sábado, 29 de agosto de 2015

10 hábitos das pessoas resilientes

Soluções para quem quer aprender a lidar melhor com as adversidades da vida

Young woman climbing. Rock climber.
Juanan Barros Moreno

É comum pensar que a resiliência nasce espontaneamente em algumas pessoas que precisam enfrentar situações adversas, mas ela não é uma característica que nasce com a pessoa e nem uma parte do temperamento dela. Resiliência é um processo em que o indivíduo entra numa dinâmica de interações com os outros e com o ambiente de modo a ser capaz de superar uma adversidade.

Em outras palavras, não se nasce com resiliência psicológica, mas se desenvolve e se aprende a manter.

É por isso que um dos pilares da pessoa resiliente está diretamente ligado aos seus hábitos. Estes hábitos característicos de pessoas treinadas em resiliência podem ser bastante variados e flexíveis.

Nomeamos 10 que são aplicáveis à maioria dos casos. Pessoas treinadas em resiliência:

1. Tomam medidas para melhorar a sua autoestima

São capazes de reconhecer que o que fazem hoje muda a maneira de como percebem a si mesmos amanhã; por isso, orientam parte das suas ações para melhorar a autoestima e a autoconfiança, fazendo isso de maneira mais ou menos consciente para garantir a eficácia destas tarefas constantemente.

2. Caem de cabeça em tarefas criativas

A criatividade é uma maneira de fazer com que todo o nosso pensamento se concentre em resolver um novo desafio. A percepção de criar algo original faz com que esse hábito seja altamente estimulante, e a sensação de ter concluído um trabalho que é único no mundo é altamente prazerosa. Pessoas resilientes gostam de trocar alguns costumes do dia por novidades que exigem um pouco mais de si mesmos.

3. Aceitam a realidade…

As pessoas que desenvolvem uma boa resiliência são capazes de detectar situações nas quais fica praticamente impossível fazer uma mudança de contexto, seja a curto ou médio prazo. Isso possibilita que não sejam iludidas, mas focam e se esforçam para se adaptar a esta nova situação vendo-a como uma nova experiência.

4. … mas não perdem de vista os objetivos!

Aceitam as situações que, inicialmente, parecem ser esmagadoramente ruins, como por exemplo, o término de um longo namoro ou uma doença inesperada. Isso não significa que a partir daquele momento todos os aspectos da vida da pessoa estarão em torno do contexto negativo. Pessoas resilientes mostram tendência para tirar proveito da atenção seletiva: em vez de ficar o dia todo pensando nas coisas ruins que acontecem, focam nos objetivos. Afinal de contas, definir metas com um significado pessoal, por mais insignificante que possa parecer, nos permite gerir bem os nossos hábitos e assumir o controle de nossas ações. A resiliência é, em parte, direcionada para o horizonte do possível.

5. Cercam-se de pessoas com atitudes positivas…

Pessoas resilientes são, entre outras coisas, pessoas que passaram por uma situação difícil e que, ao lidar com tal situação, aprenderam a treinar sua própria gestão emocional. Elas assumem a existência de uma fonte de tensão e não tentam ignorar ou suprimir a memória, simplesmente desviam a atenção procurando sempre ter uma atitude positiva em relação a pessoas. Envolver-se com uma comunidade receptiva e apoiar seus membros é uma boa maneira de facilitar a gestão das emoções. Fazer com que haja um fluxo de otimismo e desejo de superação pessoal vai desde o ambiente em que vive até dentro de si mesmo; dessa forma, tudo se torna mais fácil.

6. …mas sabem conviver com todo mundo!

Viver a vida normalmente não inclui se limitar a uma bolha de amigos e conhecidos com características específicas. Pessoas com um bom domínio de estratégias de enfrentamento não terão problemas em interagir com todos os tipos de pessoas de vez em quando.

7. Fazem coisas o dia todo
Menos quando dormem, é claro! Manter uma atitude ativa os ajuda a se concentrar em alcançar os objetivos desejados e isso tem um efeito positivo sobre a sua auto-estima e sobre a autoconfiança.

8. Praticam esportes e/ou algum tipo de meditação

Meditar traz vários benefícios como facilitar o desenvolvimento de pensamentos positivos e reduzir o estresse. Praticar um esporte também serve para relaxar e ganhar confiança. Ambos os hábitos são uma rotina de pequenas metas diárias.

9. Usam o bom humor para se capacitar

O humor é um recurso valioso para minimizar as coisas. Fazer piadas sobre algo relacionado a problemas pessoais é perfeitamente saudável, é uma resposta emocional excelente para aliviar o estresse. É claro que, como se trata de resiliência, devem ser piadas espontâneas e genuinamente engraçadas. Se fazer humor for uma tarefa autoimposta, talvez se trate de um mecanismo de defesa usado para mascarar os sentimentos.

10. Reservam momentos para pensar sobre o que podem fazer a longo prazo

Enfrentar a adversidade significa olhar para além do estresse ou da tristeza, o que pode ser sentido por um longo tempo. Portanto, pessoas que começam uma resiliência dinâmica, planejam seus objetivos e tornam alguns deles projetos permanentes em longo prazo. Isso os ajuda a manter os pensamentos fixos sobre as coisas que podem ser mudadas e também sobre o fato de poder alterar o contexto, tornando mais fácil enfrentar situações negativas.

http://www.aleteia.org/pt/educacao/conteudo-agregado/10-habitos-das-pessoas-resilientes-5900350326308864?page=2

7 passos simples e práticos para ser humilde

De todas as virtudes, a humildade parece ser uma das mais difíceis de se alcançar, mas estas dicas são absolutamente eficazes

web-mirror-vanity-hand-david-goehring-cc
david-goehring-cc

De todas as virtudes, a humildade parece ser uma das mais difíceis de se alcançar. Todo cristão de verdade deseja crescer em humildade. Mas como fazer isso?
 
Estas linhas não pretendem ser um manual do tipo “consiga sem esforço”. Não existem rosas sem espinhos. Mas talvez a leitura deste artigo possa ajudar você a crescer nesta virtude, como um GPS que pede uma reorientação da rota.
 
1. Procure descobrir o melhor de cada um
 
Todas as pessoas ao seu redor certamente tiveram experiências que você não teve e têm algo a compartilhar. Einstein, um dos grandes cérebros da humanidade, disse: “Nunca conheci uma pessoa que fosse tão ignorante a ponto de não ter nada para me ensinar”.
 
2. Elogie sinceramente as pessoas
 
Como se sentirá uma pessoa ao ouvir você contando o que admira dela? Quanto mais você mencionar as qualidades das pessoas que estão ao seu redor, mais virtudes descobrirá nelas, e será mais difícil cair nas armadilhas do egocentrismo.
 
3. Não demore para reconhecer seus erros
 
Dizem que a frase mais difícil de pronunciar, em qualquer idioma, é: “Eu errei”. Os que se recusam a dizer isso por orgulho costumam voltar a cair nos mesmos erros e, além disso, acabam se afastando dos outros.
 
4. Seja o primeiro a pedir perdão após uma discussão
 
Se a frase mais difícil de se dizer é “Eu errei”, a seguinte mais difícil deve ser: “Me perdoa”... Esta frase tão simples é capaz de matar o orgulho e acabar com a discussão, e assim você mata dois coelhos com uma só cajadada. Mas, para isso, é necessário reconhecer que, assim como os outros, você também comete erros.
 
5. Reconheça suas limitações e necessidades
 
É parte da natureza humana querer dar a impressão de ser forte e autossuficiente; isso normalmente só serve para dificultar as coisas. Se você expressa humildade, pedindo ajuda aos outros e aceitando-a, sempre sai ganhando.
 
6. Sirva os outros
 
Ofereça-se para ajudar idosos, doentes, crianças ou para prestar algum outro serviço comunitário. Você sairá beneficiado, pois, além de adquirir humildade, ganhará a gratidão e o carinho de muitas pessoas.
 
7. Reconheça a mão de Deus em suas qualidades
 
É importante abrir os olhos da alma e considerar que não temos nada totalmente nosso para vangloriar-nos. Deus nos criou e nos deu qualidades e capacidades individuais, por amor. Nunca se esqueça de agradecer ao seu Criador.
sources: pildorasdefe.net

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Qual é o pecado favorito do demônio? Responde um exorcista...

Imagem Referencial. Foto: Flickr Todd Page (CC-BY-NC-2.0)

MADRI, 25 Ago. 15 / 02:50 pm (ACI/EWTN Noticias).- Um exorcista tem medo? Qual é o pecado predileto do demônio? Estes foram alguns dos temas de uma recente entrevista do sacerdote dominicano Juan José Gallego, exorcista da arquidiocese de Barcelona a um diário espanhol.
Há nove anos o Pe. Gallego foi designado exorcista, e afirmou que, na sua opinião, o demônio é um ser “totalmente amargurado”.
Através de uma entrevista, realizada pelo jornal espanhol ‘El Mundo’, o sacerdote assegurou que “a soberba” é o pecado que o demônio mais gosta.
“Sentiu medo alguma vez? ”, perguntou o entrevistador ao sacerdote. “Este é um ofício bastante desagradável”, respondeu o Pe. Gallego. “No começo tinha muito medo. Olhava muito para atrás e via demônios em todo lugar... Veja só, no outro dia estava fazendo um exorcismo. ‘Te mando! ’, ‘Te ordeno! ’... E o Maligno, com uma voz tremenda, gritou: ‘Galleeeego, estás exageraaaaando!’. Então tremi”.
Entretanto, o padre sabe que o demônio não é mais poderoso que Deus. O exorcista recordou que “quando me nomearam, um parente me disse: ‘Ai, Juan José, estou toda assustada, porque no filme ‘O exorcista’ um morreu e o outro pulou pela janela’. Eu ri e lhe respondi: ‘Mulher, não se esqueça que o demônio é criatura de Deus’”.
Quando as pessoas estão possuídas, relatou, “perdem o conhecimento, falam línguas estranhas, têm uma força exagerada, mal-estar profundo, vemos senhoras educadíssimas vomitando, blasfemando”.
“Um jovem durante a noite era tentado pelo demônio, queimava sua camisa, entre outras coisas, e me disse que os demônios lhe propuseram: ‘Se fizer um pacto conosco, isso nunca mais acontecerá com você’”.
O Pe. Gallego também advertiu que práticas da “nova era” como por exemplo, o reiki e a ioga, podem ser portas de entrada para o demônio. “Ele pode meter-se um pouco por aí”, assinalou.
O sacerdote espanhol lamentou que a crise econômica que açoita a Espanha há alguns anos “nos traz os demônios. Os vícios: a droga, o álcool... No fundo eles são uma possessão”.
“Com a crise as pessoas sofrem mais. Estão desesperadas. Há pessoas convencidas de que o demônio está dentro delas”, concluiu o Pe. Gallego.

http://www.acidigital.com/noticias/qual-e-o-pecado-favorito-do-demonio-responde-um-exorcista-99421/

sábado, 22 de agosto de 2015

Seremos coroados pelas virtudes que praticamos

Olhemos para Maria, e ao ver a mulher virtuosa que ela foi, aprendamos com ela a viver as virtudes para um dia também sermos coroados por Deus!
Maria, então, disse: ‘Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!’” (Lucas 1, 38).
Nós hoje celebramos Nossa Senhora Rainha ou a coroação de Nossa Senhora como rainha do céu e da terra. A Virgem Maria não se tornou rainha por um título ou pela majestade assumida como herança ou por algo herdado. Ela se tornou rainha porque primeiramente se tornou serva do Senhor Nosso Deus; servindo a Deus com sua vida, com sua entrega, com a disposição do seu ser, do seu corpo, da sua alma e do seu espírito.
É isso que nos faz ser coroados por Deus quando temos disposição de servir. A lógica do mundo é outra: um rei tem à sua inteira disposição servos que estão ali para trabalhar por ele. No Reino de Deus aquele que é rei é primeiro servo, aquele que está à frente é quem serve a todos. Por isso que a primeira coisa que Maria diz de si é que ela é escrava do Senhor e se coloca à inteira disposição para o serviço de Deus.
Meus irmãos e minhas irmãs, nós hoje queremos olhar para a Bem-aventurada e sempre Virgem Maria e reconhecer seus méritos, reconhecer suas virtudes, sua bem-aventurança e a grandeza de Deus em sua vida. E pedir a ela que nos ensine a ser servos do Senhor para também servirmos a Deus com a nossa vida e com aquilo que fazemos para que um dia possamos também com ela triunfar no céu.
Pedimos, hoje, a intercessão da Virgem Maria, reconhecendo nela, em sua cabeça, que a sua coroa não é humana, de ouro ou de prata, mas é a coroa das suas virtudes: a simplicidade, a humildade, a paciência, a disposição; tudo aquilo que foram suas virtudes se tornou coroa.
Se um dia quisermos receber a coroa da vida, seremos coroados pelas virtudes que praticamos! Olhemos para Maria, e vendo a mulher virtuosa que ela foi, aprendamos com ela a viver as virtudes para um dia sermos coroados pelo Senhor.
http://homilia.cancaonova.com/

Padre Fábio de Melo: “Sem enfretamento não há mudança. O sofrimento é necessário”

Foto: Chico Bezerra
Foto: Chico Bezerra/CB Imagem
“O mundo que nos convencer que o sofrimento é ruim para nossas vidas. E muitos religiosos pregam o sagrado a favor do bem-estar, desconstruindo o verdadeiro sentindo de Deus em nossas vidas”, assegurou o padre Fábio de Melo em sua o pregação, neste sábado (10), na segundo dia da festa dos 25 anos da Comunidade Obra de Maria.
O padre continuou, “todos os dias ligamos a TV e somos testemunhas de uma venda da graça de Deus, eu sinto vergonha como religioso de ver programas como esse”. Ele ressaltou a verdadeira alegria, “São Paulo no livro de Efésios é bem claro, alegrai-vos sempre no Senhor, repito alegrai-vos. A alegria não pode esta na bebida e nas drogas”, enfatizou o sacerdote.
No final da palestra, padre Fábio destacou “sem enfrentamento de nós mesmos não existem mudanças, precisamos enfrentar a realidade a nossa frente, para depois vim a mudanças”, pregou.
http://www.obrademaria.com.br/25anos/?p=191

domingo, 16 de agosto de 2015

O Senhor fez grandes coisas

A fé eclesial, contemplando Maria a partir do Mistério Pascal de Jesus, professa que ela, no término de sua caminha terrestre, foi elevada ao céu. A Igreja fala em assunção, ou seja, Maria foi assumida por Deus e colocada na glória celeste. Trata-se da ação de Deus fazendo grandes coisas na vida da mãe do Salvador. Não uma ação isolada, e sim, o ápice de uma sucessão de graças na vida de quem foi cheia de graça.
A assunção de Maria brotou da Ressurreição de Jesus. É como se Maria tivesse seguido o caminho novo de acesso ao Pai, aberto pelo Filho Jesus. Deus, de certo modo, antecipou em Maria o que haveria de ser o destino de toda a humanidade. A Ressurreição de Jesus foi penhor de ressurreição para todo ser humano. Em Maria, isto já se fez realidade.
A assunção situa-se no contexto da fé de Maria. Ela havia proclamado que Deus exalta os humildes e destrói a segurança dos soberbos. Sua vida caracterizou-se pela humildade e pelo espírito de serviço. Ela se sabia serva humilde do Senhor, transcorrendo sua vida no escondimento. A condição de mãe do Messias não a tornou orgulhosa e cheia de si. A Maria exaltada na assunção foi a mulher humilde e servidora. Deus levou para junto de si a mulher cuja vida transcorrera em total comunhão com ele. A assunção, por conseguinte, consistiu na radicalização de uma experiência constante na vida de Maria.

http://domtotal.com/religiao/evangelho_dia.php

domingo, 2 de agosto de 2015

Irmã Lúcia: “O confronto final entre o Senhor e o reino de Satanás será sobre a família e sobre o matrimônio”.

Leia atentamente a citação abaixo. Cada palavra tem um peso e, à luz das discussões do Sínodo dos Bispos sobre o matrimônio e a família, ganham uma importância relevantíssima.

Quando recebi do Papa João Paulo II o encargo de idealizar e fundar o Pontifício Instituto para Estudo sobre o Matrimônio e a Família, escrevi a Irmã Lúcia de Fátima, através do bispo, porque não se o podia fazer diretamente. Inexplicavelmente, apesar de eu não esperar nenhuma resposta, porque lhe pedia apenas oração, chegou-me depois de poucos dias uma longuíssima carta autografada — que agora está nos arquivos do Instituto —, na qual escreveu: o confronto final entre o Senhor e o reino de Satanás será sobre a família e sobre o matrimônio. Não tenha medo, acrescentava, porque qualquer um que trabalhar pela santidade do matrimônio e da família será sempre combatido e contrariado de todos os modos, porque este é o ponto decisivo. E depois concluía: mas Nossa Senhora já lhe esmagou a sua cabeça. Percebia-se, também falando com João Paulo II, que este era o nó, porque se tocava a coluna fundamental da criação, a verdade da relação entre o homem e a mulher, e entre as gerações. Se esta coluna for atingida, todo o o edifício desaba, e nós estamos vendo isso agora, porque estamos neste ponto, e nós o sabemos. E eu me comovo, lendo as biografias mais seguras de Padre Pio, de como este homem estava atento à santidade do matrimônio, à santidade dos esposos, também com um justo rigor, mais de uma vez”.
Cardeal Carlo Cafarra, em “Voce di Padre Pio”, Março de 2008

Ortodoxos voltam à Igreja Católica pela intercessão de Padre Pio

A pequena San Giovanni Rotondo da Romênia: toda uma comunidade ortodoxa se converte ao catolicismo após presenciar os milagres do santo de Pietrelcina
O grande místico do século XX, São Pio de Pietrelcina, morreu em 1968, mas vários milagres atribuídos à sua intercessão seguem sendo reportados ainda hoje. Como ele mesmo tinha profetizado, daria mais trabalho morto do que vivo.
Tome-se como exemplo um evento recente ocorrido na Romênia. Após um milagre extraordinário atribuído à intercessão do Padre Pio, o país – marcado por um triste passado comunista – assistiu à conversão de uma paróquia ortodoxa inteira à fé católica, de uma só vez.
A história começa em 2002, quando Lucrécia Tudor, mãe de Victor, um sacerdote ortodoxo, é diagnosticada com câncer de pulmão. Os médicos dizem que há muito pouco a fazer, pois notam a presença de metástase – quando se forma uma lesão tumoral em outro órgão. Na ocasião, dão a Lucrécia apenas alguns meses de vida.
Victor, então, decide pedir ajuda a seu irmão, Mariano, pintor especializado em iconografia que vive em Roma. Providencialmente, este consegue contatar um dos melhores especialistas na área, que se oferece para examinar sua mãe.
Para tristeza dos filhos, porém, o diagnóstico é o mesmo e a única intervenção possível são alguns remédios para mitigar as terríveis dores da doença. Assim, a fim de fazer um acompanhamento mais intenso, a mãe permanece em Roma. Enquanto Mariano trabalha no mosaico de uma igreja, Lucrécia visita o templo e admira as imagens.
Destas, uma chama particularmente a sua atenção. Era um ícone do Padre Pio. Impressionada, ela pergunta a seu filho quem ele é. Mariano conta-lhe brevemente sua história e, durante os dias seguintes, percebe que ela fica permanentemente sentada diante da imagem do santo de Pietrelcina.
O fruto daqueles momentos de silêncio diante do frade capuchinho se revela. Algumas semanas depois, Lucrécia e Mariano vão ao hospital para fazer um exame e, para surpresa dos médicos e deles mesmos, o tumor tinha desaparecido por completo.
É possível imaginar a forte impressão que este verdadeiro milagre deixou em toda a família Tudor. O feito mexeu não só com os familiares, mas também com a comunidade ortodoxa assistida por seu filho, Victor. "Todos a conheciam e sabiam que tinha ido à Itália para tentar uma intervenção cirúrgica, e que logo tinha voltado para casa curada, sem que nenhum médico a tivesse operado", explica o sacerdote.
A surpresa desperta o interesse de Victor, então padre da Igreja Ortodoxa, pelo santo que curou sua mãe. Ele começa a ler sobre a vida do frade capuchinho e, pouco a pouco, toda a sua paróquia passa a conhecê-lo e amá-lo. "Líamos tudo o que encontrávamos sobre ele, sua santidade nos conquistava", conta Victor.
A experiência religiosa daquelas pessoas começou a ir mais além, quando outros enfermos da paróquia também passaram a receber graças extraordinárias pelas mãos do Padre Pio. Começava a surgir um problema nesta comunidade: era um reduto de cristãos ortodoxos devotos... de um santo católico contemporâneo!
Por isso, o padre Victor e sua paróquia – com quase 350 pessoas – decidiram se fazer católicos. Embora enfrentassem múltiplas dificuldades – converter-se ao catolicismo numa terra predominantemente ortodoxa e com um passado socialista não é um processo nada tranquilo –, seguiram em frente e, hoje, são fiéis do rito greco-católico romeno.
Transformados pela experiência com o Padre Pio, a comunidade também erigiu uma igreja dedicada ao frade capuchinho. O templo, já praticamente construído, pode ser contado como mais um milagre do santo italiano. A princípio, eram os fiéis, ainda que de condições bem simples, quem colaboravam na construção. Enquanto o templo não ficava pronto, a Missa era celebrada na rua, mesmo debaixo de baixíssimas temperaturas de inverno. As dificuldades eram grandes e o padre Victor se preocupava... Mas, um dia, um bispo decidiu ajudar e pagou o terreno da igreja. A isto se seguiam eventos extraordinários, que pouco a pouco favoreciam a construção.
Hoje, além da igreja em honra a São Pio de Pietrelcina, o padre Victor e seus paroquianos mantêm um hospital que atende enfermos terminais, pessoas sem recursos e anciãos abandonados – quase uma "Casa do Alívio do Sofrimento", como existe em San Giovanni Rotondo, onde o Padre Pio passou maior parte de sua vida. As dificuldades financeiras neste reduto católico da Romênia são enormes, mas Victor conta com a intercessão do Padre Pio. Até aqui, ela não falhou.
Por Equipe Christo Nihil Praeponere | Informações: Religión en Libertad

https://padrepauloricardo.org/blog/ortodoxos-voltam-a-igreja-catolica-pela-intercessao-de-padre-pio?utm_content=bufferd4385&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer

sábado, 1 de agosto de 2015

O profeta silenciado

O assassinato de João Batista recoloca um tema comum, no âmbito da história do profetismo bíblico: a imposição do silêncio ao enviado de Deus. Quem recebeu a missão divina de convocar o povo à conversão, acaba sendo silenciado por quem deveria escutá-lo. Outro tema é o da intrepidez dos profetas. Embora devendo defrontar-se com forças hostis e refratárias à sua pregação, não se deixaram intimidar, por terem consciência do caráter divino da missão recebida.
A intrepidez de João Batista revela-se na coragem com que se defronta com um governante ímpio. Reconhecidamente prepotente, Herodes apoderou-se, sem escrúpulos, da esposa de seu irmão, tomando-a como mulher. Sem medo, o profeta João denuncia a injustiça cometida, e sofre as conseqüências de sua ousadia.
A decisão de jogar o Batista na prisão funciona como uma maneira de calá-lo. Encarcerado numa fortaleza romana, ele teve a sua liberdade cerceada, e a voz calada.
Mas isto ainda foi pouco, no parecer na mulher ilegítima de Herodes. Era preciso fazer calar João definitivamente. A oportunidade para isto surgiu por ocasião de uma festa. Embora a contragosto, Herodes atendeu o pedido da mulher e mandou decapitar o profeta incômodo.
O destino de João Batista prenunciara o de Jesus. Também a este procuravam calar, por causa da liberdade com que denunciava os desmandos dos prepotentes de seu tempo.

http://domtotal.com/religiao/evangelho_dia.php

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...