhor o odeia: por isso não podem aceitá-lo os que o temem.
Desde o princípio Deus criou o ser humano e o entregou às mãos do seu arbítrio, e o deixou em poder da sua concupiscência.
Acrescentou-lhe seus mandamentos e preceitos e a inteligência, para fazer o que lhe é agradável. Se quiseres guardar os mandamentos, eles te guardarão; se confias em Deus, tu também viverás.
Diante de ti, ele colocou o fogo e a água; para o que quiseres, tu podes estender a mão.  Diante do ser humano estão a vida e a morte, o bem e o mal; ele receberá aquilo que preferir.
A Sabedoria do Senhor é imensa, Ele é forte e poderoso e tudo vê continuamente.
Os olhos do Senhor estão voltados para os que o temem; Ele conhece todas as obras do ser humano.
 Não mandou ninguém agir como ímpio e a ninguém deu licença para pecar.

ECLESIÁSTICO 15, 1-21

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

"OS SANTOS INOCENTES"



A festa de hoje, instituída pelo Papa São Pio V, ajuda-nos a viver com profundidade este tempo da Oitava do Natal. Esta festa encontra o seu fundamento nas Sagradas Escrituras.

Quando os Magos chegaram a Belém, guiados por uma estrela misteriosa, "encontraram o Menino com Maria e, prostrando-se, adoraram-No e, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes - ouro, incenso e mirra. E, tendo recebido aviso em sonhos para não tornarem a Herodes, voltaram por outro caminho para a sua terra. Tendo eles partido, eis que um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse-lhe: 'Levanta-te, toma o Menino e sua mãe e foge para o Egito, e fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o Menino para o matar'. E ele, levantando-se de noite, tomou o Menino e sua mãe, e retirou-se para o Egito. E lá esteve até à morte de Herodes, cumprindo-se deste modo o que tinha sido dito pelo Senhor por meio do profeta, que disse: 'Do Egito chamarei o meu filho'. Então Herodes, vendo que tinha sido enganado pelos Magos, irou-se em extremo e mandou matar todos os meninos que havia em Belém e arredores, de dois anos para baixo, segundo a data que tinha averiguado dos Magos. Então se cumpriu o que estava predito pelo profeta Jeremias: 'Uma voz se ouviu em Ramá, grandes prantos e lamentações: Raquel chorando os seus filhos, sem admitir consolação, porque já não existem'" (Mt 2,11-20)

Quanto ao número de assassinados, os Gregos e o jesuíta Salmerón (1612) diziam ter sido 14.000; os Sírios 64.000; o martirológio de Haguenau (Baixo Reno) 144.000. Calcula-se hoje que terão sido cerca de vinte ao todo. Foram muitas as Igrejas que pretenderam possuir relíquias deles.

Na Idade Média, nos bispados que possuíam escola de meninos de coro, a festa dos Inocentes ficou sendo a destes. Começava nas vésperas de 27 de dezembro e acabava no dia seguinte. Tendo escolhido entre si um "bispo", estes cantorzinhos apoderavam-se das estolas dos cônegos e cantavam em vez deles. A este bispo improvisado competia presidir aos ofícios, entoar o Inviatório e o Te Deum e desempenhar outras funções que a liturgia reserva aos prelados maiores. Só lhes era retirado o báculo pastoral ao entoar-se o versículo do Magnificat: Derrubou os poderosos do trono, no fim das segundas vésperas. Depois, o "derrubado" oferecia um banquete aos colegas, a expensas do cabido, e voltava com eles para os seus bancos. Esta extravagante cerimônia também esteve em uso em Portugal, principalmente nas comunidades religiosas.

A festa de hoje também é um convite a refletirmos sobre a situação atual desses milhões de "pequenos inocentes": crianças vítimas do descaso, do aborto, da fome e da violência. Rezemos neste dia por elas e pelas nossas autoridades, para que se empenhem cada vez mais no cuidado e no amor às nossas crianças, pois delas é o Reino dos Céus. Por estes pequeninos, sobretudo, é que nós cristãos aspiramos a um mundo mais justo e solidário.

Santos Inocentes, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

"ORAÇÃO EUCARÍSTICA"




1. A missa é ação de graças
A missa também pode ser chamada de eucaristia, ou seja, ação de graças. E a partir da passagem do servo de Abraão podemos ter uma noção do que é uma oração eucarística ou de ação de graças. Pois bem, esta atitude de ação de graças recebe o nome de berakah em hebraico, que traduzindo-se para o grego originou três outras palavras: euloguia, que traduz-se por bendizer; eucharistia, que significa gratidão pelo dom recebido de graça; e exomologuia, que significa reconhecimento ou confissão.
Diante da riqueza desses significados podemos nos perguntar: quem dá graças a quem? Ou melhor, dizendo, quem dá dons, quem dá bênçãos a quem? Diante dessa pergunta podemos perceber que Deus dá graças a si mesmo, uma vez que sendo uma comunidade perfeita o Pai ama o Filho e se dá por ele e o Filho também se dá ao Pai, e deste amor surge o Espírito Santo. Por sua vez, Deus dá graças ao homem, uma vez que não se poupou nem de dar a si mesmo por nós e em resposta o homem dá graças a Deus, reconhecendo-se criatura e entregando-se ao amor de Deus. Ora, o homem também dá graças ao homem, através da doação ao próximo a exemplo de Deus. Também o homem dá graças à natureza, respeitando a e tratando-a como criatura do mesmo Criador. O problema ecológico que atravessamos é, sobretudo, um problema eucarístico. A natureza também dá graças ao homem, se respeitada e amada. A natureza dá graças a Deus estando a serviço de seu criador a todo instante.
A partir desta visão da ação de graças começamos a perceber que a Missa não se reduz apenas a uma cerimônia realizada nas Igrejas, ao contrário, a celebração da Eucaristia é a vivência da ação de Deus em nós, sobretudo através da libertação que Ele nos trouxe em seu Filho Jesus. Cristo é a verdadeira e definitiva libertação e aliança, levando à plenitude a libertação do povo judeu do Egito e a aliança realizada aos pés do monte Sinai 

2. A missa é sacrifício

Sacrifício é uma palavra que possui a mesma raiz grega da palavra sacerdócio, que do latim temos sacer-dos, o dom sagrado. O dom sagrado do homem é a vida, pois esta vem de Deus. Por natureza o homem é um sacerdote. Perdeu esta condição por causa do pecado. Sacrifício, então, significa o que é feito sagrado. O homem torna sua vida sagrada quando reconhece que esta é dom de Deus. Jesus Cristo faz justamente isso: na condição de homem reconhece-se como
criatura e se entrega totalmente ao Pai, não poupando nem sua própria vida. Jesus nesse momento está representando toda a humanidade. Através de sua morte na cruz dá a chance aos homens e às mulheres de novamente orientarem suas vidas ao Pai assumindo assim sua condição de sacerdotes e sacerdotisas.
Com isso queremos tirar aquela visão negativa de que sacrifício é algo que representa a morte e a dor. Estas coisas são necessárias dentro do mistério da salvação, pois só assim o homem pode reconhecer sua fraqueza e sua condição de criatura.

3. A Missa também é Páscoa

A Páscoa foi a passagem da escravidão do Egito para a liberdade, bem como a aliança selada no monte Sinai entre Deus e o povo hebreu. E diante desses fatos o povo hebreu sempre celebrou essa passagem, através da Páscoa anual, das celebrações da Palavra aos sábados, na sinagoga e diariamente, antes de levantar-se e deitar-se, reconhecendo a experiência de Deus em suas vidas e louvando a Deus pelas experiências pascais vividas ao longo do dia. O povo judeu vivia em atitude de ação de graças, vivendo a todo instante a Páscoa em suas vidas.


ARQUIDIOCESE DE BRASÍLIA
PARÓQUIA SÃO JOSÉ
CATEQUESE DE CRISMA


Bíblia "Rainha James"


A versão da Bíblia reeditada por ativistas gays com o objetivo de eliminar as discussões acerca do homossexualismo, tem causado uma série de discussões entre pastores, teólogos e outros cristãos. Chamada “Queen James” (Rainha James), a versão da Bíblia edita diversos versículos das escrituras sagradas do cristianismo de forma a eliminar interpretações que condenam o homossexualismo.

O pastor e teólogo Augustus Nicodemus falou ao The Christian Post sobre o assunto, rebatendo os argumentos usados pelos criadores da “bíblia gay”.
- Quantos versículos precisamos para reconhecer que Deus aborrece alguma coisa? – declarou o pastor, comentando sobre o argumento que diz que entre milhares de versículos no livro sagrado, apenas 8 interpretam o homossexualismo como pecado.
Nicodemus explicou ainda a versão histórica apresentado pelos ativistas gays para o nome adotado para essa versão da Bíblia afirmando que na verdade a referência a James como “Rainha James”, baseia-se num epigrama da época, “Rex fuit Elizabeth, nunc est regina Jacobus”. O termo significa “Elizabeth era o rei e agora James é a rainha” e era uma piada sobre o fato de que o Rei James era pacífico e tranquilo enquanto que sua esposa Elizabeth era agitada e autoritária.
- Não havia qualquer insinuação de homossexualidade na frase, que visava apenas debochar da passividade do Rei James – completou o pastor, que afirmou ainda que o Rei James era um cristão comprometido, erudito e muito capaz teologicamente.
Ele citou ainda um trabalho teológico escrito pelo Rei James (“Basilikon Doron”), onde o próprio coloca a sodomia entre os pecados que jamais deveriam ser perdoados, e explica que o fato de que muitos dos seus amigos mais próximos do rei serem homens jovens deu origem à especulação quanto à sua sexualidade.
Outro argumento rebatido por Nicodemus Foi a reivindicação dos idealizadores da Bíblia Rainha James de que a palavra “homossexualidade” que só foi mencionada na Bíblia RSV (Revised Standard version) a partir de 1946 e que antes disto não havia menções, apenas interpretações.
Citando passagens como a de Levíticos 18:22 que diz “Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação”, o pastor afirma que não há outra forma de interpretar tal versículo a não ser como uma condenação à homossexualidade.
Outro versículo citado pelo teólogo, como forma de refutar esse argumento, foi Romanos 1:26-27 que diz “Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro”.
Nicodemus afirma ainda que todas as versões da Bíblia que ele conhece, condenam o ato sexual entre pessoas do mesmo sexo.
- Estariam todas elas erradas? – questiona.
O assunto foi comentado também pelo colunista André Sanchez, para quem desqualificar algo ou alguém parece ser a forma sempre utilizada pelos ativistas gays para afirmarem suas convicções.
- Que os ativistas gays travam uma batalha contra aquilo que a Bíblia diz a respeito de suas práticas, todo mundo já sabe. Porém, essa iniciativa deles foi bem ousada agora. Apesar de terem sido ousados, a iniciativa apenas demonstrou claramente que eles fizeram uma manipulação dos textos para encaixar sua filosofia de vida e ficarem com sua consciência tranquila – afirmou.
Sanchez disse ainda que a “iniciativa dos ativistas gays abre um longo caminho para que qualquer pessoa faça a sua própria tradução da Bíblia, conforme suas convicções”, e que isso pode significar “Bíblias” editadas para justificar a avareza, egoísmo e blasfêmia.


Por Dan Martins

"SÃO JOÃO EVANGELISTA"



O nome deste evangelista significa: "Deus é misericordioso": uma profecia que foi se cumprindo na vida do mais jovem dos apóstolos. Filho de Zebedeu e de Salomé, irmão de Tiago Maior, ele também era pescador, como Pedro e André; nasceu em Betsaida e ocupou um lugar de primeiro plano entre os apóstolos.

Jesus teve tal predileção por João que este assinalava-se como "o discípulo que Jesus amava". O apóstolo São João foi quem, na Santa Ceia, reclinou a cabeça sobre o peito do Mestre e, foi também a João, que se encontrava ao pé da Cruz ao lado da Virgem Santíssima, que Jesus disse: "Filho, eis aí a tua mãe" e, olhando para Maria disse: "Mulher, eis aí o teu filho". (Jo 19,26s). Quando Jesus se transfigurou, foi João, juntamente com Pedro e Tiago, que estava lá. João é sempre o homem da elevação espiritual, mas não era fantasioso e delicado, tanto que Jesus chamou a ele e a seu irmão Tiago de Boanerges, que significa "filho do trovão".

João esteve desterrado em Patmos, por ter dado testemunho de Jesus. Deve ter isto acontecido durante a perseguição de Domiciano (81-96 dC). O sucessor deste, o benigno e já quase ancião Nerva (96-98), concedeu anistia geral; em virtude dela pôde João voltar a Éfeso (centro de sua atividade apostólica durante muito tempo, conhecida atualmente como Turquia). Lá o coloca a tradição cristã da primeiríssima hora, cujo valor histórico é irrecusável. O Apocalipse e as três cartas de João testemunham igualmente que o autor vivia na Ásia e lá gozava de extraordinária autoridade. E não era para menos. Em nenhuma outra parte do mundo, nem sequer em Roma, havia já apóstolos que sobrevivessem. E é de imaginar a veneração que tinham os cristãos dos fins do século I por aquele ancião, que tinha ouvido falar o Senhor Jesus, e O tinha visto com os próprios olhos, e Lhe tinha tocado com as próprias mãos, e O tinha contemplado na sua vida terrena e depois de ressuscitado, e presenciara a sua Ascensão aos céus. Por isso, o valor dos seus ensinamentos e o peso de das suas afirmações não podiam deixar de ser excepcionais e mesmo únicos. Dele dependem (na sua doutrina, na sua espiritualidade e na suave unção cristocêntrica dos escritos) os Santos Padres daquela primeira geração pós-apostólica que com ele trataram pessoalmente ou se formaram na fé cristã com os que tinham vivido com ele, como S. Pápias de Hierápole, S. Policarpo de Esmirna, Santo Inácio de Antioquia e Santo Ireneu de Lião. E são estas precisamente as fontes donde vêm as melhores informações que a Tradição nos transmitiu acerca desta última etapa da vida do apóstolo.

São João, já como um ancião, depara-se com uma terrível situação para a Igreja, Esposa de Cristo: perseguições individuais por parte de Nero e perseguições para toda a Igreja por parte de seu sucessor, o Imperador Domiciano. Além destas perseguições, ainda havia o cúmulo de heresias que desentranhava o movimento religioso gnóstico, nascido e propagado fora e dentro da Igreja, procurando corroer a essência mesma do Cristianismo. Neste situação, Deus concede ao único sobrevivente dos que conviveram com o Mestre, a missão de ser o pilar básico da sua Igreja naquela hora terrível. E assim o foi. Para aquela hora, e para as gerações futuras também. Com a sua pregação e os seus escritos ficava assegurado o porvir glorioso da Igreja, entrevisto por ele nas suas visões de Patmos e cantado em seguida no Apocalipse.

Completada a sua obra, o santo evangelista morreu quase centenário, sem que nós saibamos a data exata. Foi no fim do primeiro século ou, quando muito, nos princípios do segundo, em tempo de Trajano (98-117 dC). Três são as obras saídas da sua pena incluídas no cânone do Novo Testamento: o quarto Evangelho, o Apocalipse e as três cartas que têm o seu nome.


FONTE: Canção Nova

"JOÃO, O EVANGELISTA"


João = Águia. João é simbolizado pela águia, porque começa o evangelho escrevendo sobre Jesus, a Palavra do Pai que desceu sobre esta terra e encarnou-se. Semelhante a uma águia, João realiza seu voo até o seio do Pai para depois num mergulho atingir a terra em busca de seu objetivo, a salvação do homem. O Evangelho de João é o Evangelho da espiritualidade do evangelizador, porque ele dá a cristão maduro e conte´mplativo uma visão unitária dos vários mistérios da salvação. João era o discípulo que Jesus amava. João tinha como objetivo fortalecer os leitores deste livro na fé em Jesus Cristo como filho de Deus. O Evangelho de João é considerado por muitos o livro mais profundo e mais espiritual da Bíblia. Nele, Cristo dá uma revelação mais completa de si mesmo e de Deus que em qualquer outro Evangelho.
Mais da metade do livro de João é ddedicado aos sucessos da vida de Cristo e ás suas palavras durante seus últimos dias. João em seu Evangelho registra oito milagres de Jesus para provar sua divindade, milagres encontrados apenas neste livro.

fonte: A Boa Semente

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

"VEM COMIGO... NO CAMINHO EU TE EXPLICO"

QUANTAS VEZES VOCÊ JÁ OUVIU ESSA VOZ: "VEM COMIGO, SEGUE-ME" MAS PENSA QUE NÃO É CONTIGO, PENSA QUE É COISA DE LOUCO OU QUE ESTA A OUVIR COISAS.
DEUS TE CHAMA, ELE NÃO PRECISA DO SEU TRABALHO, ELE PRECISA DE VOCÊ, ELE NÃO SE IMPORTA COM O QUE VOCÊ FEZ OU É. SEUS ERROS, TROPEÇOS, ESCÂNDALOS, TRAIÇÕES, ENFIM QUALQUER COISA QUE TENHA FEITO PRA ELE NÃO IMPORTA, PRA ELE IMPORTA O HOJE, O AGORA...
É POSSÍVEL REVERTER ESSA SITUAÇÃO, É POSSÍVEL VIVER DE UMA MANEIRA    MAIS  PLENA, MAIS CHEIA, DÊ APENAS UMA CHANCE, UMA OPORTUNIDADE E AÍ TUDO VAI SER DIFERENTE...

FONTE: Filhos Espirituais de Pe. Pio

"O VERBO ETERNO SE FEZ HOMEM"



“Ó fogo que sempre ardes, abrasa-me”. Ó Verbo encarnado, fizestes-vos homem para acender em nós o fogo do amor divino; como pudestes pois encontrar tanta ingratidão nos corações dos homens? Nada poupastes para vos fazer amar por eles; sacrificastes o vosso sangue e a vossa vida. Como pois resistem eles a tanta bondade? Ignoram o que fizestes por eles? Ah! eles sabem e creem que por amor deles descestes do céu para vos revestir da carne humana, vos sobrecarregar de suas misérias, viver entre dores e padecer uma morte ignominiosa. Como pois passam sua vida sem sequer pensar em vós? Amam os parentes, amam os amigos, amam até os animais. Se deles recebem qualquer sinal de afeto, procuram remunerá-los; só a vós não testemunham nem amor nem reconhecimento. Mas ai de mim, gemendo sobre a ingratidão dos homens, acuso-me a mim mesmo de haver sido mais do que os outros culpado para convosco. Mas a vossa bondade me encoraja. Com tanta paciência me tendes suportado, a fim de me perdoar e abrasar no vosso amor, contanto que me arre-penda e vos ame. Sim, meu Deus, quero arrepender-me e me arrependo de toda a minha alma de vos ter ofendido; quero amar-vos de todo o meu coração. Confesso, meu Redentor, que meu coração já não merece ser aceito por Vós, porque vos abandonou para se apegar às criaturas; mas vejo que o quereis ainda apesar de sua indignidade: eu vo-lo consagro e vo-lo dou com toda a minha vontade. Inflamai-o pois todo inteiro de vosso santo amor e fazei que doravante não ame outra coisa fora de vós, bondade infinita, digna dum infinito amor. Amo-vos, meu Jesus, amo-vos, soberano Bem, amo-vos, único amor de minha alma. Ó Maria, minha Mãe, que sois a Mãe do belo Amor, obtende-me a graça de amar o meu Deus; é de Vós que o espero.


Encarnação, Nascimento
e Infância de Jesus Cristo
S. AFONSO MARIA DE LIGÓRIO
Doutor da Igreja e Fundador da Congregação Redentorista


"O PRIMEIRO MÁRTIR"

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

"NATAL DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO"

No Natal, Deus nos dá conhecer seu Unigênito, que nos concede o perdão e nos comunica a vida verdadeira. se no pecado da humanidade a morte entra na história; no Verbo Encarnado, a graça de Deus se faz carne, instaura a salvação definitiva e nos reconduz a Deus, que é a fonte da vida.

Irmãos e irmãs, hoje nasceu para nós o Salvador. Celebremos jubilosos seu Natal, que a graça e a ternura de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, o amor misericordioso do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco.

Bendigamos ao Senhor, que desde sempre nos deu a vida! Proclamemos a misericórdia de Deus, que nos perdoa os pecados e nos resgata da morte!
Louvemos a Deus que, pelo nascimento de Cristo, aproximou-se de nossa humanidade!
Proclamemos nossa alegria, porque em Cristo se cumpre toda a justiça de Deus!
Bendigamos ao Pai que, pela comunhão da Igreja, nos convida a participar das bem aventuranças do Reino!

CELEBRAÇÃO DOMINICAL - PARÓQUIA DIVINO ESPÍRITO SANTO

"NADA PODE SUPERAR O ESPÍRITO DO NATAL"


Que a partir desse Natal nossos olhos espirituais estejam mais aguçados para as coisas do alto.
Que o Natal renasça com mais força na vida de todos nós, pois nenhuma força é maior do que a força que existe no amor.
Que o materialismo não supere, não seja mais forte do que o amor.
Que a esperança trazida pelo nascimento desse menino possa renovar sonhos e forças. Bastamos nos abrir para essa força redentora e fortalecedora para que então tudo se renove. O sentido do Natal nunca foi perdido, está apenas adormecido, esquecido visto por pessoas que só tem olhos para enxergar o que quer e como quer.
Mas mesmo assim e ainda assim Ele quer invadir os nossos corações, basta que deixemos. A equipe FILHOS ESPIRITUAIS DE PE. PIO deseja a todos um ENORME FELIZ NATAL, agradecendo as opiniões, sugestões e criticas e pedindo para que Deus providencie um anjo para acompanhar cada um que por aqui passar!!!

FONTE: Filhos Espirituais de Pe. Pio

"NATAL"


É Natal. Tempo de fé
Felicidade nos corações humanos.
Esperança de dias melhores.            Inspirações de amor.
Família. União cristã.
Encontros acontecendo. Festa preparada.
Estrela brilhando, Cristo nascendo.
Tempo preparado, para vê-lo chegar.
Céu aplaudindo. Caminhos se abrindo.
Vida florindo. Mundo sorrindo.
Fraternidade se manisfestando.
Gente perdoando. Mãos se juntando.
Humanidade agradecendo.
Tudo é prece. E momento de paz.
Ele veio para nos salvar
Por isto é Natal.

FONTE: Paróquia do Divino Espírito Santo - Varginha - MG

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

'ESTÁ PARA NASCER UM PODEROSO SALVADOR"



 Zacarias, seu pai, cheio do Espírito Santo, profetizou dizendo:
 “Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e libertou o seu povo.
 Ele fez surgir para nós um poderoso salvador na casa de Davi, seu servo,
 assim como tinha prometido desde os tempos antigos, pela boca dos seus santos profetas: de salvar-nos dos nossos inimigos e da mão de quantos nos odeiam.
 Ele foi misericordioso com nossos pais: recordou-se de sua santa aliança,
 e do juramento que fez a nosso pai Abraão, de nos conceder
 que, sem medo e livres dos inimigos, nós o sirvamos,
 com santidade e justiça, em sua presença, todos os dias de nossa vida.
 E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, porque irás à frente do Senhor, preparando os seus caminhos, dando a conhecer a seu povo a salvação, com o perdão dos pecados, graças ao coração misericordioso de nosso Deus, que envia o sol nascente do alto para nos visitar para iluminar os que estão nas trevas, na sombra da morte,e dirigir nossos passos no caminho da paz”.
 O menino crescia e seu espírito se fortalecia. Ele vivia nos desertos, até o dia de se apresentar publicamente diante de Israel.

EVANGELHO DE LUCAS 1, 67-79

"ESMAGAREI TEUS ADVERSÁRIOS"



1 [Poema de Etã, o ezraíta.]
2 Vou cantar para sempre a bondade do Senhor; anunciarei com minha boca sua fidelidade de geração em geração.
3 Pois disseste: “Minha bondade está de pé para sempre”. Estabeleceste tua fidelidade nos céus.
4 “Fiz aliança com meu eleito; jurei a Davi, meu servo:
5 Estabeleço tua dinastia para sempre, firmo teu trono para todas as idades”.
6 Os céus celebram tuas maravilhas, Senhor; celebra-se tua fidelidade na assembléia dos santos.
7 Pois quem pode, nas alturas, comparar-se com o Senhor? Quem é igual ao Senhor entre os deuses?
8 Deus é tremendo no conselho dos santos, maior e mais terrível que os que o rodeiam.
9 Senhor, Deus dos exércitos, quem é como tu? És poderoso, Senhor, e tua fidelidade te circunda.
10 És tu que domas o orgulho do mar, que acalma as ondas quando elas se elevam.
11 Tu esmagaste o Egito como um inimigo abatido, com teu braço poderoso dispersaste teus inimigos.
12 Teu é o céu, tua é a terra; o mundo e o que nele existe tu firmaste.
13 Criaste o Norte e o Sul; o Tabor e o Hermon exultam ao teu nome.
14 Teu braço é cheio de vigor, forte é tua mão esquerda, alta a tua direita.
15 A justiça e o direito são as bases do teu trono, a bondade e a fidelidade caminham à tua frente.
16 Feliz o povo que sabe fazer festa, ele caminha, Senhor, ao fulgor do teu rosto!
17 Por causa do teu nome ele se alegra sempre, e na tua justiça encontra sua glória.
18 Pois tu és a sua esplêndida força, e é por teu favor que ergues nossa fronte.
19 Pois o Senhor é nosso escudo, e o Santo de Israel, nosso rei.
20 Outrora falaste numa visão a teus fiéis: “Impus a coroa a um herói, elevei um eleito no meio do povo.
21 Encontrei Davi, meu servo, com meu santo óleo o ungi;
22 minha mão o sustentará, meu braço o fortalecerá.
23 O inimigo não poderá enganá-lo nem o mau oprimi-lo.
24 Esmagarei diante dele seus adversários e os que o odeiam eu abaterei.
25 Minha fidelidade e minha bondade estarão com ele e pelo meu nome crescerá seu poder.
26 Estenderei sua mão esquerda sobre o mar e sua mão direita sobre os rios.
27 Ele me invocará: Tu és meu pai, meu Deus, meu rochedo, meu salvador.
28 Eu farei dele o primogênito, o mais elevado dos reis da terra.
29 Eu lhe conservarei meu favor para sempre e minha aliança com ele será estável.
30 Farei viver para sempre sua descendência e seu trono como os dias do céu.
31 Se seus filhos abandonarem minha lei e não andarem segundo meus preceitos,
32 se violarem minhas prescrições e não observarem meus mandamentos,
33 castigarei com a vara suas transgressões, e com açoites seus pecados.
34 Mas não lhes retirarei meu favor e não vou desmentir minha fidelidade.
35 Não violarei minha aliança, não mudarei a palavra saída dos meus lábios.
36 Eu o jurei uma vez pela minha santidade; não, não mentirei a Davi;
37 sua descendência será perpétua e seu trono durará diante de mim como o sol,
38 como a lua que permanece para sempre, testemunha fiel no firmamento”.
39 Mas tu rejeitaste, repudiaste, te irritaste contra teu ungido.
40 Invalidaste a aliança feita com teu servo, lançaste por terra e profanaste sua coroa.
41 Fizeste brechas em todas as suas muralhas, reduziste a ruínas suas fortalezas.
42 Todos os que passam o depredam, tornou-se um opróbrio para seus vizinhos.
43 Fizeste triunfar seus adversários, alegraste todos os seus inimigos.
44 Cegaste o corte da sua espada, não o sustentaste no combate.
45 Puseste fim a seu esplendor, lançaste por terra seu trono.
46 Abreviaste os dias da sua juventude, de vergonha o cobriste.
47 Até quando, Senhor, te esconderás para sempre? E teu furor se abrasará como o fogo?
48 Lembra-te como sou passageiro: acaso criaste para nada todos os homens?
49 Quem é que pode viver e não ver a morte? Quem pode livrar sua alma do poder do abismo?
50 Onde estão, Senhor, teus gestos de bondade de outrora, que juraste a Davi por tua fidelidade?
51 Lembra-te, Senhor, do opróbrio do teu servo, trago no coração todos os ultrajes dos povos,
52 os insultos lançados por teus inimigos, Senhor, contra os passos do teu ungido.
53 Bendito seja o Senhor para sempre! Amém! Amém!

SALMO 88 Bíblia da CNBB

domingo, 23 de dezembro de 2012

10 DICAS PARA SANTIDADE


1 - FAZER UM TEMPO DE ORAÇÃO ANTES DE COMEÇAR O DIA;
2 - ESCOLHER UMA INTENÇÃO PARA CADA DIA;
3 - REZAR O ROSÁRIO COMPLETO TODOS OS DIAS;
4 - LER A BÍBLIA TODOS OS DIAS;
5 - CONHECER OS MANDAMENTOS E AS PROMESSA DE DEUS PARA SEU POVO;
6 - CONFISSÃO SEMANAL;
7 - FAZER MORTIFICAÇÕES;
8 - CARIDADE PARA COM O PRÓXIMO;
9 - FAZER PEQUENOS ATOS DE HUMILDADE;
10 - EXAME DE CONSCIÊNCIA ANTES DE DEITAR.

fonte:www.santidade.net

'POSTURA DENTRO DA IGREJA"



Os gestos são importantes na liturgia. Nosso corpo também "fala" através dos gestos e atitudes. Durante toda a celebração litúrgica nos gesticulamos, expressando um louvor visível não só a Deus, mas também a todos os homens.
Quando estamos sentados, ficamos em uma posição confortável que favorece a catequese, pois nos dá a satisfação de ouvir evitando o cansaço; também ajuda a meditar sobre a Palavra que está sendo recebida.
Quando ficamos de pé, demonstramos respeito e consideração, indicando prontidão e disposição para obedecer. Quando nos ajoelhamos ou inclinamos durante a missa, declaramos a nossa adoração sincera a Deus todo-poderoso, indicando homenagem e, principalmente, total submissão a Ele e à sua vontade. Ao juntarmos as mãos, mostramos confiança e fé em Deus.

1. A missa é ação de graças
A missa também pode ser chamada de eucaristia, ou seja, ação de graças. E a partir da passagem do servo de Abraão podemos ter uma noção do que é uma oração eucarística ou de ação de graças. Pois bem, esta atitude de ação de graças recebe o nome de berakah em hebraico, que traduzindo-se para o grego originou três outras palavras: euloguia, que traduz-se por bendizer; eucharistia, que significa gratidão pelo dom recebido de graça; e exomologuia, que significa reconhecimento ou confissão.
Diante da riqueza desses significados podemos nos perguntar: quem dá graças a quem? Ou melhor, dizendo, quem dá dons, quem dá bênçãos a quem? Diante dessa pergunta podemos perceber que Deus dá graças a si mesmo, uma vez que sendo uma comunidade perfeita o Pai ama o Filho e se dá por ele e o Filho também se dá ao Pai, e deste amor surge o Espírito Santo. Por sua vez, Deus dá graças ao homem, uma vez que não se poupou nem de dar a si mesmo por nós e em resposta o homem dá graças a Deus, reconhecendo-se criatura e entregando-se ao amor de Deus. Ora, o homem também dá graças ao homem, através da doação ao próximo a exemplo de Deus. Também o homem dá graças à natureza, respeitando a e tratando-a como criatura do mesmo Criador. O problema ecológico que atravessamos é, sobretudo, um problema eucarístico. A natureza também dá graças ao homem, se respeitada e amada. A natureza dá graças a Deus estando a serviço de seu criador a todo instante.
A partir desta visão da ação de graças começamos a perceber que a Missa não se reduz apenas a uma cerimônia realizada nas Igrejas, ao contrário, a celebração da Eucaristia é a vivência da ação de Deus em nós, sobretudo através da libertação que Ele nos trouxe em seu Filho Jesus. Cristo é a verdadeira e definitiva libertação e aliança, levando à plenitude a libertação do povo judeu do Egito e a aliança realizada aos pés do monte Sinai.

2. A missa é sacrifício
Sacrifício é uma palavra que possui a mesma raiz grega da palavra sacerdócio, que do latim temos sacer-dos, o dom sagrado. O dom sagrado do homem é a vida, pois esta vem de Deus. Por natureza o homem é um sacerdote. Perdeu esta condição por causa do pecado. Sacrifício, então, significa o que é feito sagrado. O homem torna sua vida sagrada quando reconhece que esta é dom de Deus. Jesus Cristo faz justamente isso: na condição de homem reconhece-se como criatura e se entrega totalmente ao Pai, não poupando nem sua própria vida. Jesus nesse momento está representando toda a humanidade. Através de sua morte na cruz dá a chance aos homens e às mulheres de novamente orientarem suas vidas ao Pai assumindo assim sua condição de sacerdotes e sacerdotisas.
Com isso queremos tirar aquela visão negativa de que sacrifício é algo que representa a morte e a dor. Estas coisas são necessárias dentro do mistério da salvação, pois só assim o homem pode reconhecer sua fraqueza e sua condição de criatura.

3. A Missa também é Páscoa
A Páscoa foi a passagem da escravidão do Egito para a liberdade, bem como a aliança selada no monte Sinai entre Deus e o povo hebreu. E diante desses fatos o povo hebreu sempre celebrou essa passagem, através da Páscoa anual, das celebrações da Palavra aos sábados, na sinagoga e diariamente, antes de levantar-se e deitar-se, reconhecendo a experiência de Deus em suas vidas e louvando a Deus pelas experiências pascais vividas ao longo do dia. O povo judeu vivia em atitude de ação de graças, vivendo a todo instante a Páscoa em suas vidas.



COMPÊNDIO
DA DOUTRINA SOCIAL
DA IGREJA
A JOÃO PAULO II
MESTRE DE DOUTRINA SOCIAL
TESTEMUNHA EVANGÉLICA
DE JUSTIÇA E DE PAZ

sábado, 22 de dezembro de 2012

"ORAÇÃO A SÃO JOSÉ PELAS VOCAÇÕES"



Ó São José, que fostes escolhido por Deus para ser o guarda fiel de Jesus e de Maria,
olhai para as necessidades que temos de Sacerdotes, de Irmãos e Missionários, que sejam sobretudo educadores da juventude.
Obtende-nos numerosos continuadores da obra que realizastes junto de Jesus Menino e adolescente, na pessoa de tantos jovens que esperam quem os preserve do erro e do vício e quem lhes distribua a palavra de Deus e saiba orientá-los para os caminhos consoladores da virtude.
Iluminai as famílias cristãs para que compreendam o dever e a honra de responder ao divino Senhor da messe, que convida a trabalhar com ele na mística vinha da Igreja, e fazei que os jovens sejam dóceis ao chamado divino e perseverantes na sua vocação.
Que o vosso patrocínio enriqueça as comunidades cristãs com muitas e santas vocações para a glória de Jesus, para a honra de vossa esposa Maria Santíssima, para a propagação do vosso culto, especialmente entre os jovens e operários e para o crescimento da santa Igreja.
Amém.

FONTE: Filhos Espirituais de Pe. Pio

"COMO JOSÉ PREGAVA?



Tinha uma maneira de falar simples e prática. Não se deixava envolver por arroubos de oratória e nem usava raciocínios filosóficos e acadêmicos, pouco acessíveis ao povo e aos jovens, mas sabia penetrar no coração dos ouvintes de maneira muito eficaz. Trazemos dois exemplos que caracterizam seu estilo popular.“Hoje estamos na vigília da Festa de São José - dizia ele a seus jovens. - Eis a graça que devemos pedir para ele. Aconteceu no mês passado que um Sacerdote, já bastante avançado em idade, veio fazer uma oferta de 500 liras. Já estava na porta de saída quando voltou e me disse: - Peço vivamente que orem por mim para eu alcançar uma graça espiritual para uma pessoa conhecida. Esta pessoa tem fé, mas não vive conforme sua fé. Exortei-o a mudar de vida. Ele respondeu que seria bom, mas não tem força para isto. Precisa de uma graça extraordinária que o sacuda e force a vontade teimosa.-Eis a graça que devemos pedir a São José: uma força especial em favor daquela pessoa...”Ainda falando aos jovens assim se expressava de maneira muito concreta e pitoresca:“Que lugar ocupa ele no céu? O santo Padre Pio IX afirma que o lugar dele é estar ao lado de Jesus, como já tinha sido seu lugar na terra. Jesus está sentado à direita de Deus Pai todo poderoso, a glória máxima. José e Maria logo depois”. E insistia: “Santa Teresa diz que nos dias de sua festa nunca tinha pedido uma graça sem obtê-la. Por quê? Jesus nunca diz não a Maria, Jesus nunca diz não a José. São José foi honrado por Deus na terra e é poderoso no céu. Os Anjos têm inveja dele”.É fácil ver por estas citações qual era o estilo que ele usava para inculcar nos jovens e no povo a devoção ao nosso santo.

FONTE: Filhos Espirituais de Pe. Pio


"AS SETE SÚPLICAS DE SÃO JOSÉ"



1 - Amabilíssimo São José, pela singular honra com que vos distinguiu o Eterno Paiescolhendo-vos para serdes seu representante aqui na terra como Pai Virginal de seu FilhoUnigênito, obtende-me de Deus, ó grande santo, a graça que tanto desejo.Pai Nosso, Ave Maria, Glória.


2 - Felicíssimo São José, pelo amor filial que Jesus vos consagrou reconhecendo-voscomo pai e obedecendo-vos como respeitoso filho, alcançai-me de Deus, ó meu caro santo, agraça que do fundo do coração vos imploro.Pai Nosso, Ave Maria, Glória.


3 - Puríssimo São José, pela graça especialíssima que recebestes do Divino EspíritoSanto ao dar-vos por esposa Maria Santíssima, nossa Mãe querida, rogai a Deus me outorguea graça que instantemente vos peço.Pai Nosso, Ave Maria, Glória.


4 - Amantíssimo São José, pelo amor puríssimo que tivestes a Jesus e a Maria amandoa Jesus como vosso filho e vosso Deus e Maria Santíssima como vossa esposa, obtende-me deDeus, ó glorioso santo, a graça desejada.Pai Nosso, Ave Maria, Glória.


5 - Dulcíssimo São José, pelo grande gozo que vos inundou o coração por terdessempre convosco Jesus e Maria e pelos serviços que lhes prestastes, impetrai de Deus, ó grandesanto, a graça desejada.Pai Nosso, Ave Maria, Glória.


6 - Poderosíssimo São José, pela bela sorte que vos coube de morrer nos braços deJesus e Maria e de ser por eles consolado e confortado na vossa agonia e morte, tornando-seambos um verdadeiro êxtase de amor, alcançai-me de Deus, meu caro santo, a graça que tantoalmejo.Pai Nosso, Ave Maria, Glória.


7 - Gloriosíssimo São José, pai poderoso de minha alma, pela reverência que vostributa a corte celeste como Pai nutrício de Jesus e esposo da Mãe de Deus, Rainha de todo oUniverso, atendei, meu grande santo, minhas súplicas e dignai-vos acolhê-las piedosamente.Assim seja.Pai Nosso, Ave Maria, Glória.


Rogai por nós, bem-aventurado São JoséPara que sejamos dignos das promessas de CristoOração:Ó Deus, que pela inefável providência vos dignastes escolher São José para esposo devossa Mãe Santíssima, concedei-nos, vo-lo suplicamos, mereçamos ter como intercessor no céu aquele que veneramos na terra como protetor. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém


FONTE: Filhos Espirituais de Pe. Pio


QUEREIS SALVAR-ME, MAS MINHA IGNORÂNCIA NÃO SE IMPORTA!




Ó Deus de minha alma! eu vejo que quereis salvar-me por todos os meios. Meus pecados já me tinham perdido; eu me tinha condenado a mim mesma ao inferno; mas em vez de me enviardes a este lugar de tormentos, como eu merecia, me estendestes a vossa mão cheia de ternura, e não contente de me livrardes do inferno e do pecado, me tirastes, como por força, do meio dos perigos do mundo, para me colocar na vossa casa entre vossas esposas. Ó meu divino Esposo, eu espero ir para o céu, para lá cantar eternamente as grandes misericórdias que me fizestes. Como seria feliz, se nunca vos tivesse ofendido, ó meu Jesus! Ajudai-me agora que muitos vos quero amar, e fazer todo o possível para vos agradar. Vós nada poupastes para obter o meu amor, é justo que eu faça tudo para vos ser agradável. Vós vos destes a mim sem reserva, eu me dou também toda a vós. Sendo minha alma eterna, a vós me quero unir eterna; sendo o amor o vínculo que une a vós, eu vos amo. Eu vos amo, meu Salvador; eu vos amo, meu Redentor; eu vos amo, meu Esposo! eu vos amo meu único tesouro, meu único amor! eu vos amo, eu vos amo, e espero sempre vos amar. Vossos merecimentos são a única esperança.
Eu confio também inteiramente na vossa proteção, ó Maria, Mãe de meu Deus e minha Mãe! Vós me alcançastes o perdão, quando eu estava no pecado. Agora que estou na graça de Deus, como tenho confiança, e que tenho a felicidade de ser religiosa, pertence a vós obter-me a graça de me santificar. Assim o espero. Amém.

A VERDADEIRA ESPOSA
DE JESUS CRISTO

A Religiosa Santificada por meio das virtudes próprias do seu estado
Por Sto. Afonso Maria de Ligório
Doutor da Igreja



sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

"Vida de São Luís Maria Grignon de Montfort"

"FILME - Sobre Dom Bosco"

"DO JEJUM DOS VÍCIOS E DOS ALIMENTOS"

 


 Devemos também jejuar e abster-nos dos vícios e pecados (Eclo 3,32) bem como do excesso no comer e no beber e devemos ser católicos.
 Visitemos também freqüentemente as igrejas e honremos e respeitemos os clérigos, não tanto por sua pessoa - se forem pecadores - mas sobretudo por causa do
seu ministério em que nos administram o santíssimo corpo e sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo que sacrificam sobre o altar, recebem e repartem aos outros.
 E estejamos todos firmemente convencidos de que ninguém pode salvar-se a não ser pelas santas palavras e pelo sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Os clérigos
proferem, anunciam essas palavras e ministram o sacramento. Só eles estão autorizados a exercer esse ministério, mais ninguém.  Especialmente, porém, os religiosos, tendo renunciado ao mundo, estão obrigados
a fazer mais e coisas maiores, sem, entretanto, omitir as outras (Lc 11,42). Devemos odiar nossos corpos com os seus vícios e pecados, porque diz o Senhor no Evangelho: "Todos os vícios e pecados procedem do coração"          (Mt 15,18-19).

 
E
SCRITOS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS

"FRAGMENTOS DO PENSAMENTO DE SÃO TOMÁS DE AQUINO"


Textos para auxílio do cresciemnto espiritual

Não se deve esforçar o homem por alcançar objetos que ultrapassem a razão... o que é da alçada racional ensina-se, com suficiência, nas disciplinas filosóficas; logo, parece escusada outra doutrina além das disciplinas filosóficas.

É impossível proceder ao infinito na série dos seres que se geram
sucessivamente. Deve-se admitir, por isso, que existe um ser necessário que tenha em si toda a razão de sua existência, e do qual procedam todos os outros seres. A este chamamos Deus.

Há pessoas que desejam saber só por saber, e isso é curiosidade; outras, para alcançarem fama, e isso é vaidade; outras, para enriquecerem com a sua ciência, e isso é um negócio torpe; outras, para serem edificadas, e isso é prudência; outras, para edificarem os outros, e isso é caridade.

Para a salvação do homem, foi preciso, por divina revelação, tornarem-se-lhe conhecidas certas verdades superiores à razão.
A doutrina sagrada não assenta conclusões a título igual sobre Deus e as criaturas, mas, sim, de Deus principalmente, e das criaturas enquanto se referem a Deus como princípio ou fim; o que não tolhe a unidade da ciência.

Dê-me, Senhor, agudeza para entender, capacidade para reter, método e faculdade para aprender, sutileza para interpretar, graça e abundância para falar. Dê-me, Senhor, acerto ao começar, direção ao progredir e perfeição ao concluir.

O mínimo conhecimento que pudermos adquirir das coisas altíssimas é mais
desejável do que o conhecimento certíssimo de coisas mínimas, conforme o
Filósofo. [Referência a Aristóteles].
Nenhuma doutrina que receba de outra os seus princípios, merece o nome de
sabedoria, cabendo ao sábio ordenar e não ser ordenado, como diz
Aristóteles... sábio se chama, em qualquer gênero, quem lhe atende à
altíssima causa.
Quem, portanto, considera a causa absoluta mais alta do universo, que é
Deus, deve ser chamado sábio por excelência. Pelo que também se define a
sabedoria conhecimento das coisas divinas, como se vê em Agostinho. Ora, o
próprio da sagrada doutrina é considerar a Deus, causa altíssima...

Há duas espécies de demonstração [para a existência de Deus]. Uma, pela
causa, pelo porquê das coisas, a qual se apóia simplesmente nas causas
primeiras. Outra, pelo efeito, que é chamada 'a posteriori', embora se baseie
no que é primeiro para nós; quando um efeito nos é mais manifesto do que a
sua causa, por ele chegamos ao conhecimento desta. Ora, podemos
demonstrar a existência da causa própria de um efeito, sempre que este nos é
mais conhecido do que aquela; porque, dependendo os efeitos da causa, a
existência deles supõe, necessariamente, a preexistência desta. Por onde, não
nos sendo evidente, a existência de Deus é demonstrável pelos efeitos que
conhecemos.

(S. TOMÁS DE AQUINO , O MAIS SÁBIO DOS SANTOS)

A LITURGIA DA MISSA - Sentido, valor e utilidade




Certa ocasião, numa cidade do interior, o bispo da diocese fora visitar as obras de construção de uma Igreja. Ele então, viu vários operários carregando tijolos de um lado para outro e resolveu conversar com alguns deles:

- O que você está fazendo?

E o primeiro responde-lhe:

- Carrego tijolos.

O segundo, feita a mesma pergunta, responde:

- Estou garantindo o leite de meus filhos.

 

Fazendo a mesma pergunta a um terceiro operário, este responde ao bispo:

- Estou ajudando a construir uma igreja, aonde as pessoas virão agradecer a Deus por tudo que ele faz em suas vidas.

Três pessoas, a mesma ação. E para cada uma delas a ação tinha um sentido diferente. É o mesmo que ocorre com

a missa. Para alguns, não há sentido, pois fazem seus atos sem ter consciência deles. Outros têm uma visão muito

individualista do que fazem, e por fim há os que enxergam o todo da realidade em que participam, fazendo seus atos terem um sentido total. E nós, em qual grupo nos encaixamos?

Antes de respondermos, analisemos o sentido da missa. A missa é uma celebração. E celebrar, “é tornar presente uma realidade através de um rito”. Na celebração, temos sempre presentes o passado, o presente e o futuro, que em breves

momentos unem-se num tempo só, a eternidade. E qual a finalidade de uma celebração? Nenhuma. A celebração possui valor. Aliás, as coisas mais importantes do homem como o lazer, o amor, a arte, a oração não tem uma finalidade produtiva,

mas sim valor. E o valor da missa é tornarmos presente a paixão-morte-ressurreição de Cristo através da celebração, e assim participarmos mais ainda do mistério de salvação da humanidade.

Vale a pena ainda lembrar que, ao tornarmos presente o sacrifício de Cristo não quer dizer que estejamos novamente sacrificando o Cristo. Partindo do princípio que a salvação de Cristo não se prende à nossa visão de presente, passado e futuro, mas coloca-se no nível da eternidade, podemos afirmar que Cristo ao morrer na cruz salva todos os homens em todos os tempos, e a cada instante. É como se em cada missa, você estivesse aos pés da cruz contemplando o mistério da redenção da humanidade. E é o que acontece em cada missa, em cada eucaristia celebrada. E aí está o amor de Cristo ao dar-se na Eucaristia, em forma de alimento.



ARQUIDIOCESE DE BRASÍLIA
PARÓQUIA SÃO JOSÉ
CATEQUESE DE CRISMA


quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

PORQUE MARIA NOS É NECESSÁRIA?


Porque somente Maria encontrou
graça diante de Deus.
[7] 1º) Somente Maria achou graça diante de Deus, tanto para si como para cada homem em particular. Os Patriarcas e os Profetas, todos os Santos da antiga lei não puderam encontrar essa graça.

Porque somente Maria é Mãe da graça.
[8] 2º) Por isso que Maria foi quem deu o ser a vida ao Autor de toda graça, é que a chamamos Mãe da graça, Mater gratiae.

Porque somente Maria possui, depois de
Jesus, a plenitude da graça.
[9] 3º) Deus pai, de quem procedem, como de sua fonte essencial, todo dom perfeito e toda graça, deu-lhe todas as suas graças; de modo que a vontade de Deus, como diz S.Bernardo, lhe é dada nele e com ele.

Porque somente Maria é a tesoureira
de todas as graças de Jesus.
[10] 4º) Deus a escolheu para tesoureira, ecônoma e dispensadora de todas as suas graças; de sorte que todas as suas graças e todos os seus dons passam por suas mãos; e segundo o poder que Ela recebeu, como diz São Bernardino, Ela distribui a quem quer, como quer, quando quer e quanto quer, as graças do Pai Eterno, as virtudes de Jesus Cristo e os dons do Espírito Santo.

Porque para ter Deus por Pai,
é necessário ter Maria por Mãe.
[11] 5º) Assim como, na ordem natural, uma criança tem que ter um pai e uma mãe, da mesma maneira na ordem da graça é preciso que um verdadeiro filho da Igreja tenha a Deus por pai e Maria por mãe; e si se gloria de ter a Deus por pai, não tendo por Maria a ternura de um verdadeiro filho, é um enganador que só tem por pai ao demônio.

Porque os membros de Jesus devem
ser formados pela Mãe de Jesus.
[12] 6º) Desde que Maria formou o Chefe dos predestinados, que é Jesus Cristo, a Ela também compete formar os membros desse Chefe, que são os
verdadeiros Cristãos; pois uma mãe não forma a cabeça sem os membros, nem os membros sem a cabeça. Quem quiser, pois, ser membro de Jesus Cristo, cheio de graça e de verdade, deve ser formado em Maria por meio da graça de Jesus Cristo, que nela reside em toda a plenitude, para ser plenamente comunicada aos verdadeiros membros de Jesus Cristo e aos seus verdadeiros filhos.
Porque é por Maria que o Espírito Santo
produz os predestinados.
[13] 7º) Havendo o Espírito Santo desposado Maria, e tendo produzido nela, por ela e dela a Jesus Cristo, essa obra prima que é o Verbo encarnado; e como nunca a repudiou, continua a produzir todos os dias nela e por Ela de uma maneira misteriosa, porém verdadeira, os predestinados.

Porque é Maria que está encarregada de
alimentar as almas, e de fazê-las crescer em Deus.

[14] 8º) Maria recebeu de Deus um domínio particular sobre as almas para nutri-las e as fazer crescer em Deus. Santo Agostinho diz mesmo que neste mundo os predestinados são todos encerrados no seio de Maria, e que não nascem senão quando essa boa Mãe os gera para a vida eterna. Por conseguinte, como a criança tira todo o alimento de sua mãe, que o dá proporcionado à sua fraqueza, da mesma maneira os predestinados tiram todo o alimento espiritual e toda a sua força de Maria.

Porque Maria deve habitar nos predestinados.
[15] 9º) Foi a Maria que Deus Pai disse:
In Jacob inhabita: Minha filha, habita em Jacó. Foi a Maria que Deus Filho disse: In Israel Haereditare: Minha querida Mãe, tende vossa herança em Israel, quer dizer, nos predestinados. Enfim, foi a Maria que o Espírito Santo disse: In electis meis mitte radices: Lançai, minha Esposa fiel, raízes em meus eleitos. Todo aquele, pois, que é eleito e predestinado tem a Ssma. Virgem habitando em si, quer dizer, em sua alma, e aí a deixa lançar raízes de profunda humildade, de ardente caridade e de todas as virtudes.

TRECHO DE: O GRANDE SEGREDO
PARA SE CHEGAR A SANTIDADE
S. LUIS MARIA GRIGNON DE MONTFORT

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...