quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Oração para pedir fortaleza espiritual


Peçamos a intercessão de Santa Rosa de Lima para que nossas almas sejam fortalecidas por Deus

rosa de lima

Santa Rosa de Lima, pequena rosa do Peru, tu que soubeste amar verdadeiramente Jesus com um coração generoso e depreciaste as vaidades deste mundo para abraçar-te à sua cruz desde a tua mais terna infância;
Tu que entendeste que em meio às tribulações vêm as graças concedidas por Nosso Senhor e que são a verdadeira escada ao Céu;
Faze com que amemos como tu, a Jesus e Maria, e a Santa Cruz, brindando este grande amor aos mais desvalidos, aos que necessitam de nossa misericórdia, de consolo, servindo-os como se fosse ao mesmíssimo Jesus.
Intercede por nossas pobres almas para que, pela graça de Deus, levemos nossa cruz com alegria.
Ensina-nos a imitar tuas virtudes para que, seguindo teu exemplo, possamos gozar de tua amorosa proteção junto a Nossa Mãe Maria em todo nosso caminhar até o Céu, para ali dar glória a Deus pelos séculos dos séculos. Amém.

Alguns conselhos de Santa Rosa de Lima
Conheça alguns ensinamentos de Santa Rosa de Lima, a primeira santa da América do Sul, Padroeira do Peru, das Ilhas Filipinas e de toda a América Latina:
1-“O amor é duro, mas é nossa essência. Isso é o que nos eleva acima do resto das outras criaturas”.
2-“Quando servimos aos pobres e aos enfermos, servimos a Jesus. Não devemos deixar de ajudar a nossos vizinhos porque neles servimos a Jesus”.

3-“Não quero, esposo meu, mais riquezas, quero adorar-te, não tenho outro desejo que a não ser servir-te. Mas, como o farei sem Teu amparo?”
4-“A graça vem acompanhada da Cruz”.
5-“Oh, que daria eu por anunciar o Evangelho! Atravessaria cidades pregando a penitência, com os pés descalços, o crucifixo na mão e o corpo envolvido num cilício espantoso. Caminharia durante a noite gritando: deixai as vossas iniquidades. Até quando sereis como rebanhos aturdidos diante dos demônios? Fugi dos castigos eternos; pensai que há só um instante entre a vida e o inferno”.
6-“Saibam todos que à tribulação, se segue a graça; reconheçam que, sem o peso das aflições, não se pode chegar à plenitude da graça; compreendam que com o aumento dos trabalhos cresce simultaneamente a medida dos carismas. Não se deixem enganar: esta é a única escada verdadeira do paraíso, e sem a cruz não há caminho por onde se possa subir ao céu”.
7-“Ó, se os mortais conhecessem o que é a graça divina, como é bela, nobre e preciosa, quantas riquezas encerra, quantos tesouros, quantas alegrias e delícias em si contêm!”
8-“Se os homens soubessem o que é viver em graça, não se assustariam com nenhum sofrimento e padeceriam de bom grado qualquer pena, porque a graça é fruto da paciência”.


O silêncio

Resultado de imagem para silêncio
O silêncio é a linguagem da era por vir - assim diz o famoso ditado de Santo Isaac, o Sírio. Ele fala, não dogmaticamente de uma falta de ruído audível no céu, mas do mistério de como Deus vem a nós aqui e agora.
O Reino do Céu consiste da visão de Deus, a Luz Incriada, o fogo da Energias Divinas. Esta é a vitória final de Cristo que todos nós participamos quando o Novo Céu e Nova Terra são estabelecidos. Mas esse mesmo Reino já existe, e o silêncio é o principal caminho pelo qual nós o experimentamos. 

Não desacreditando quaisquer outras disciplinas espirituais que são vitais, mas é verdade que é quase impossível fazer progresso na vida espiritual sem silêncio. 

  • As Escrituras determinam a forma como pensamos.
  • O jejum nos ensina o auto-controle.
  • Atos de caridade amolecem nossos corações.

Mas o silêncio leva a uma intimidade única com Deus.
É incrível que seja tão difícil praticar o silêncio. Parte disso pode ser a força espiritual do inimigo (interior) que trabalha contra nós. Parte do problema é nossa cultura que é dominada pelo ruído, ação e distração. Parte disso pode ser o nosso medo inconsciente de cair nas mãos do Deus vivo.

Mas posso dizer com toda a verdade e humildade, que depois de oito anos estudando teologia formalmente em instituições acadêmicas, mais do que qualquer livro ou sala de aula, eu valorizo o tempo que eu tenho investido no silêncio.

Talvez porque ele nos fale de coisas finais - as coisas de valor duradouro. Ele fala de maneira mais profunda do que as palavras.

Deus esteja com você.

http://www.oracaodejesus.com/textos-o-silencio.html

sábado, 27 de agosto de 2016

Exorcista mundialmente reconhecido explica o que é o malefício – e como defender-se


Uma oração do ritual grego pedindo a proteção de Deus contra o mal

oracao cruz

padre italiano Gabriele Amorth é um respeitadoexorcista da diocese de Roma e um dos mais conhecidos do mundo. Em 1990, ele fundou a Associação Internacional de Exorcistas, da qual foi presidente até o ano 2000. Desde bem antes, porém, o padre Amorth já exercia o ministério. Hoje com 89 anos de idade, ele já realizou mais de 70. 000 exorcismos.
Em seu livro Memorie di un esorcista – La mia vita in lotta contro Satana [Memórias de um exorcista – a minha vida em luta contra Satanás], o padre Amorth nos relata várias de suas experiências mais destacadas na luta contra o mal.
Um dos capítulos explica o que é o malefício e quais são asorações recomendadas para defender-se dele.
O exorcista explica:
O malefício é um mal causado a uma pessoa mediante recurso ao diabo. Pode ser feito de várias formas, como feitiços, maldições, vodu, “trabalhos encomendados” de macumba para prejudicar o próximo etc. Os malefícios são, com grande margem, a causa mais frequente de possessões e de males causados pelo diabo: não menos de 90% do total.
Existem malefícios de morte?
Sim, existe o malefício de morte – e eu já o encontrei em várias situações. Na minha opinião, não há comprovação de que ele surta efeito, mas, sem dúvida, existem pessoas que tentam lançar malefícios de morte. É um malefício muito grave. [Mas] um malefício não tem por que ser mortal; a vida está nas mãos de Deus.
A possibilidade de ação do mal no mundo é um fato que reforça para nós a necessidade de uma vida cheia de graça, com boa confissão sacramental, jejum e oração contínua. Quem vive de acordo com o plano de Deus, aceitando os seus sacramentos com frequência e cultivando o estado de graça, não tem por que temer quaisquer malefícios, pois a Graça de Deus é muito maior que qualquer ação do mal.
* * *
ORAÇÃO CONTRA O MALEFÍCIO – Ritual grego
Kyrie eleison. Deus, nosso Senhor, Soberano dos séculos, Onipotente e Todo-Poderoso, Vós que tudo criastes e que tudo transformais com a vossa Vontade; Vós, que, na Babilônia, transformastes em orvalho a chama do forno sete vezes mais ardente e que protegestes e salvastes os vossos três santos jovens; Vós, que sois Doutor e Médico das nossas almas; a Vós, que sois a salvação dos que a Vós se dirigem, nós pedimos e invocamos: tornai vã, expulsai e ponde em fuga toda potência diabólica, toda presença e maquinação satânica, toda influência maligna e todo malefício de pessoas malvadas realizados contra o vosso servo. Fazei com que, da inveja e do malefício, obtenha abundância de bens, força, êxito e caridade.
Vós, Senhor, que amais os homens, estendei as vossas mãos poderosas e os vossos braços altíssimos e potentes e vinde em socorro e visita desta vossa imagem, mandando sobre ela o anjo da paz, forte e protetor da alma e do corpo, que manterá distante e expulsará qualquer força malvada, todo envenenamento e feitiçaria de pessoas corruptoras e invejosas, de modo que, a Vossos pés, suplicante, protegido, vos cante com gratidão: “O Senhor é meu Salvador e não temerei o que possa o homem fazer-me. Não terei temor do mal porque Vós estais comigo; Vós sois o meu Deus, minha força, meu poderoso Senhor, Senhor da paz, Pai dos séculos futuros”.
Sim, Senhor, Deus nosso, tende compaixão da vossa imagem e salvai o vosso servo de todo dano e ameaça procedente de malefício, e, elevando-o para acima de todo mal, protegei-o; pela intercessão da mais que bendita, gloriosa Senhora, a Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, dos resplandecentes arcanjos e de todos os vossos santos.
Amém.

http://pt.aleteia.org/2016/08/25/exorcista-mundialmente-reconhecido-explica-o-que-e-o-maleficio-e-como-defender-se/

Oração contra todo mal – por um dos maiores exorcistas do mundo


O pe. Amorth é mundialmente conhecido e respeitado em seu ministério de combate ao diabo

I santi contro il male - pt

ORAÇÃO CONTRA TODO MAL
Espírito do Senhor, Espírito de Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, Santíssima Trindade, Virgem Imaculada, anjos, arcanjos e santos do paraíso, descei sobre mim.
Fundi-me, Senhor, modelai-me, enchei-me de Vós, utilizai-me. Expulsai de mim todas as forças do mal, aniquilai-as, destruí-as, para que eu possa estar bem e fazer o bem.
Expulsai de mim os malefícios, as bruxarias, a magia negra, as missas negras, os feitiços, as ataduras, as maldições e pragas; a infestação diabólica, a possessão diabólica e a obsessão e perfídia; todo tipo de mal, pecado, inveja, ciúmes e perfídia; a enfermidade física, psíquica, moral, espiritual e diabólica.
Queimai todos esses males no inferno, para que nunca mais toquem a mim nem a nenhuma outra criatura no mundo.
Que a força do Deus Onipotente, em nome de Jesus Cristo Salvador, por intercessão da Virgem Imaculada, expulse todos os espíritos imundos, todas as presenças que me perturbam; que me abandonem imediatamente, que me abandonem definitivamente e que, esmagados sob o calcanhar da Imaculada Virgem Santíssima, vão para o inferno eterno, acorrentados por São Miguel Arcanjo, por São Gabriel, por São Rafael e pelos nossos anjos da guarda.
Amém.

http://pt.aleteia.org/2016/08/26/oracao-contra-todo-mal-por-um-dos-maiores-exorcistas-do-mundo/

sábado, 20 de agosto de 2016

Padre Pio e a Modéstia no Vestir

Pedro Paulo Pyres
065padrepio

São Padre Pio (1887-1968)
“Padre Pio não tolerava vestidos curtos ou com decotes baixos, saias justas, e ele proibiu suas filhas espirituais de vestir meias-calças transparentes. A cada ano a sua severidade aumentava. Ele teimosamente mandava embora do seu confessionário, mesmo antes de pôr o pé dentro, quem ele julgasse estar indevidamente vestidas. Em algumas manhãs, ele expulsou uma após a outra, até que ele acabou por ouvir muito poucas confissões. Seus irmãos observaram estes drásticos expurgos com certo mal-estar e decidiram pregar uma placa na porta da igreja: “Por desejo explícito do Padre Pio, a mulher deve entrar no confessionário vestindo saias PELO MENOS 20 CENTÍMETROS ABAIXO DO JOELHO. É PROIBIDO EMPRESTAR UM VESTIDO LONGO NA IGREJA PARA USÁ-LO PARA A CONFISSÃO“ “[4].
“Uma vendedora de calças dona de uma loja de varejo em Vancouver foi se confessar na Itália com Padre Pio e teve sua absolvição foi recusada:
“Ele ordenou que ela voltasse para casa no Canadá e se livrasse de todo seu estoque, e não desse qualquer um dos itens para as pessoas que poderiam usá-los, e se ela quisesse sua absolvição, poderia voltar a Itália e recebê-la, só depois que ela realizasse impiedosamente suas ordens” “[5].
“Shorts e mangas curtas, até em crianças não era aceito pelo Padre Pio. Para um homem indo para a confissão de maga curta ele disse: “ou alongue as suas mangas ou encurte seus braços” “[6].
“Uma garota de mini-saia foi informada que era preciso de um vestido maior para se confessar com o Padre Pio. Ela foi na loja com a mãe comprar as roupas apropriadas. Olhando a si mesma no espelho com o novo vestido ela disse: “Se eu o meu namorado me vesse assim ele iria pensar que eu sou um palhaço”. Quando a vez dela de se confessar chegou e a portinhola abriu ela ouviu “Vai embora ! Eu não confesso palhaços“ “[7]
     São Francisco de Sales (1567-1622)
“São Paulo quer que as mulheres cristãs (o que há de entender-se também dos homens) se vistam segundo as regras da decência, deixando de todo excesso e imodéstia em seus ornatos. Ora, a decência dos vestidos e ornatos depende da matéria, da forma e do asseio” [8].


[4] Dorothy Gaudiose, Prophet of the People, pp. 191-2.
[5] Anne McGinn Cillis, Arrivederci, Padre Pio, A Spiritual Daughter Remembers.
[6] Io…testimone del padre, Pág. 54, Modestino da Pietrelcina
[7] Pg.152 Iasenzeniro, F. M. (2006). The “Padre” saint Pio of Pietrelcina. His mission to save souls. Testimonies. San Giovanni Rotondo: Edizioni Padre Pio
[8] São Francisco Sales, Filotéia, parte III, cap. 25.

domingo, 14 de agosto de 2016

Ser pai e ser cristão num mundo em crise moral e espiritual




PARECE OCORRER, no mundo atual, uma crise da paternidade. Cada vez menos homens querem assumir o título de “pai” com todas as obrigações e responsabilidades que isto implica. Quando Nosso Senhor Jesus Cristo diz: “A ninguém chameis pai” (Mt 23,9), estava obviamente se referindo à necessidade que todos temos de olhar primeiro para Deus, se é que pretendemos compreender o pleno significado da palavra – pois o Criador é a Fonte e a perfeição de toda a paternidade. S. Paulo Apóstolo diz (em Ef 3,14-15): “Dobro os joelhos em Presença do Pai do Céu, ao qual deve a sua existência toda família no Céu e na Terra”.

Se quisermos compreender o que é ser um pai, não devemos e não podemos olhar para o reino animal e nem para as fraquezas humanas. Se quisermos saber o que é ser pai, devemos olhar para Deus, meditar na Paternidade Divina, e assim poderemos vislumbrar um pouco da vocação que os pais têm aqui na Terra. Meditemos: quais os motivos de estarem faltando pais de verdade neste mundo em nossos tempos, e por que o demônio vem demonstrando tanto ódio tanto aos pais e ao seu papel fundamental?

Se existe uma figura que vem sendo atacada, em nossa sociedade, é a do pai. Nem sempre explicitamente, e por isso talvez nem todos percebam, mas a pessoa que deveria ser a mais forte, o modelo e o exemplo de todos e o sustentáculo da família, tem sido cada vez mais enfraquecida. Quantas e quantas famílias têm sido hoje constituídas, simplesmente, sem a figura do pai? Vivemos o hoje o extremo do absurdo de se considerar "família" um simples união de pessoas, sem a figura do pai e da mãe ou mesmo dos filhos. Dois homens ou duas mulheres homossexuais e um cachorro, vivendo juntos numa mesma casa, já são considerados uma "família linda" (já se tornou padrão dizer que não há diferença entre um cão e um filho), e ai de quem ousar discordar. Como é possível que tal aconteça? Como é que chegamos a este ponto?!

O inimigo espiritual da humanidade evidentemente quer destruir a família, e ele sem dúvida sabe por onde começar e a quem deve atingir primeiro: àquele que deveria ser a figura do próprio Deus no mundo; àquele que deveria ser, no seio da família, o ícone do Pai do Céu. Analisemos um pouco mais de perto esta triste realidade...

Em primeiro lugar, o fato de Deus Todo-Poderoso ser chamado, pelo Cristo e pelos santos, “Pai do Céu”, demonstra que a missão da paternidade é algo eminentemente espiritual. De fato, Nosso Senhor diziaAbba, que no hebraico coloquial tem significado realmente muito íntimo, próximo e cheio de ternura, algo como "Papai".

Se formos observar o reino animal, porém, veremos que ali a paternidade não tem consistência. Até encontraremos alguns elementos daquilo que entendemos por maternidade na observação dos bichos: entre os mamíferos, as fêmeas amamentam e cuidam dos seus filhotes por algum tempo; entre os pássaros, as fêmeas cuidam dos ninhos, protegendo os ovos. Claro que existe também a colaboração do macho, apesar de esta geralmente ser mais esporádica e menos próxima. O macho, via de regra, é o reprodutor; é aquele que, seguindo seus instintos, cumpre a tarefa de perpetuar a espécie. Logo que os filhotes atingem a fase adulta, estão por sua conta e risco: somem os laços de maternidade e, principalmente, de paternidade, de tal sorte que mesmo relacionamentos sexuais podem ocorrer entre os progenitores e suas crias. Quando falamos de paternidade no sentido humano, portanto, falamos de uma realidade não só física e genética, mas também espiritual.

Nosso Senhor Jesus Cristo, por sua vez, veio nos revelar uma realidade da qual a humanidade até então não suspeitava: Deus é Pai, e quer ser nosso Pai! No contexto do Antigo Testamento, a Paternidade Divina é sempre citada como metáfora, algo muito distante. Deus é chamado Pai do povo de Israel porque protegeu e confiou neste povo de modo especial. Em algumas oportunidades é também chamado Pai, mas por ser o Criador Todo-Poderoso. Deus é tratado como Pai, no seu sentido próprio, somente a partir de Jesus Cristo. O Messias é o Filho de Deus feito homem, e com isso revela que Deus é Pai, e assim mostra como Deus preza, sobremaneira, a família.

O Pai do Céu mandou seu Filho ao mundo, e se meditarmos neste sacratíssimo relacionamento Pai e Filho, repleto de um Amor tão incompreensível que também é Pessoa – o Espírito Santo – podemos perceber o significado mais perfeito de família e daquilo que Deus realmente espera da paternidade. Compreendemos assim porque o demônio se esmera tanto em derrubar a figura do pai.

Nos últimos séculos, no entanto, lamentavelmente, o que temos visto é a derrocada da figura do pai. Já com a reforma protestante foi atacada a figura de um grande pai espiritual universal, o pai terreno da grande comunidade cristã: o Papa. Os protestantes não aceitam um pai espiritual terreno. Depois vieram as revoluções e as quedas de diversas monarquias, de reis que também eram vistos, num sentido próprio, como pais de suas nações. A figura do pai veio e continua decaindo, no inconsciente coletivo; cada vez menos se sabe respeitá-lo, obedecê-lo, tê-lo como modelo e autoridade a ser não só observada, mas também admirada.

Agora, também nas famílias, a figura do pai vem diretamente sendo antagonizada pela sociedade atual. Existe claramente um projeto, um movimento, um processo em curso – que poderíamos chamar de satânico – para destruir a figura, a influência e a importância fundamental do pai na formação do ser humano.

Neste movimento sutil e tenebroso, um exército muito empenhado e competente de professores, autores, artistas e comunicadores esquerdistas vem desempenhando papel fundamental. Entre estes figuram nomes de grande popularidade e poder de formar opinião. Uma novela de grande sucesso, exibida recentemente pela maior rede de TV do Brasil (e que alcança diversos outros países), apresenta como uma espécie de herói nacional um personagem homossexual, desonesto e afetado, que chegou a jogar fora, numa caçamba de lixo, o próprio sobrinho recém-nascido. Tal personagem foi reverenciado, alcançou enorme popularidade e até hoje possui uma legião de fãs declarados.

De muitas maneiras, vemos na sociedade atual uma feminilização do homem: ele precisa se tornar cada vez mais materno e delicado – precisa assumir um certo ar e um comportamento cada vez mais dócil e suave, características e qualidades que são naturalmente típicas das mulheres. Se o homem não for assim, hoje, será desprezado, tratado como retrógrado, antiquado, reacionário... E ninguém quer esses rótulos. Ser pai no sentido tradicional tornou-se problemático, quando não inaceitável. Isso vem acontecendo na sociedade, na família e, devemos dizê-lo, até mesmo na própria Igreja. A figura poderosa e respeitável do sacerdote severo, antes viril e repleta de autoridade, foi substituída pela do "paizinho amiguinho", sempre muito "bonzinho", que fala aos fiéis como se falasse a crianças de 6 ou 7 anos de idade... O receio de melindrar a sensibilidade de pessoas cada vez mais frágeis está sempre presente. Por isso, não se fala mais no Inferno, dos castigos divinos (pois Deus, como Pai, castiga sim), das responsabilidades que homem e mulher devem assumir, das obrigações de pais e filhos. O tema das pregações parece que começa e termina sempre –, apenas e tão somente –, no amor, no perdão e na caridade divinos. E mais nada.

A grande verdade é que as nossas famílias atuais, cada vez mais, parecem ter “duas mães”: uma “mãe com barba” e outra mãe sem barba, porque os dois –, pai e mãe, macho e fêmea –, querem fazer o papel da mulher... Ninguém mais quer assumir o papel do pai bravo, educador, amoroso porém detentor da autoridade última naquele núcleo familiar; responsável por prover não só o sustento, mas também e principalmente a base moral aos filhos.


O que caracteriza um pai?

Como definir a especificidade da figura do pai? O que o define? Analisando a ação de Deus Pai na História Sagrada, a partir do Antigo Testamento, vemos que a primeira coisa que o SENHOR faz é dar a sua Lei; é estabelecer os limites entre o que é certo e o que é errado. Isso é próprio da figura do pai: educar. Isto implica também castigar, sim, quando preciso – é próprio do amor verdadeiro e zeloso do pai. Quer queira quer não, o pai sempre significou, de algum modo, a lei. E isso também pode significar, em determinados momentos, um certo distanciamento – e é por isso que não se quer mais ser pai. Todos querem ser "modernos", querem ser bonzinhos, tolerantes... Querem ser "cúmplices" dos filhos. E para alguém se assumir como a lei, como aquele que impõe os limites, é preciso coragem, determinação, firmeza em suas convicções. Isso dá trabalho e pode gerar alguma antipatia. Evita-se correr o risco.

Deus, que inspira a nossa paternidade, é o mesmo que – para o nosso bem – apresenta os nossos limites, dá a Lei e nos mostra até onde podemos ir, apresentando a simples verdade: Ele é Deus, e não nós! Se quisermos ter uma vida realizada, feliz e plena, precisamos em primeiro lugar reconhecer este fato elementar.

Todo ser humano, em alguma fase de sua juventude, vive um período de rebeldia. Quer contestar a ordem estabelecida, quer impor o seu querer e o seu pensar, revolta-se contra "o sistema"... Ele quer, enfim, ser o seu próprio deus. Adolescentes, se não forem devidamente orientados, tornam-se pequenos ditadores. Cabe antes de tudo ao pai orientar, apontar a realidade, apresentar os limites, ensinar a lição fundamental: você não é deus.

O pai cristão deve fundamentalmente e sempre, afinal, conscientizar-se dos seguintes fatos: por um lado, a Paternidade Divina é insubstituível; por outro, os pais aqui na Terra são como ícones de Deus Pai.

São José não era propriamente pai de Jesus, mas ele de alguma forma serviu como um pai para o Senhor aqui na Terra, e não apenas socialmente, mas também, em algum nível, psicológica e espiritualmente. De alguma forma existia essa noção de paternidade sublime e sagrada, mesmo entre Jesus e José, e nós o percebemos quando a Virgem Maria diz a Jesus Menino, ao encontrá-lo no Templo: “Meu filho, por que fizeste isso? Teu pai e eu te procurávamos, cheios de aflição”. Por esta declaração de Maria Santíssima, vemos que Jesus chamava e tratava a S. José como pai, mesmo sabendo que aquele homem santo não era, de fato, seu pai. Mesmo assim, Jesus o respeitava como ícone de pai neste mundo.

E a Sagrada Escritura diz, ainda mais, que Jesus “desceu com eles, e foi para Nazaré, e era-lhes sujeito” (Lc 2,49-51). Jesus, aos doze anos de idade, depois de tratar dos “negócios de Seu Pai” – o próprio Deus, no Templo em Jerusalém – voltou com sua mãe e seu pai adotivo para Nazaré, onde viviam, e era-lhes obediente.

Jesus, o Filho de Deus e Deus, sujeito e obediente ao seu pai adotivo humano!
 Que lição maravilhosa para os nossos jovenzinhos de hoje, sempre rebeldes e tão cheios de razão!

Evidente que assumir-se como ícone de pai não quer dizer obrigar os filhos a uma obediência cega, tiranizando-os e obrigando-os à obediência cega. A grande missão do pai de família cristão é colocar-se de joelhos diante do Pai dos pais, do qual provém toda a paternidade, para aprender como gerar espiritualmente aos seus filhos.


Sir Alec Guinness como Pe. Brown

Um grande testemunho de conversão é o do ator inglês Alec Guinness, mais conhecido das novas gerações pela sua interpretação do velho "jedi" Obi Wan Kenobi no filme Star Wars original, de 1977 (foto menor), que chegou a receber da realeza o título "Sir", em reconhecimento da sua brilhante carreira no cinema.

Sir
 Guinness interpretou o personagem principal no filme“The misteryes of Fr. Brown" ('Os mistérios do Padre Brown'), de 1954. À ocasião, ele não tinha religião, declarando-se como agnóstico que não tinha conhecimento de religião e nem interesse nas coisas de Deus. Certo dia, ao terminar as filmagens, sentindo-se cansado, não retirou a fantasia de padre e preferiu retornar a pé ao hotel onde estava hospedado, localizado próximo à locação daquele dia, e ainda vestindo a batina. Ao cruzar uma esquina, surgiu-lhe uma criança dos seus oito anos de idade, que ele nunca soube identificar, e que lhe gritava: “Mon Père! Mon Père!” (‘Meu pai! Meu pai!’, que é como os franceses chamam carinhosamente os padres), achando, evidentemente, que ele fosse realmente um sacerdote...

O menino se aproxima, toma sua mão, e os dois caminham por um bom trecho de mãos dadas, enquanto a criança alegremente vai lhe confidenciando muitas coisas da sua vidinha, embora Sir Alec Guiness não o compreendesse bem, porque não falava fluentemente o francês. Ao final do percurso, o pequenino se despede com um: “Au revoir mon pere!”, e vai embora muito alegre.

O agnóstico Alec Guinness sentiu-se profundamente tocado por essa experiência simples. Passou a refletir sobre que religião seria essa, que faz com que uma criança confie tão completamente num desconhecido, apenas por ser padre, como se fosse realmente seu pai. E a confiança na figura do pai de uma comunidade, representada pelo padre, fez com que este famoso ator começasse a investigar o catolicismo e o que representa a religião católica. E assim se converteu. Sir Alec Guinness, a partir dali, viveu como um fiel católico até o dia de sua morte.

Isso ocorreu na primeira metade do século 20. Porém, diante deste belo testemunho, o que percebemos? A triste derrocada da figura do pai nas últimas décadas. E vemos que o demônio fez um trabalho tão bem feito que, hoje, muitos padres hesitam em demonstrar afeto para com uma criança.

Consta que o grande S. João Maria Vianney, celebrado pela Igreja em 4 de agosto, passou várias horas da sua vida diante do Sacrário, aos prantos, pedindo a Jesus: “Senhor, convertei a minha paróquia”. Todas as ações pastorais dos padres, bem como todas as nossas iniciativas como pais de família, só têm sentido se forem acompanhadas da Paternidade espiritual e da confiança primeira em Deus. Somente assim é possível ser verdadeiramente, simplesmente... Pai.

Peçamos a Nosso Senhor e à Santíssima Virgem que nos auxiliem a restabelecer a necessária figura do autêntico pai neste mundo secularizado e cada vez mais materialista.

___
Ref.:
Sermão de Pe. Paulo Ricardo de Azevedo Jr., disponível em:
http://padrepauloricardo.org/episodios/crise-da-paternidade
Acesso 20/01/014

sábado, 13 de agosto de 2016

Padre Pio e as modas indecentes

Novena do Trabalho

NOVENA DO TRABALHO - Você que está empregado e principalmente que está desempregado, venha fazer conosco essa novena. A partir do dia 16/08 próxima terça feira. Postaremos as orações todos os dias as 6hs.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

AS DIFICULDADES OBJETIVAS

Nem tudo é subjetivo
Nem todas as nossas dificuldades são subjetivas, fruto da imaginação egoísta e do coração estreito.
Existem dificuldades objetivas, e não somente existem como são uma permanente presença no caminho da nossa vida, em cada um dos seus passos. E é natural que seja assim.
A existência humana é dinâmica. O progresso é lei da nossa vida, porque não estamos “feitos” de uma vez por todas, mas avançamos passo a passo, ao longo dos nossos dias, rumo à nossa plenitude. Isto exige uma contínua superação, uma vez que avançar não é dar voltas ao redor do mesmo ponto, mas subir, superar-se a si mesmo e crescer. Em qualquer momento da nossa existência, sempre podemos enxergar – tanto do ponto de vista do trabalho e da cultura, como da vida espiritual e moral – mais um degrau a galgar, mais um patamar a alcançar. E é claro que ninguém consegue uma ascensão sem esforço e, em consequência, sem ter de enfrentar resistências e obstáculos.
Montanhas e serras, dificuldades, têm um valor para quem caminha. Poderiam ser barreiras – se faltasse ideal e empenho –, mas podem ser degraus. Lembrando-nos de São Paulo, que afirma que todas as coisas concorrem para o bem dos que amam a Deus (Rom 8, 28), procuraremos ver – nas próximas meditações – como é que as dificuldades objetivas podem contribuir para o nosso melhoramento.
As dificuldades firmam-nos no bem
As dificuldades firmam-nos no bem, dão têmpera moral.
Na vida do esportista, cada dificuldade é um “desafio”. Não costuma ser assim – infelizmente – na vida moral. Basta às vezes o aparecimento de uma dificuldade um pouco maior para sentirmos a tentação de deter a marcha e olhar para trás; de desistir ou, pelo menos, de estacionar.
Esta tentação nota-se especialmente quando fazemos bons propósitos de mudança. Começamos bem, animados e esperançosos: desta vez, as coisas vão melhorar. Mas lá vem logo, como um balde de água fria, uma dificuldade não esperada, pelo menos não esperada… tão cedo.
Imaginemos um pai de família que um belo dia se propõe sair do seu proverbial mutismo e ultrapassar as habituais respostas monossilábicas e secas. Tenta, mais ou menos desajeitadamente, dizer umas palavras especialmente amáveis à esposa e aos filhos. Não se sabe se pelo insólito do caso, ou porque o diabo meteu o rabo, o fato é que mulher e filhos reagem mal: “Você não se sente bem?”, “Pai, o que é que deu no senhor?” Imediatamente, o pai-caramujo, ferido nas suas melhores intenções, sente o irresistível impulso de se enfiar no mais profundo da sua carapaça e dizer: “Nunca mais!”…
É muito comum os propósitos murcharem por tropeçarmos com obstáculos. Não nos esforçamos por ser mais afáveis porque nem sempre somos bem compreendidos. Não perseveramos na oração diária porque nos distraímos com facilidade e temos a impressão de estar perdendo o tempo. Não mantemos os horários de trabalho e os planos de aproveitamento do tempo porque desanimamos com os imprevistos que os alteram. Não prosseguimos na luta por ser humildes porque não conseguimos evitar que as pontadas do nosso amor-próprio pipoquem a cada passo.
Na realidade, cada dificuldade que surge no caminho dos nossos bons propósitos nos põe à prova. É um teste de sinceridade. Porque a dificuldade, incitando-nos a desistir ou a recuar, obriga-nos a tomar uma posição, a determinar se queremos ou não. Com efeito, cada dificuldade provoca uma certa hesitação, e por isso mesmo nos exige uma decisão. A nossa vontade deverá inclinar-se ou pelo lado do ideal moral – dos valores e das virtudes cristãs – ou pelo lado da facilidade.
Certamente a dificuldade nos abala. Mas também é como se, por assim dizer, nos obrigasse a fixar o olhar num valor moral superior: um valor difícil, mas autêntico. Tendo-o inequivocamente diante dos olhos, não temos outro jeito senão optar e dizer um “sim” ou um “não”, pondo assim à prova se queremos o bem acima de tudo ou se apenas o desejamos de um modo relativo e sem compromisso. Cada dificuldade, portanto, permite uma auto-avaliação da nossa qualidade moral.
Se, no exemplo do pai de família antes mencionado, o protagonista desiste dos seus bons propósitos, estará optando pelo orgulho (não estará disposto a sofrer mais uma pequena humilhação em prol do bem); pelo contrário, se persevera no esforço, optará pelos valores cristãos da humildade e do amor; e, na medida em que prosseguir na luta por melhorar a sua caridade, por abrir um espaço novo ao amor na rispidez do seu caráter, estará firmando em si uma nova e mais alta qualidade moral, crescerá em estatura espiritual e se tornará, no sentido mais profundo e verdadeiro do termo, um homem melhor.
Quando sentimos, portanto, o desânimo que, perante uma dificuldade, nos impele a pensar que “não dá”, devemos convencer-nos de que a verdade se encontra na posição contrária: somente assim é que dá. Isto é, que somente enfrentando e superando uma dificuldade colocada no caminho da virtude é que a mesma virtude se consolida e se torna forte.
Adaptação de um trecho do livro de F. Faus, O valor das dificuldades

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Querer o perdão


Precisamos querer o perdão e buscá-lo; precisamos dessa graça divina para perdoar setenta vezes sete

“Jesus respondeu: ‘Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete’” (Mateus 18,22).

Jesus deu essa resposta quando Lhe foi perguntado quantas vezes devemos perdoar o nosso irmão, pois parece que todos nós temos um limite em nossa capacidade de lidar e suportar determinadas coisas e situações. O que Jesus está dizendo não é por causa do outro, é pelo nosso próprio coração, porque este não pode ter limites para o perdão, pois perdoar deve ser a característica fundamental da espiritualidade cristã, da nossa relação com Deus e com o próximo.

Quando o perdão é esquecido, quando ele se torna cansativo, as coisas vão se aglutinando, se amontoando, ajuntando-se dentro de nós; depois, isso cria um embaraço terrível. E lá na frente, quando quisermos resolver, as coisas estarão duras demais ou mal resolvidas.

Pode ser que, na hora, não tenhamos força, mas não seremos ingênuos em fingir que somos máquinas, onde apertamos um botão e logo perdoamos. Não é assim que funciona o coração humano, entretanto, a disposição e a vontade de perdoar precisam acontecer a todo momento, por mais ferida que a alma e o coração estejam; mesmo que seja preciso fazer um trabalho espiritual, um trabalho humano e psicológico, para que o perdão floresça.

O perdão nasce da vontade de perdoar, mesmo que não sintamos, que não consigamos perdoar de imediato nem tenhamos amadurecido. Precisamos querer e buscar o perdão; precisamos dessa graça divina para perdoar setenta vezes sete! Primeiro, para que tenhamos saúde espiritual, psíquica e física, porque o contrário gera muitas pessoas doentes. Segundo, porque é dessa forma que Deus nos perdoa, Ele não limita o Seu perdão a nós, não nos perdoa só até um determinado ponto: “Já pequei demais, agora Deus não me perdoa mais!”. Sabemos que não é assim, pois todas as vezes que vamos buscar o nosso Pai, implorando o Seu perdão e Sua misericórdia, Ele não nos nega.

Não seja como o homem do Evangelho de hoje, que foi “sem vergonha”. Ele foi perdoado de sua dívida, que era grande, mas quando encontrou seu companheiro na estrada, foi muito cruel e duro. O homem pediu apenas mais um tempo para pagar a dívida, mas ele disse ‘não’ e mandou lançá-lo na prisão.

Recebemos o perdão enorme, sem contas do coração de Deus, mas perdoamos pouco ou quase nada. Muitos podem pensar: “Mas nem sempre eu consigo perdoar!”. É verdade, mas então peçamos ao Senhor que nos dê um coração bom e misericordioso como o d’Ele, porque Ele perdoa tudo, menos o coração de quem não tem “vergonha na cara”, de quem foi muito perdoado por Ele, mas é incapaz de usar o perdão para com seu próximo.

“Pai, perdoa as nossas ofensas assim como perdoamos a quem nos ofendeu!”.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova,

domingo, 7 de agosto de 2016

Pokémon GO: Novidade? Vício? Ameaça? Alucinação? Absurdo?

Os famosos “monstros de bolso” (tradução das palavras inglesas que formam a palavra Pokémon) são criaturas fictícias, imaginárias, que se tornaram uma verdadeira febre no final dos anos noventa nos vídeo games e desenhos. Até aqui, acredito que não haja novidade para ninguém.
Alguns falam de outra possível tradução: “Demônio de Bolso”. Também já disseram que o criador desses personagens, um japonês, após ter terminado o projeto, começou a viver como bicho, até ser internado em um hospício onde logo morreria por suicídio. Precisamos pesquisar...
A questão agora é a chegada (último dia 3 de Agosto) no Brasil do aplicativo “Pokémon GO” criado para os Smartphones. As propagandas dizem: “Finalmente Pokémon GO está entre nós, e é chegada a hora de aprender o máximo para se tornar mestre Pokémon”. Os apaixonados pelos jogos querem apenas uma coisa: “Alcançar o maior dos objetivos: Capturar os mais poderosos Pokémon”.
E a febre começou! Disponíveis já nas lojas online da Apple e do Google, o jogo já começou espalhar monstrinhos (ou diabinhos) pelas cidades todas (preferia anjos!). E a ideia é que os jogadores (na maior parte, crianças) andem pelas ruas procurando o Pokémon! Ah...até encontrá-los! Atenção pais! Pensem no teor e na proposta do jogo! Nem tudo que parece inofensivo, o é na realidade! Essa é a diferença do jogo! Se nossos filhos estavam escravos dos celulares e tablets em casa, agora sairão para as ruas à caça dos pokémons! Creio que era melhor meu tempo de criança em São Gonçalo quando íamos atrás das tanajuras ou das pipas; ao menos eram reais!
Essa mistura de realidade com o mundo virtual (mais virtual que real. Real mesmo só o aparelho celular) pode se tornar uma epidemia, um vírus, uma febre esdruxula. Serão quase (que me desculpem os jogadores) como zumbis circulando pelos espaços vazios capturando Pokémons, que até então totalizam em 250 tipos diferentes. Temos que pensar!
Alienação? Distanciamento da realidade? Exclusão do mundo real? “Idiotização social” como alguns falaram? Infantilização dos adultos? Tentativa de transformar o mundo real em um vídeo game gigante? Invasão de espaço? Tem até Pokémon na nossa Igreja, e nem a Apple nem o Google me pediram!!!
Temos que pensar! No Rio, o jogo começou exatamente antes das Olímpiadas! O Prefeito que não gosta de Maricá quer copiar os EUA, onde já aconteceram inúmeros acidentes, também no trânsito. Soube, através de uma amiga, de crianças atropeladas e caindo de janelas e escadas na tentativa de capturarem os pequenos demônios de bolso! Fora os assaltos aos celulares que triplicaram neste segundo dia de uso em São Paulo, por exemplo. Fanatismo? Insensatez? Guerra espiritual? Brincadeira? Mais um aplicativo? O tempo e os frutos dirão! O problema é que no Brasil, tudo tem proporções gigantes. Se isso for um mal, nos preparemos. Imagine Pokémon nas escolas, igrejas, mercados, praças, ruas, na praça de alimentação do shopping? 
Capturar todos? Sair de casa? Podíamos aproveitar o ensejo para falar aos nossos filhos sobre a complexa realidade que a sociedade atravessa. Seria tão bom se eles voltassem a sair de casa para comprar o pão para os pais, os remédios para os avós. Se saíssem para recolher alimentos e agasalhos para os mais carentes. Se promovêssemos a “cultura do encontro” como pede o Papa Francisco!
Ah se eles saíssem com a mesma disposição para a Escola e a Igreja! Para o Culto e a Missa! Para a sala de aula! Imagina nossas crianças no recreio? O Fenômeno Pokémon ainda está no começo! Vamos, em contrapartida, ensinar nossos filhos a saírem de si, a procurarem Deus, e os amigos, os parentes, e a natureza real, os animais e as verdadeiras instituições que edificam e formam um ser humano para a batalha da vida!
Vamos à Caça do Avivamento do Bem, da necessidade do Próximo, do Real, do Evangelho e da Família, do trabalho justo e honesto, da Cultura da Vida e da Civilização do Amor! Vamos à busca de Deus, da Igreja e do estudo, do Perdão e da Paz! Deixemos que os monstros se ocupem e enterrem seus próprios monstros! Deixemos os demônios no inferno. Deixemo-nos no bolso do diabo. Nascemos de Deus e para Ele, nascemos para o Céu! Aplica-te ao Amor Real e sem fingimento! 
Não perca tempo! Saia e espalhe a bondade real que está em você para todos os que pelos caminhos da vida você encontrar! Vá! A vida é curta! O mundo precisa! Saia! Para isso não é preciso nem telefone, nem rede, nem aplicativo, nem dinheiro! Vai humaniza com amor e por amor o ser humano que se coisificou, desumanizando-se.
Nada de monstros, apenas homens e mulheres novos pelo Amor!


Padre Dudu

https://www.facebook.com/ironi.spuldaro.5/posts/986859871413188

O jeito inteligente de Pe. Pio ensinar um padre


Talvez você conheça São Padre Pio de Pietrelcina por seus estigmas e os milagres atribuídos a sua intercessão. Porém em vida ele também foi conhecido por ser um estupendo confessor e por dar lições realmente inteligentes a quem se aproximava dele. Esse é o caso de um sacerdote argentino que veio a ele, sem se quer imaginar que este santo lhe daria uma lição que o ajudaria a ser um padre melhor.
Contam que um sacerdote argentino havia ouvido falar tanto sobre os conselhos do Padre Pio, que decidiu viajar de seu país à Itália, com o único objetivo de que lhe desse alguma recomendação para sua vida espiritual. Chegou à Itália, se confessou com o Padre e teve que voltar sem que desse nenhum conselho. O Padre lhe deu a absolvição, o abençoou e isso foi tudo.
Chegou à Argentina tão desiludido que desabafava contando o episódio a todo mundo:
  • Não entendo por que o Padre não me disse nada…E eu viajei da Argentina até lá, só para isso! O Padre Pio lê as consciências e sabia que eu havia ido com a esperança de que me desse alguma recomendação…
Assim se queixava uma e outra vez , até que seus fiéis começaram a se perguntar:
– Padre, tem certeza de que Padre Pio não te disse nada? Será que não fez algum gesto, algo fora do comum?
Então o sacerdote se pois a pensar, e finalmente se lembrou que Padre Pio tinha feito algo um pouco estranho…e disse aos seus fiéis:
  • Me deu a benção final fazendo o sinal da cruz lentamente, tão lentamente que eu pensei: “Será que não vai acabar nunca?”
Lhe responderam:

  • Eis aí seu conselho! O senhor faz tão rápido o sinal da Cruz quando nos abençoa, que parece mais um rabisco.

O sacerdote caiu em si, muito feliz com esta forma tão original de aconselhar que tinha Padre Pio.
Que maneira inteligente de aconselhar um sacerdote!!!

http://pt.churchpop.com/o-jeito-inteligente-de-pe-pio-ensinar-um-padre/

ORAÇÃO VOCACIONAL FEITA PELO PAPA BENTO XVI

Ó Pai, fazei com que surjam, entre os cristãos, numerosas e santas vocações ao sacerdócio, que mantenham viva a fé e conservem a grata memória do vosso Filho Jesus pela pregação da sua Palavra e pela administração dos sacramentos com os quais renovais continuamente os vossos fiéis. Dai-nos santos ministros do vosso altar, que sejam atentos e fervorosos guardiões da Eucaristia, o sacramento do supremo dom de Cristo para a redenção do mundo. Chamai ministros da vossa misericórdia, os quais, através do sacramento da Reconciliação, difundem a alegria do vosso perdão. Fazei, ó Pai, que a Igreja acolha com alegria as numerosas inspirações do Espírito do vosso Filho e, dócil aos seus ensinamentos, cuide das vocações ao ministério sacerdotal e à vida consagrada. Ajudai os Bispos, os sacerdotes, os diáconos, as pessoas consagradas e todos os batizados em Cristo para que cumpram fielmente a sua missão no serviço do Evangelho. Nós vos pedimos por Cristo, nosso Senhor. Amém. Maria, Rainha dos Apóstolos, rogai por nós.

sábado, 6 de agosto de 2016

DIFICULDADES-4: AS FRONTEIRAS DO CORAÇÃO

A difícil mediocridade
Já meditamos sobre as almas que têm metas baixas na vida, um “limiar baixo”. E víamos como essa atitude morna gera muitas “dificuldades subjetivas”, que um coração generoso e um ideal alto não teriam.
São as “dificuldades da mediocridade” que, em maior ou menor medida, todos nós temos. Cada um de nós poderia abrir um livro-registro e cadastrá-las. Para tanto, bastaria identificar tudo aquilo que achamos “demais” e que nos move ao protesto…, e reconhecer, com justa vergonha, que o problema não é que seja de mais, mas que a nossa alma é de menos.
É “demais” assumir compromissos espirituais (Missa dominical mesmo que custe sacrifício, oração e leitura diárias do Evangelho, etc.) para quem é incapaz de prescindir dos “compromissos” assumidos com a preguiça, ou com o aperitivo diário (esse, sim, compromisso fiel e perseverante), ou com a horinha intocável de exercício físico (que, em si, é muito louvável).
É “demais” dedicar um tempo – renunciando a empregá-lo em gostos pessoais – a um amigo que esteja precisando de ajuda, a um doente ou até mesmo a um filho que exija uma atenção mais abnegada… É demais para aqueles que, pensando bem, não é que façam “de menos” pelo seu próximo, é que simplesmente não fazem nada ou quase nada…
É “demais” ter de suportar os defeitos e indelicadezas dos que convivem conosco; é tão “demais”, que muitos podem lembrar-se de autênticas “tragédias” provocadas por insignificâncias: uma resposta um pouco atravessada, um cumprimento frio, os cotovelos em cima da mesa… Esquecemos que, para um cristão, os dois limiares normais do amor ao próximo são: Amarás o próximo como a ti mesmo (Mt 22, 39) e amai-vos uns aos outros como eu [Jesus] vos amei (Jo 13, 34).
Quando são Paulo descreve os traços da caridade cristã, não está escrevendo para anjos, mas para seres humanos como nós. E eis as metas que indica como limiar normal da caridade: A caridade é paciente, a caridade é benigna; não é invejosa, não é jactanciosa, não se ensoberbece, não é descortês, não é interesseira, não se irrita, não guarda rancor; não se alegra com a injustiça, mas compraz-se na verdade; tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo sofre (1 Cor 13, 4-7).
A pessoa que aceita como norma de vida este programa, dificilmente se queixará das dificuldades na família ou no ambiente profissional. O que para outros seriam dificuldades, para o cristão de limiar alto e sadio são ocasiões diárias de amar e de servir.
As fronteiras do coração
Tudo isso quer dizer, portanto, que o problema de grande parte das nossas dificuldades se reduz a um problema de ampliação das fronteiras do coração. É preciso que nos decidamos a elevar o nosso nível de normalidade, sem nos deixarmos dominar pelos níveis baixos que o ambiente pretende impor.
Neste ponto, o cristão deve ser especialmente firme e coerente. Caso contrário, facilmente se deixará arrastar pelo fluxo de um meio social onde cada vez se torna mais comum que até mesmo aquilo que é francamente “anormal” se normalize e se imponha como lei: “Hoje em dia, as coisas são assim, as coisas mudaram. O que causa estranheza – não faltará quem o diga – é que um homem, decorridos cinco ou dez anos, ainda esteja com a mesma mulher com quem se casou…”
O mundo parece mergulhar aceleradamente na idolatria do agradável, do fácil e do cômodo. Facilidades da técnica, que nasceram como meios de a pessoa se organizar e trabalhar melhor, de aproveitar melhor o tempo, de possuir maior informação, vão-se transformando em utensílios de amolecimento e vício. Tende-se a amar o fácil por ser fácil, o agradável por ser agradável, sem cuidar de discernir se é o certo e o bom.
A pessoa que se deixa dominar por esses critérios fica moralmente enfraquecida e chega a não ver sentido naquilo que dá sentido à vida, só porque o julga difícil: não vê sentido no amor-doação, na renúncia para servir, na abnegação para ser fiel, em suma, nos valores morais que forjam a grandeza do homem. Daí a necessidade, urgente necessidade, de os cristãos alargarem as fronteiras do seu coração, para assim trazerem um sopro de vida a este mundo que parece estar perdendo a alma.
O sopro renovador
Ora, esse sopro renovador só será dado ao mundo pelos que estiverem dispostos a rever os níveis dos seus ideais e a elevar o teto da sua normalidade. Isto há de chocar, sem dúvida, no ambiente4. Mas, no fim das contas, será um choque de revitalização, uma sacudidela capaz de despertar do letargo aqueles que ainda podem reerguer-se e caminhar.
Esses homens e mulheres de níveis morais sadios, acima da média doentia, talvez não sejam compreendidos. Talvez precisem da coragem de começar a lutar sozinhos, sem sentir apoio no ambiente, nem sequer no mais próximo. Terão de ser corajosos para serem autênticos e não dobrarem o joelho ante o que “todo o mundo faz”… Por isso, deverão amar muito a Verdade, e será também preciso que se decidam a apagar do seu dicionário a palavra dificuldade ou, pelo menos, a mudar-lhe o sentido.
No novo dicionário dos que aceitam os limiares de Cristo, o verbete dificuldade será, pois, explicado assim: “Dificuldade: a maior parte das vezes, é o mal-estar gerado pelos nossos defeitos ou pela nossa mediocridade; algumas vezes, é um obstáculo objetivo que se encontra na vida, e que – tendo sido enviado ou permitido por Deus – tem como finalidade firmar-nos no bem, fazer-nos crescer espiritual e humanamente, purificar-nos e elevar a nossa alegria até uma altura até então insuspeitada”.

Adaptação de um trecho do livro de F. Faus, O valor das dificuldades

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Sofrer e Perdoar

Sofrer e Perdoar

Por Monsenhor Ascânio Brandão
 
 
Como é doce a paciência dos santos! Sabem sofrer e sabem perdoar! Um homem perverso e cruel atirou com violência uma pedra que foi ferir gravemente o santo e pobrezinho São Bento Labre.

Inclinou-se humildemente o santo, tomou a pedra, beijou-a e colocou-a respeitosamente num muro do caminho.
Prosseguiu a viagem, a rezar todo o tempo pêlo seu agressor. Que doçura e paciência! Isto é ser cristão, é ser verdadeiro discípulo de Jesus Cristo! Quando muitas pedras de contradições, palavras duras e injúrias nos forem atiradas, fiquemos tranqüilos.

Oremos pelos que nos perseguirem. É um meio excelente para recuperar a calma e dominar esses instintos de cólera e orgulho que não nos deixam em paz.

Um dia Santa Isabel recebeu uma afronta. A injúria a foi ferir no âmago do coração.
Sentiu-se perturbada e correu aos pés de Nosso Senhor. Fez violência ao coração e começou penosamente a rezar pelos que a insultaram, dizendo:

— "Meu Jesus, dai aos que me insultaram um benefício, uma graça que corresponda a cada injúria".

Quando assim rezava, Nosso Senhor lhe disse:
— "Nunca, me fizeste orações mais agradáveis e belas do que estas. Penetraram tuas súplicas até o fundo de meu coração. Perdôo, minha filha, por isso, todos os pecados de toda tua vida".

Tenhamos a doce certeza de que assim nos falará Nosso Senhor, si soubermos, como Ele, sofrer e perdoar!

Fonte: Breviário da Confiança, 1948

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...