domingo, 29 de janeiro de 2017

Para Deus não importa mais o que você fez, pois Ele só te quer de volta


Tem um alguém que sente muito a sua falta, e Ele me pediu para te dizer umas coisas para te convencer a voltar.

Para Deus não importa mais o que você fez, pois Ele só te quer de volta

Tem um alguém que sente muito a sua falta, e Ele me pediu para te dizer umas coisas para te convencer a voltar. Primeiramente que você não é a mesma sem Ele, pois seu sorriso é passageiro, você chora quase todas as noites, já foi traída por supostos amigos e está perdida tentando encontrar o seu lugar no mundo. Então Ele quer que você saiba que seus braços estão abertos para te abrigar quando cansar de correr para longe Dele.
Ele sabe os motivos que te afastaram da sua presença, Ele entende aquilo que te fez desistir e abrir mão da linda amizade que tinham, pois Ele se lembra da forma como você o chamava de melhor amigo. Ele também se lembra do jeito que você o chamava de Pai e Ele te tratava como uma filha querida e amada, sempre te cuidando e sarando as feridas que os outros causaram.
E ainda me falou que você já tentou voltar para junto Dele, mas que algumas pessoas não deixaram porque elas têm uma grande influência sobre você, que elas acabaram te arrastando para lugares sujos onde você acabou fazendo coisas que sempre condenou. E Ele sabe o que você sentiu naqueles momentos onde teve atitudes que mancharam sua alma, mas Ele quer que você saiba que está disposto a limpar tudo isso e te fazer uma nova criatura, só basta você querer.
Você é capaz de se lembrar das lindas promessas que Ele te fez? Ele sonhou para você tantos projetos que te ajudaria a concretizar, Ele disse que estaria contigo nesse caminho, mas você preferiu sair da estrada e pegar sozinha um atalho sem saber ao menos aonde ia parar. Ele quis te iluminar, porém você preferiu a escuridão, Ele quis te dar um propósito, entretanto, você escolheu as dúvidas que mundo dá.
Tantas pessoas ficaram tristes quando te viram nessa situação, elas lamentaram profundamente as consequências que você está colhendo, e imagina como Ele se sente ao te ver assim com os olhos fechados negando-se a abri-los porque não suporta aqueles olhos de perdão. Porque você não se acha digna para voltar, sabe dos pecados que carrega no coração, se envergonha das cicatrizes que recebeu quando correu no meio dos espinhos, mas Ele só te quer de volta.
Pois para Ele não importa nada disso que aconteceu, basta você se arrepender e o escolher ao abandonar sua antiga vida. Você não é aquilo que os outros dizem, não é uma pessoa sem jeito, você tem conserto e Ele quer te reconstruir. Volta, por favor, volta. Ele sabe que você está cansada de tudo isso, que não aguenta mais viver desse jeito, você está com saudades daquelas palavras de amor que só Ele te dava, da forma como te fortalecia e restaurava, então volta, os braços Dele ainda estão abertos.
O sorriso Dele me diz que sempre te amou mesmo quando você virou as costas, que Ele pensava em você o tempo inteiro mesmo quando você o esquecia, então volta, por favor, volta. Ele te ama e não é qualquer amor, pois Ele é o próprio amor, e Ele é também o próprio perdão, o consolo e a paz. Desse modo, não há melhor lugar para se estar do que diante Dele com os joelhos no chão e as mãos estendidas pedindo para Ele te segurar.
Volta. Você será perdoada e não condenada, tudo que aconteceu será jogado no mar do esquecimento, Ele escreverá para você uma nova historia que não terá fim porque Ele tem dentro de si a eternidade. Vamos, desacelere esse passo, vire a cabeça e olhe para trás. Está conseguindo enxergar um Homem de mãos furadas? Ele não tem o sorriso mais lindo que você já viu? Você sente saudades Dele, não é? Então volta, pois Jesus te espera.

(Escrito por: Tatielle Katluryn. Via Proseando Poesia)

http://pt.aleteia.org/2017/01/26/para-deus-nao-importa-mais-o-que-voce-fez-pois-ele-so-te-quer-de-volta/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

Os 7 dons do Espírito Santo, numa explicação fácil de entender


Qual é a diferença entre sabedoria, entendimento e ciência? E por que o “temor de Deus” é diferente do medo?

Os 7 dons do Espírito Santo, numa explicação fácil de entender

FORTALEZA
Com o dom da fortaleza, Deus nos dá a coragem necessária para enfrentarmos as circunstâncias desafiadoras da vida e a firmeza de caráter para suportarmos as perseguições e tribulações decorrentes do nosso testemunho cristão, rejeitado e combatido pelo mundo. Foi graças ao dom da fortaleza que os santos recusaram as falsas promessas e enfrentaram as ameaças da mundanidade, muitos com o sacrifício da própria vida.

SABEDORIA
O dom da sabedoria nos leva a distinguir entre o que é essencial e o que não é; entre o que realmente importa e o que é meramente secundário. Ser sábio é saber escolher e apreciar o bem em meio às muitas alternativas sedutoras que se colocam diante do nosso livre arbítrio, confundindo o nosso julgamento com aparências que precisam ser desmascaradas. A sabedoria não necessariamente envolve inteligência, cultura e entendimento: é outro tipo de conhecimento; é a capacidade singela de enxergar ou intuir o bom, o belo e o verdadeiro a partir da referência do Absoluto, não do relativo. É o dom de “saber viver” em Deus, na bondade, na verdade e na beleza, ainda que não se entendam muitas coisas no sentido intelectual do termo “entender” – aliás, o entendimento é outro dom divino, que veremos em seguida.

ENTENDIMENTO
Este dom torna a nossa inteligência capaz de compreender e assimilar os conteúdos das verdades reveladas, auxiliando-se também da ciência, que ilumina a razão a fim de conhecermos melhor a criação e chegarmos assim ao Criador. Pode parecer um tanto confuso, à primeira vista, distinguir entre a sabedoria, o entendimento e a ciência. De fato, são dons complementares entre si, mas há distinção entre eles. Expliquemos dando um exemplo: há pessoas simples que, mesmo sem entenderem o vasto significado da liturgia, dos dogmas e das orações, sabem apreciar o sabor das coisas de Deus e dão testemunho de intensa devoção e piedade, sendo capazes de inspirar e ajudar os outros a viverem uma vida espiritual mais profunda, ainda que esses outros tenham maiores talentos intelectuais. Essas pessoas simples possuem o dom da sabedoria, mas lhes falta o entendimento – que é o dom de compreender o sentido das coisas de Deus. Com o dom do entendimento, o cristão contempla com mais lucidez e consciência o mistério da Santíssima Trindade, o amor de Cristo pela humanidade, o significado da Sagrada Eucaristia, dos sacramentos, dos ritos litúrgicos, da moral católica etc. E onde é que entra o dom da ciência? A ciência nos ajuda nessa compreensão fornecendo-nos um tesouro crescente de informações sobre a criação como precisamente isso: criação, obra do Criador.

CIÊNCIA
É o dom divino que aperfeiçoa as nossas faculdades intelectivas e nos ajuda a compreender a realidade como obra do Criador, iluminados, simultânea e harmoniosamente, pela fé e pela razão – “as duas asas que elevam o espírito humano à contemplação da Verdade”, conforme a bela descrição apresentada pela encíclica “Fides et Ratio”, do Papa São João Paulo II. O dom da ciência, portanto, nos abre à contemplação do Criador mediante o conhecimento da criação. É importante observar que se trata do dom da ciência de Deus, não da ciência das coisas do mundo; ele envolve o reconhecimento da criação como meio para a contemplação de Deus. Graças ao dom da ciência, os santos, por exemplo, souberam ver Deus atrás das criaturas como que através de um espelho. São Francisco de Assis compôs o “cântico das criaturas” ao Senhor porque todos os seres criados, desde as flores até as aves, desde a água até o fogo e o sol, lhe eram ocasião para contemplar e amar a Deus, Criador de tudo o que há. O dom da verdadeira ciência nos leva, mediante o reto conhecimento e reconhecimento das criaturas como criaturas, a vislumbrar o Criador. Entre as criaturas não se incluem apenas os demais seres tangíveis, mas também as próprias ações e comportamentos humanos, que fazem parte do mundo criado: o dom da ciência, portanto, nos ajuda ainda a saber como agir – e, neste sentido, evoca o dom do conselho.

CONSELHO
É o dom que permite à alma o reto discernimento sobre como responder às circunstâncias da existência, tanto no tocante às próprias decisões quanto na hora de orientar os irmãos a trilharem o caminho do bem.

PIEDADE
É a graça de Deus na alma que proporciona o relacionamento filial e profundo com Deus, mediante a oração e as práticas piedosas ensinadas pela Igreja. É o dom da devoção, do fervor, da experiência de viver em comunhão permanente com Deus.

TEMOR DE DEUS
O nome deste dom pode causar estranheza e confusão, pois muitos o entendem em sentido negativo, como se devêssemos ter medo de Deus. Na verdade, trata-se do dom divino que nos leva a “temer” por Deus no sentido de não querer que Ele seja desprezado e deixado de lado, nem pelos outros, nem por nós mesmos. É o santo temor de que Deus seja ofendido; ao mesmo tempo, é o sadio temor das consequências do afastamento de Deus – consequências que não consistem num castigo imposto por Deus, mas sim na decorrência natural da nossa própria possibilidade de optar por viver longe d’Ele: Deus respeita a nossa liberdade a tal ponto que não nos impede de odiá-lo se assim escolhermos; por isso mesmo, Ele tampouco impede as consequências desse ódio voluntário, que se resumem no afastamento eterno de Deus decretado por nós próprios com a nossa liberdade e arbítrio. O dom do santo temor de Deus nos ajuda, assim, a evitar tudo o que nos afasta d’Ele – ou seja, o pecado; e não por medo de castigo, mas pela justa consciência de que, ao nos afastarmos d’Ele, nós próprios O perdemos voluntariamente.
__________
Imagens ilustrativas via blog Almas Castelos

http://pt.aleteia.org/2017/01/27/os-7-dons-do-espirito-santo-numa-explicacao-facil-de-entender/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

domingo, 22 de janeiro de 2017

OS FILHOS DO QUARTO!


Imagem relacionada
Antes perdíamos filhos nos rios, nos matos, nos mares,

hoje temos perdido eles dentro do quarto!
Quando brincavam nos quintais ouvíamos suas vozes, escutávamos suas fantasias e ao ouvi-los,
mesmo a distância, sabíamos o que se passava em suas mentes.
Quando entravam em casa não existia uma TV em cada quarto, nem dispositivos eletrônicos em suas mãos.
Hoje não escutamos suas vozes, não ouvimos seus pensamentos e fantasias, as crianças estão ali, dentro de seus quartos, e por isso pensamos estarem em segurança.
Quanta imaturidade a nossa.
Agora ficam com seus fones de ouvido, trancados em seus mundos, construindo seus saberes sem que saibamos o que é...
Perdem literalmente a vida, ainda vivos em corpos, mas mortos em seus relacionamentos com seus pais, fechados num mundo global de tanta informação e estímulos, de modismos passageiros, que em nada contribuem para formação de crianças seguras e fortes para tomarem decisões moralmente corretas e de acordo com seus valores familiares.
Dentro de seus quartos perdemos os filhos pois não sabem nem mais quem são ou o que pensam suas famílias, já estão mortos de sua identidade familiar...
Se tornam uma mistura de tudo aquilo pelo qual eles tem sido influenciados e pais nem sempre já sabem o que seus filhos são.
Convido você a tirar seu filho do quarto, do tablet, do celular, do computador, do fone de ouvido, convido você a comprar jogos de mesa, tabuleiros e ter filhos na sala, ao seu lado por no mínimo 2 dias estabelecidos na sua semana a noite (além do sábado e domingo).
E jogue, divirta-se com eles, escute as vozes, as falas, os pensamentos e tenha a grande oportunidades de tê-los vivos, "dando trabalho" e que eles aprendam a viver em família, se sintam pertencentes no lar para que não precisem se aventurar nessas brincadeiras malucas para se sentirem alguém ou terem um pouco de adrenalina que antes tinham com as brincadeiras no quintal !"

Créditos:

Cassiana Tardivo
Psicopedagoga

sábado, 21 de janeiro de 2017

1. AULA INAUGURAL do CATECISMO DE ORAÇÃO com Frei Claudiano 1/30

ENQUANTO FOR PLATÉIA...

Enquanto formos platéia, talvez muita coisa não mude,
outras não acontecerão, pelo simples fato de ser platéia.
Quando se está na platéia, o testemunho contado surpreende, a bela e romântica música cristã, envolve, emociona, comove.
Enquanto for platéia o que vai te alimentar é a experiência dos outros. Enquanto for platéia seremos meros espectadores aplaudindo os acontecimentos dos outros e na vida dos outros.
O assumir ser platéia implica em ficar num pavimento inferior sentado numa cadeira, poltrona talvez e dali observando o que acontece lá, pois cá, nada muda ou se transforma. 

O convite de Jesus, incomoda, inquieta, pois nos reclama a sair da platéia. Quando ELE diz: Vem comigo que no caminho eu te explico é na verdade um convite para ensinar que é durante as dificuldades, percalços e procelas do trajeto que ELE irá ensinar a lição.

E em sentido mais amplo e dinâmico ainda, na prática Jesus está em todo lugar, em todos, menos na nossa zona de conforto. Não se pode fazer nada lá.
Não acontece nada e se alimenta essa zona com mesmice, comodismo, vitimismo, conformação.

Marcelo Mattityahu
Filhos Espirtuais de Pe. Pio

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Ao Nome Divino


Presta atenção ao Nome Divino, e com coração contrito invoca-o sem cessar: "Senhor Jesus Cristo, tende piedade de mim".

No descanso verás Sua divindade repousar em ti; o nome de Jesus expulsará as trevas das paixões que estão em ti, purificará o Homem Interior com a purificação de Adão quando estava no Paraíso; esse nome bendito que João Evangelista invocou, dizendo: "Luz do mundo", "doçura que não sacia" e "verdadeiro pão de vida".

-- Baseado em São Macário, o Grande 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

MANIFESTAÇÃO DO DEMÔNIO NO MOMENTO DA APARIÇÃO DE NOSSA SENHORA À VIDENTE MIRJANA, NO DIA 2 DE JANEIRO DE 2017!

COMO SE HÁ DE PEDIR O AUXÍLIO DIVINO E CONFIAR PARA RECUPERAR A GRAÇA


JESUS: Filho, eu sou o Senhor, que te conforta no dia da tribulação. (Na 1, 7). Vem a mim quando te achares aflito. O que mais te impede de receber a consolação é que tarde recorres à oração. Antes que ores com atenção, procuras consolar-te, recreando-te com vários divertimentos exteriores. Daqui vem que pouco proveito tiras de tudo, até que conheças que sou eu quem salva do perigo os que em mim esperam, e que fora de mim não há auxílio valioso, nem conselho útil, nem remédio durável.
Uma vez porém, que recobraste alento depois da tempestade, procura readquirir forças à luz das minhas misericórdias; pois estou perto, diz o Senhor, para tudo restaurar, não só com integridade, mas também com abundância e profusão.
Porventura há para mim alguma coisa dificultosa (Jr 32, 37), ou sou semelhante àqueles que dizem e não fazem? Onde está a tua fé? Tem firmeza e segurança! Mostra-te corajoso e magnânimo, e a seu tempo te virá a consolação. Espera por mim, espera! EU virei e te curarei. É tentação o que te atormenta? É temor vão o que te assusta? ...

Livro III, 30 - imitação de Cristo

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

COMO O DIABO DERRUBA UM HOMEM OU UMA MULHER DE DEUS

Resultado de imagem para queda do homem
As 3 primeiras armas são:
1) Dinheiro
2) Orgulho
3) Vida sentimental
E a 4ª arma é....

Agora vamos a nossa história para você descobrir qual é a 4ª arma usada pelo diabo para destruir os que fazem a obra de Deus.
    Havia um irmão em uma igreja que tinha sucesso em tudo o que fazia. Tinha comunhão com Deus e andava em santidade, orando, jejuando e lendo a Bíblia. Aonde ele ia, desenvolvia o trabalho. E mais, muitas pessoas se convertiam, pois, ali havia curas, milagres, etc.
    O diabo, vendo isso, fez uma reunião no inferno e enviou o primeiro demônio, a pomba-gira. E ela falou para o irmão: Eu vou te derrubar!
    O irmão logo amarrou o que o demônio falou, orou, jejuou, leu a Bíblia, fortaleceu o seu casamento, e ela foi embora.
    O diabo convocou mais uma reunião e resolveu mandar o espírito da avareza para encher os olhos do irmão de ambição material.
    Novamente, o irmão orou, jejuou, leu a Bíblia, sacrificou tudo o que tinha e o diabo caiu por terra.
    Revoltado, o diabo enviou o espírito do orgulho para encher o coração do irmão de orgulho próprio.
    Mas o irmão orou, jejuou, leu a Bíblia, e se humilhou diante de Deus. E, mais uma vez, o diabo caiu por terra.
    O diabo viu que todas as suas tentativas tinham sido frustradas. Irado, resolveu mandar aqueles três demônios ficarem na igreja daquele irmão para ver onde ele errava. E para lá eles foram, só estudando e marcando os passos dele.
    Um dia, os três demônios, ainda sem pegar nada que pudessem usar contra o irmão, viram outro demônio passar por aquela igreja. Vinha ele lá de longe, devagar, usando bengala, com uma aparência cansada.
    E os três demônios começaram a zombar dele. “Seu velho cansado, o que está fazendo por aqui?”
    E então perguntaram o nome dele. Ele olhou de lado, abriu um sorriso lateral sarcástico e disse: “Meu nome?  Eu sou o espírito do tempo. E vocês, o que fazem por aqui?”
    E os outros demônios lhe contaram sua missão e como tinham fracassado até agora.
    Daí ele disse aos três: “Esperem que eu vou dar ordem quando vocês devem agir.”
    E disse mais: “Não tenham pressa, pois eu sei como trabalhar.”
    E aquele demônio sutilmente começou a agir.
Primeiro, tirou o tempo daquele irmão enchendo sua agenda de coisas para fazer.
    Logo, ele não tinha mais tempo para jejuar, e enfraqueceu.
    Depois, tirou o tempo daquele irmão para não ler mais a Bíblia, e ele não mais ouviu a voz de Deus. E sem ouvir a voz de Deus, sua comunhão esfriou.

Foi aí então que aquele demônio deu a ordem para os outros entrarem em ação. E, assim, aquele irmão que arrebentava, caiu.
    O tempo é a 4ª arma usada pelo diabo para esfriar a fé dos que não perseveram.
    Às vezes, ele nos faz muito atarefados. Outras, ele até causa um falso senso de bem-estar, faz as lutas cessarem durante um tempo para que nós nos acomodemos na fé. E é assim que ele nos derruba.
    Lembre-se sempre de onde você veio, de onde você saiu, e do que Deus fez na sua vida para sempre se manter na fé.
    O vencedor não é o que começa, mas sim o que termina.

Fonte: WhatsApp

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

AQUIETAI-VOS E SABEI QUE EU SOU DEUS (Salmo 46, 10)


MOMENTO DA PALAVRA

Esse versículo soa como um convite a voltar pro interior, o interior do nosso coração onde a desorganização causada pelo exterior e influência de inquietantes buscas pelo supérfluo chega até a nos deformar. Não só a deformação física, mas também a deformação no seu ser enquanto conteúdo e que virando as costas pra luz, tenta se inventar, se encontrar......mas..não consegue.
Mediante a todas essas tentativas, buscar vivenciar a presença divina em nosso interior seja a mais urgente nesses tempos tão difíceis. E quando essa busca começar, e quando esse encontro acontecer, poderemos assim como Santo Agostinho exclamar: Eis que habitava dentro de mim e eu Te procurava do lado de fora. 
Porque procura pelo lado de fora?

Deus abençoe você!

Marcelo Mattityahu

domingo, 8 de janeiro de 2017

VERDADES DE QUE O CRISTÃO SE DEVE ACORDAR TODAS AS MANHÃS



 Cristão, lembra-te que tens hoje:

 Deus a glorificar;

 Jesus a imitar;

 A Santíssima Virgem Maria a invocar;

 Os Santos a imitar;

 Os Santos Anjos a honrar;

 Uma alma a salvar;

 Um corpo a mortificar;

 Virtudes a pedir e praticar;

 Pecados a expiar;

 Um Paraíso a ganhar;

 Um inferno a evitar;

 Uma eternidade a meditar;

 Tempo a aproveitar;

 Próximo a edificar;

 Um mundo a temer;

 Demônios a combater;

 Paixões a subjugar;

 Talvez a morte a sofrer;

 E o juízo a suportar.

Fonte: Filhos Espirituais de Pe. Pio

DEUS SEGUNDO SPINOZA


“Pára de ficar rezando e batendo o peito! O que eu quero que faças é que saias pelo mundo e desfrutes de tua vida.


Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti.

Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a minha casa.

Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas praias. Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por ti.

Pára de me culpar da tua vida miserável: Eu nunca te disse que há algo mau em ti ou que eras um pecador, ou que tua sexualidade fosse algo mau. O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar teu amor, teu êxtase, tua alegria.

Assim, não me culpes por tudo o que te fizeram crer.

Pára de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de teus amigos, nos olhos de teu filhinho… Não me encontrarás em nenhum livro! Confia em mim e deixa de me pedir. Tu vais me dizer como fazer meu trabalho?

Pára de ter tanto medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem te incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor.

Pára de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz… Eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio.

Como posso te culpar se respondes a algo que eu pus em ti?

Como posso te castigar por seres como és, se Eu sou quem te fez?

Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade?

Que tipo de Deus pode fazer isso?

Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; essas são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti.

Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti.

A única coisa que te peço é que prestes atenção a tua vida, que teu estado de alerta seja teu guia.

Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso.

Esta vida é o único que há aqui e agora, e o único que precisas.

Eu te fiz absolutamente livre.

Não há prêmios nem castigos. Não há pecados nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registro. Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.

Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso te dar um conselho.

Vive como se não o houvesse.

Como se esta fosse tua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir.

Assim, se não há nada, terás aproveitado da oportunidade que te dei. E se houver, tem certeza que Eu não vou te perguntar se foste comportado ou não.

Eu vou te perguntar se tu gostaste, se te divertiste… Do que mais gostaste? O que aprendeste?

Pára de crer em mim – crer é supor, adivinhar, imaginar.

Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti.

Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro, quando tomas banho no mar.

Pára de louvar-me!

Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja? Me aborrece que me louvem. Me cansa que agradeçam.

Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, de tua saúde, de tuas relações, do mundo.

Te sentes olhado, surpreendido?… Expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar.

Pára de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim.

A única certeza é que tu estás aqui, que estás vivo, e que este mundo está cheio de maravilhas.

Para que precisas de mais milagres?

Para que tantas explicações?

Não me procures fora!

Não me acharás.

Procura-me dentro… aí é que estou, batendo em ti.


Baruch Spinoza.



As sábias palavras são de Baruch Espinoza , e acredite, essas palavras foram ditas em pleno Século XVII. Continuam verdadeiras e atuais até a data de hoje.

Se tens um tempinho… segue uma breve biografia…

Baruch Spinoza ou Espinosa, ou Espinoza (1632-1677) nasceu em Amsterdã, Holanda. John Locke nasceu no mesmo ano. Spinoza era de uma família tradicional judia, de origem portuguesa. Sua família emigrou porque os judeus estavam sendo perseguidos. Seu pai era um comerciante bem sucedido e abastado. Spinoza gostava de estudar e ficava na sinagoga. Era um dos melhores alunos. Aprendeu a Bíblia Sagrada e o Talmund. Então foi para uma escola particular, onde conheceu o latim. Pôde então ter um estudo mais abrangente. Leu sobre a identificação de Deus com o universo, sobre a associação da matéria com o corpo de Deus. Se interessou muito pela filosofia moderna, como Bacon, Hobbes e Descartes. Então foi acusado de heresia, por se mostrar irredutível em suas opiniões.

Spinoza fez uma análise histórica da Biblía, colocando-a como fruto de seu tempo. Critica os dogmas rígidos e rituais sem sentido nem poder, bem como o luxo e a ostentação da Igreja. Por suas opiniões, um homem tentou matá-lo com um punhal. Escapou graças à sua agilidade. Ofereceram uma pensão para ele manter fidelidade à sinagoga e Spinoza recusou. Foi então excomungado, em 1656. Amaldiçoaram-no em ritual. Depois disso, viajou pela Holanda. Os judeus não falavam com Spinoza, mas os cristãos sim. Apesar disso, não se converteu ao cristianismo. Seus familiares quiseram deserdá-lo. Lutou pela herança do pai e ganhou a causa. Mas recusou a recebê-la, só queria fazer valer seus direitos.

Spinoza era meio frágil, pois seus pais eram tuberculosos. Viveu uma vida modesta, frugal e sem grandes luxos. Se sustentava com algumas doações e com o dinheiro de polidor e cortador de lentes ópticas. Mantinha uma relação com amigos e admiradores, e discutia suas idéias. Se correspondeu bastante. Era de altura mediana, pele escura, cabelos escuros e encaracolados e feições agradáveis. Segundo Colerus, se vestia descuidadosamente. Suas principais obras são: Tratado político, inacabado; Tratado da correção do intelecto; Princípios da Filosofia Cartesiana; Pensamentos Metafísicos;que veio de curso particular que deu sobre Descartes, e sua obra prima: Ética Demonstrada pelo método geométrico. Algumas obras suas foram incluídas no Index de livros proibidos. Foi preso sob acusação religiosa e morreu na prisão, aos quarenta e quatro anos.

A vida de Spinoza foi marcada pela sua concepção de Deus. No Tratado teológico político defende uma interpretação da Bíblia diferente da visão dogmática de judeus e cristãos. Diz que a Bíblia está no sentido figurado. Spinoza atacou a falsa noção que se tem de Deus e da espiritualidade. Mair tarde, identificou isso como um erro da mente diz como escapar no Tratado da correção do intelecto. Ainda no Tratado teológico político, diz que as massas tendem a associar Deus com fenômenos extraordinários, que não ocorrem comumente na natureza. O ponto principal do pensamento de Spinoza é a comunhão entre Deus e a natureza. Spinoza critica a religião porque ela está alimentada pelo medo e a supertição. Devemos fazer uma interpretação racional da Bíblia. A diferença entre filosofia e religião é que a primeira busca a verdade e a sugunda precisa da obediência para ser realizada. Spinoza saiu da sociedade. Desde que foi excomungado, viveu à parte. Isso implica buscar vivências incomuns às galerias. Spinoza buscou a espiritualidade racionalista, é profunda sua cultura e é clara sua visão de assuntos que estão fora da subjetividade, e envolvem um conhecimento complexo, conhecimento este que nos dias de hoje são marcado pela banalização cultural e a ideologia deturpada pelas derrotas sucessivas. Desse modo , Spinoza, numa época ainda pura nos conceitos, fala de Deus, da alma e da mente. A religião e o Estado devem estar subjugados à eles. Spinoza não acreditava na divindade de Cristo, mas o colocava como o primeiro entre os homens. Spinoza, na mesma época que Locke, defendeu o liberalismo político. Para ele, direitos naturais são as regras do ser. Somos forçados a obedecer as leis naturais, que são divinas e eternas. A ajuda mútua é necessária e útil. Sem ela, os homens não poder viver confortavelmente nem cultivar seus espíritos. O objetivo do Estado não deve ser tirânico (como em Hobbes) mas libertário. O direito natural em Spinoza é compatível com a democracia: é nas grandes massas que a natureza humana melhor se manifesta.

https://divulgandoascensao.wordpress.com/deus-segundo-spinoza/

sábado, 7 de janeiro de 2017

A bondade aparente


Resultado de imagem para bondade aparente

Perguntávamos-nos qual é a qualidade que faz com que uma pessoa seja boa e nos faça o bem.
Para início de reflexão, e antes de procurarmos uma resposta, muito nos poderá ajudar delimitarmos previamente as diferenças que separam a bondade aparente – falsa bondade – da bondade real.
Todos conhecemos pessoas que estão cercadas de uma auréola de bondade. Têm fama de bons. Parentes e conhecidos costumam referir-se a elas dizendo: “É tão bom!”… Mas, não raro, começam a frase que assim os qualifica com um adjetivo: “Coitado, é tão bom!…”, e acompanham o comentário com um sorriso de condescendência. Logo adivinhamos o que se esconde por trás do adjetivo e do sorriso: uma “bondade” que está unida à falta de firmeza de espírito e de força de caráter. Uma bondade mole e superficial.
Não é que essa “bondade” seja uma “pose” ou uma atitude hipócrita. Não se trata, no caso, de uma pessoa que finja sentir o que não sente. Trata-se de homens ou mulheres que têm bom coração e uma natural inclinação para facilitar a alegria e o bem-estar dos outros. Mas a sua bondade é frágil, inconsistente. Não é autêntica porque se apoia sobre dois pilares falsos: um temperamento complacente e um sentimentalismo brando.
Essas pessoas “bonachonas” – só “bonachonas”, não “boas” – fogem instintivamente de qualquer tipo de conflitos ou estridências. Detestam cordialmente brigas e desavenças. Gostam de agradar a todo o mundo e, por isso, tendem a concordar com tudo, a ceder em tudo. A sua maior aspiração consiste em estar em paz com todos e gozar do apreço geral. Sempre nos darão razão – mesmo que não a tenhamos –, contanto que com isso nos sintamos satisfeitos e não nos criem, nem lhes criemos, perturbações.
O “bondoso superficial” parece compreensivo, mas é apenas tolerante. Não é que “compreenda”, isto é, que entenda profunda e amorosamente os outros, para assim ajudá-los. Simplesmente, concorda com tudo para ganhar, com a sua condescendência, a estima alheia.
O “bondoso superficial”, o “bonachão”, quer ser amável, mas não ama. Não passa de um fraco, que não sabe dizer “não”. Por isso, os que com ele se relacionam, sabem que, no fundo, não têm um amigo, nem um pai ou uma mãe que os amem na plena acepção da palavra; têm somente um cúmplice muito conveniente.
A criança mimada, que diz “papai é mau” sempre que este a contraria, não se cansa de dizer que a avó é “muito boazinha”, porque lhe consente todos os caprichos.
É claro que tais bonachões não são bons. E não o são precisamente porque não nos fazem bem. A bondade, ou comunica um bem – um valor que aumenta a nossa qualidade moral –, ou não é bondade. Os “bonzões” nos deixam prisioneiros dos nossos caprichos.

Trecho do livro de Francisco Faus - O homem bom-Reflexões sobre a bondade

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

ORAÇÃO PARA OBTER A GRAÇA DO AMOR AO PRÓXIMO




"Ó Santíssima Trindade, quantas vezes o meu peito respirar, quantas vezes o meu coração bater, o meu sangue pulsar em mim, outras tantas mil vezes eu desejo adorar a vossa Misericórdia. Desejo transformar-me toda em vossa Misericórdia para tornar-me o vosso reflexo vivo, ó meu Senhor. Que a vossa Misericórdia, que é insondável, e de todos os divinos atributos, o mais sublime, se derrame do meu coração e da minha alma sobre o próximo. Ajudai-me, Senhor, para que os meus olhos sejam misericordiosos de modo que eu jamais suspeite nem julgue as pessoas pela aparência externa, mas perceba a beleza interior dos outros e possa ajudá-los. Ajudai-me, Senhor, para que os meus ouvidos sejam misericordiosos, de modo que eu esteja sempre atento às necessidades dos meus irmãos e não me permitais permanecer indiferente diante de suas dores e lágrimas. Ajudai-me, Senhor, para que a minha língua seja misericordiosa, de modo que eu nunca fale mal dos meus irmãos; que eu tenha para cada um deles uma palavra de conforto e de perdão. Ajudai-me, Senhor, para que as minhas mãos sejam misericordiosas e transbordantes de boas obras, nem se cansem jamais de fazer o bem aos outros, enquanto, de minha parte aceitarei as tarefas mais difíceis e penosas. Ajudai-me, Senhor, para que sejam misericordiosos também os meus pés para que levem sem descanso ajuda aos meus irmãos, vencendo a fadiga e o cansaço: o meu repouso seja o servir a outros. Ajudai-me, Senhor, para que meu coração seja misericordioso, se torne sensível aos sofrimentos dos outros; ninguém receba uma recusa do meu coração. Que eu conviva sinceramente, mesmo com aqueles que abusam de minha bondade. Quanto a mim me encerro no Coração Misericordiosíssimo de Jesus, silenciando aos outros o quanto tenho que sofrer."


http://www.achiropita.org.br/capela-virtual/outras-oracoes

AS DOZE PROMESSAS DO SAGRADO CORAÇÃO!

A Santa Margarida Maria Alacoque.

1- A minha bênção permanecerá sobre as casas em que se achar exposta e venerada a imagem de meu Sagrado Coração.
2- Eu darei aos devotos do meu Coração todas as graças necessárias a seu estado.
3- Estabelecerei e conservarei a paz em suas famílias.
4- Eu os consolarei em todas as suas aflições.
5- Serei seu refúgio seguro na vida, e principalmente
na hora da morte.
6- Lançarei bênçãos abundantes sobre todos os seus trabalhos e empreendimentos.
7- Os pecadores encontrarão em meu Coração fonte inesgotável de misericórdias.
8- As almas tíbias se tornarão fervorosas pela prática dessa devoção.
9- As almas fervorosas subirão em pouco tempo a uma alta perfeição.
10- Darei aos sacerdotes que praticarem especialmente essa devoção o poder de tocar os corações mais empedernidos.
11- As pessoas que propagarem esta devoção terão os seus nomes inscritos para sempre no meu Coração.
12- A todos os que comungarem nas primeiras sextas-feiras de nove meses consecutivos, darei a graça da perseverança final e da salvação eterna.

Fonte: WhatsApp

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...