segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Iniquidade você sabe o que é?


A Bíblia diz que quando a iniquidade chega ao coração do homem, ele fica tão endurecido que já não sabe se certa atitude é pecado ou não. 

Estado reprovável em que ficamos por causa do pecado.

Tornar normal o que é pecado, não sentir culpa pelo pecado cometido, de tanto uma pessoa cometer o mesmo ...

Quando a iniquidade chega ao coração do homem, ele fica tão endurecido que já não sabe se certa atitude é pecado ou não.


Jeremias 2, 22 - Ainda que te laves com salitre e aumentes para ti a potassa, a mancha de tua culpa permanecerá diante de Mim -- Oráculo do Senhor Iahweh

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Blindagem espiritual contra o mal: a poderosa consagração ao Sagrado Coração de Jesus


Repita com fé esta oração de Santa Margarida Maria Alacoque

Entrego-me ao Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo, consagro – sem reservas – minha pessoa, minha vida, minhas obras, minhas dores e sofrimentos.
Este é meu propósito imutável: ser eternamente seu e fazer todas as coisas por Seu amor. Ao mesmo tempo, renuncio, de todo coração, aquilo que lhe desagrada.
Sagrado Coração de Jesus, quero ter-te como único objeto de meu amor. Sê, pois, meu protetor nesta vida e a garantia da vida eterna. Sê fortaleza na minha debilidade e inconstância.
Coração cheio de bondade, sê para mim o refúgio na hora da minha morte e meu intercessor diante de Deus Pai. Desvia de mim o castigo da justa ira. Coração de amor, em Ti deposito toda a minha confiança.
Tira de mim, Senhor, tudo o que te desagrada ou possa me afastar de Ti. Que teu amor se imprima tão profundamente no meu coração que eu jamais seja capaz de te esquecer e de separar-me de Ti.
Senhor e Salvador meu, te rogo, pelo amor que tens em mim, que meu nome fique gravado em teu Sagrado Coração; que minha felicidade e minha glória sejam viver e morrer a Teu serviço.
Amém.

(Santa Margarida Maria Alacoque)

“Ele me esperava”: mais um testemunho arrebatador da presença de Jesus no sacrário


Não é uma teoria, uma hipótese ou algo irreal. Jesus está vivo em todos os sacrários do mundo

Esta oração nasce do mais profundo de minha alma. Ela é simples, porém sincera:
 “Amado Jesus escondido no sacrário, peço que me perdoes pelas vezes que te deixei sozinho, pelas vezes que duvidei da tua presença verdadeira e te ofendi”.
Jesus me mostrou que Ele está lá, nos sacrários, VIVO. Não é uma teoria, uma hipótese ou algo irreal. Ele está VIVO em todos os sacrários do mundo inteiro.
Eu estava pensando nos maravilhosos testemunhos que vocês me enviam sobre suas visitas a Jesus no sacrário. Enquanto fazia uma limpeza no meu quarto, encontrei umas cartas de 2001. Parei para lê-las e encontrei uma pequena joia do meu amigo argentino Horacio Mantilla. É uma história maravilhosa e, por isso, faço questão de compartilhá-la com vocês:
 “Naquela tarde, saí de casa e, aproveitando que tinha tempo, fui até a paróquia. Precisava de um lugar para refletir e ficar tranquilo. Em casa não ia dar. Cheguei a San Augustín e fui direto ao Sacrário. Que surpresa! Eu não me lembrava que todas as quintas-feiras há uma hora santa de adoração Eucarística para pedir pelas vocações religiosas e sacerdotais. Lá estava Jesus, em um pequeno Santíssimo que guardamos no sacrário. Fiquei um pouco quieto e coloquei meus problemas nas mãos Dele. Naquele momento, dei graças a Deus por todas as suas bênçãos. Jesus me esperava com seus braços abertos, acalmou minha angústia e apagou minhas inquietudes. Ele me deu paz e serenidade. Jesus me esperava. Consegue imaginar isso? Jesus me esperava”.
  Eu sou um simples pai de família, um esposo, um aprendiz de escritor, uma pessoa que cai e se levanta. E posso sentir que Jesus está presente nos sacrários de todo o mundo. Já vi muitos milagres acontecendo junto ao Santíssimo e ainda hoje me surpreendo quando eles ocorrem.
As pessoas vão desesperadas até Ele, e Ele as consola e dá as graças de que elas precisam para continuar suas vidas. Se você pudesse escutar com todos os ouvidos da alma, claramente ouviria as palavras Dele, quando ele diz: “Aqui estou. E te amo”.
Eu também encontrei esta linda oração a Jesus Sacramentado. Gostaria de compartilhar com você apenas um trecho. Eu copiei esse trecho porque vou lê-lo hoje, quando for ver Jesus no sacrário. E, lá, vou dizer mil vezes que o amo. Faça isso você também. Diga-lhe que você o ama. E seus conselhos logo virão.
Oração a Jesus Sacramentado:
 “Ó Jesus de minha alma, encanto único do meu coração”. Eis-me aqui prostrado a seus pés, arrependido e confuso, como chegou o filho pródigo à casa do pai. Cansado de tudo, só quero te amar, só quero de buscar, só em Ti encontro meu bem…”

 https://pt.aleteia.org/2017/10/10/ele-me-esperava-mais-um-testemunho-arrebatador-da-presenca-de-jesus-no-sacrario/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

Poderosa ladainha ao Anjo da Guarda


Esta ladainha resume perfeitamente as diferentes funções que nosso Anjo da Guarda tem em nossa vida

Mesmo sabendo que Deus designou o Anjo da Guarda para cuidar de nós, a missão particular desse anjo nem sempre é evidente. A oração pede que ele nos proteja, nos guarde, e nos ilumine. Mas o que isso significa?
O Catecismo da Igreja Católica resume a função do nosso Anjo da Guarda, explicando: ” Desde o seu começo até à morte, a vida humana é acompanhada pela sua assistência e intercessão. Cada fiel tem a seu lado um anjo como protetor e pastor para o guiar na vida. Desde este mundo, a vida cristã participa, pela fé, na sociedade bem-aventurada dos anjos e dos homens, unidos em Deus” (CIC 336).
Este papel duplo de protetor e pastor é mais explorado na Ladainha do Anjo da Guarda. É uma oração antiga, transmitida pelas gerações e que expande a definição da Igreja, dando ao nosso Anjo da Guarda mais títulos particulares. A ladainha é uma ótima ajuda para estreitar o relacionamento de uma pessoa com o seu Anjo da Guarda e abrir as portas para uma amizade com o ser espiritual que nos acompanha aonde quer que vamos.
LADAINHA AO ANJO DA GUARDA: 
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.
Pai Celeste, que sois Deus, tende piedade de nós.
Filho, redentor do mundo, que sois Deus.
Espírito Santo, que sois Deus.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus.
Santa Maria, rainha dos anjos, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu príncipe, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu conselheiro, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu defensor, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu administrador, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu amigo, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu intercessor, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu patrão, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu diretor, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu governante, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu protetor, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu consolador, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu irmão, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu pastor, rogai por nós
Anjo da Guarda, minha testemunha, rogai por nós

Anjo da Guarda, meu ajudante, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu vigilante, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu condutor, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu conservador, rogai por nós
Anjo da Guarda, meu iluminador, rogai por nós
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós, Senhor.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.

Rogai por nós, Oh santo Anjo da Guarda! Para que sejamos dignos de alcançar as promessas de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Oremos: Deus Todo-poderoso e eterno que mediante o conselho da Tua inefável bondade, designaste para cada crente, desde o ventre da mãe, um Anjo da Guarda especial, protetor do nosso corpo e da nossa alma; concede-nos que o amemos e honremos, a ele a quem Tu nos deste tão misericordiosamente e protegidos pela generosidade da Tua Graça e pela sua assistência, mereçamos contemplar com ele e com todos os coros angelicais a glória do Teu rosto na pátria celestial. Tu que vives e reinas, pelos séculos dos séculos. Amém!
Pai Nosso – Ave Maria – Glória – Santo Anjo

https://pt.aleteia.org/2017/10/10/poderosa-ladainha-ao-anjo-da-guarda/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

O dia em que eu tive Deus nas minhas mãos


m relato emocionante de quem já foi Ministro da Eucaristia

Acho que eu já te contei isso. Durante alguns meses, ajudei o sacerdote de minha paróquia como Ministro Extraordinário da Eucaristia. Foi há 12 anos. No começo, neguei a tarefa que me foi proposta. Não me sentia digno. Mas o padre me animou, dizendo: “Se é sobre dignidade, Claudio, é melhor todos nós irmos para nossas casas, pois ninguém é digno. Não se preocupe. Vai dar tudo certo”.
Naquele momento, aceitei a missão e comecei a aprender tudo o que era necessário. Li os livros para me instruir. Queria fazer o melhor possível para Jesus. Queria que ele ficasse satisfeito com meu trabalho.
Aquela foi uma das grandes aventuras da minha vida e está entre as que mais valorizo. Que momento! Lembro como as minhas mãos tremiam e suavam frio.
Ter Jesus em suas mãos… Você consegue imaginar o que eu experimentava? Mas isso tinha um nome: Amor.
Eu sabia que era Ele, meu bom e terno Jesus. Meu amigo de toda a vida. Eu o olhava com muito carinho e repetia, vez ou outra, que o amava.  Aproveitava cada momento para fazê-lo saber que eu me sentia feliz em tê-lo como meu amigo. Esta música reflete bem esses sentimentos:
Encontrei em meu diário um escrito daqueles dias. Gostaria de compartilhar com você:
 “Acabo de chegar da Missa. Primeiro participei da Hora Santa. Depois ajudei o padre na celebração. Algo aconteceu. Ele me deu a comunhão com o corpo e o sangue de Cristo.
Naquele momento, senti a mão de Jesus em meu peito e seu abraço amigo. Fiquei paralisado. O tempo parou. Éramos Jesus e eu.
Ele me dava toda a sua atenção e amor.
Desci com o padre para distribuir a comunhão aos fiéis que estavam na fila. E senti (e sinto) lágrimas brotando dos meus olhos.
Eu olhava para cada hóstia que distribuía, dizia palavras de carinho e depois a entregava. Cada hóstia era Ele, vivo, presente nela.
Eu fazia isso devagar, porque não conseguia ir mais rápido.
Uma profunda ternura tomou conta de mim. Uma serenidade que poucas vezes senti.
Na sacristia, aproximei-me do padre e disse:
– Aconteceu alguma coisa nesta tarde. Senti Jesus em minha alma, mas com tanta intensidade…
O padre colocou sua mão em minha cabeça com carinho e desejou:
– Que Deus continue te concedendo essas graças.”

Eu ainda o sinto… Tão vivo… Tão Jesus…

https://pt.aleteia.org/2017/10/11/o-dia-em-que-tive-deus-em-minhas-maos/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Pe. Pio recebe uma graça de Nossa Senhora de Fátima


Resultado de imagem para padre pio e nossa senhora de fatima

São Pio de Pietrelcina era muito devoto de Nossa Senhora e foi à Virgem de Fátima que o santo atribuiu a sua cura quando, em 1959, uma imagem peregrina esteve na Itália.

Padre Pio enfrentou uma dura doença quando tinha 72 anos. Tudo começou em abril de 1959, quando ficou gravemente abatido por uma pleurisia.

O santo foi de tal forma acometido da enfermidade que precisou parar de atender confissões, de dar a benção do Santíssimo Sacramento aos fiéis e de celebrar a Missa, ficando de cama. Em maio, sofreu uma forte recaída.
Entretanto, tudo começou a mudar a partir de agosto, dia em que a imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima chegou de helicóptero a San Giovanni Rotondo.
A imagem chegou à Itália para percorrer algumas localidades, entre elas Foggia, e Pe. Pio não poderia participar deste momento devido à sua enfermidade.  Mas, a programação da peregrinação mudou e a imagem da Virgem foi para San Giovanni Rotondo, pertencente à diocese de Foggia.

Conforme relatos, na manhã de 6 de agosto, Padre Pio conseguiu ir até a Igreja e ficou diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima, mesmo abatido pelo cansaço. Sentado em frente à Virgem, ofertou-lhe um rosário e beijou-lhe os pés.
À tarde, quando a imagem da Virgem de Fátima seguiria para outro destino de sua peregrinação, o helicóptero que a levava deu três voltas sobre o convento, algo que, mais tarde, nem mesmo o piloto soube explicar porque aconteceu.

Naquele momento, Padre Pio lamentou: “Ó minha Mãe, quando vieste à Itália, encontraste-me com esta doença. Vieste para me visitar aqui em San Giovanni e encontraste-me ainda sofrendo com ela. Agora estais de partida e eu não fiquei livre da minha doença!”.

Foi quando se deu a cura do santo. Padre Pio sentiu subitamente um arrepio, seguindo da sensação de calor e bem-estar, ao que o capuchinho exclamou: “Estou curado! Nossa Senhora me curou!”.

A devoção de Padre Pio à Virgem Maria se expressou durante toda a sua vida, por gestos e palavras. Diz-se que o santo costumava rezar o Rosário de 15 mistérios até 35 vezes por dia.  Se tinha um conselho a dar aos católicos era para “amar a Senhora e a rezar o Rosário, porque o Rosário é a arma contra os males do mundo”.

São Pio de Pietrelcina dizia ainda que “o Santo Rosário é a arma daqueles que querem vencer todas as batalhas” e exortava: “Invoquemos sempre o auxílio de Nossa Senhora”.

Fonte: ACI digital

terça-feira, 3 de outubro de 2017

TOCAI, CURAI E RESTAURAI

Imagem relacionada
Jesus, no poder de Seu Nome, peço a gora que as águas do meu batismo fluam para através das gerações, através de todas as raízes da minha árvore genealógica. 
Que o sangue de Jesus, purificador e vivificante flua através de todas as gerações: primeira, segunda, terceira e todas as demais gerações.
Que o sangue de Jesus flua da Cruz passando dos pais aos seu filhos, tocando, curando e restaurando meus antepassados. Agora coloco a Cruz de Jesus Cristo entre mim e cada geração de minha linha de família, e corto a transferência de todas as forças destruidoras da vida que operam contra mim, em mim ou através de mim. Amém

"...porque isto é meu sangue, o sangue da nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados." Mateus 26, 28

Coração de Maria, bendito entre todos os corações...

Rogai por nós

Fonte:
ORAÇÕES SELECIONADAS
POR CURA, LIBERTAÇÃO E INTERCESSÃO

Frei Elias Vella explica as cinco fases dos ataques demoníacos

Imagem relacionada
”O diabo usa cinco formas para atacar o homem. Tentarei explicar, resumidamente, estes cinco modos, que são:
Tentação: a tentação verifica-se quando o diabo tenta você a fazer o que não tem que ser feito, ou que você não faça o que tem que fazer. É sempre uma questão de obediência a Deus. Uma coisa a se manter bem em mente é que nem toda a tentação vem do diabo. A nossa própria natureza ferida pelo pecado nos sugere que façamos o mal, pelo qual somos atraídos.

Opressão: Significa que o diabo, como bom lutador, achando o ponto fraco da minha personalidade dirige o seu ataque nessa direção: poderia ser o poder, a ambição, o ciúme, o ser apegado ao dinheiro, ao sexo, à sensualidade, etc… Cada um de nós tem um ou mais pontos fracos na sua natureza. É bom lembrar de tudo isto especialmente quando procuramos amparo no Sacramento da Reconciliação, se queremos que este seja frutífero ao máximo. A graça deste sacramento, de fato, não consiste somente no perdão do pecado, mas também na cura e libertação.
Vexação: Acontece quando o inimigo ataca pessoas superiores. Temos o caso de Padre Pio, por exemplo, quando o diabo tremia a cama dele e fazia todo aquele teatro. A vexação existe realmente, basta ler a vida dos santos, e veremos quando ela é realidade.
Infestação: Acontece quando o diabo tenta incomodar não a pessoa, mas seus objetos e locais onde ela vive. Também neste caso precisamos ser prudentes e cautelosos na análise desses fenômenos, não excluindo a possibilidade de serem verdadeiros.
Possessão: Acontece quando o diabo toma, como sua morada, o corpo de uma pessoa, domina sua mente, domina sua psique, sua vontade. O domínio da alma pelo diabo só se dá pelo pecado. Na possessão, o maligno somente consegue chegar à pisque, à vontade, ao intelecto, não podendo chegar à alma. Ele não pode obrigá-lo a cometer o pecado, mas somente a fazer a ação do pecado. Esses são os três modos de possessão:
– Quando se abre todas as portas para se entregar ao inimigo;
– Quando se abre as janelas, através da prática do ocultismo;
– Quando, com a permissão de Deus, o diabo pega alguém como refém\”.


Trecho tirado do livro:
Cura do mal e libertação do maligno
Frei Elias Vella

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

O Padre Pio e a conversão do advogado maçom

O capuchinho dos estigmas

Na vida do padre Pio, o sobrenatural é muito abundante: conversões, milagres, curas, bilocação, clarividência, predição, sem falar dos estigmas que foram, durante cinqüenta anos, a manifestação mais patente, a mais visível marca do sobrenatural na sua vida, e também a mais dolorosa e mais incompreensível para os homens, a que mais respeito merece, pois é com verdadeira graça de conformidade com Cristo até na carne. Existem numerosos testemunhos circunstanciados para numerosas destas diversas graças. Foram numerosas as altas autoridades eclesiásticas e os médicos que testemunharam as curas milagrosas ou outros fenômenos sobrenaturais inexplicáveis. Em todos os casos, as graças sobrenaturais não eram concedidas por Deus para a auto-glorificação do padre Pio, senão para dar testemunho da vida divina, para chamar À conversão, curar ou aliviar. Não há nem curas, nem conversões ou bilocações que não acabaram por uma maior vida de fé e que não serviram para fazer algum bem.

O confessionário foi o lugar habitual dos “milagres” realizados pelo padre Pio. Nos dias de grande afluência, chegava a passar dez ou quinze horas confessando. Para alguns penitentes, essa confissão era ocasião de uma verdadeira mudança interior. Entre as conversões de antes da primeira perseguição, uma das mais clamorosas foi a do advogado genovês Cesare Festa. Festa era um dos grandes dignatários da maçonaria italiana. Era primo do Dr. Giorgio Festa. Depois que este viu e examinou o padre Pio, mencionou com freqüência ao religioso e aos prodígios da fé com seu primo Cesare. O advogado ateu, raivosamente anticlerical, considerava a religião como uma superstição de outros tempos. Giorgio, tendo esgotado seus argumentos, disse-lhe um dia: “Vai a São Giovanni Rotondo e encontrarás ali a um testemunho que acabará de um só golpe com todas as suas objeções. Vai vê-lo e depois continuaremos falando”.


Em março de 1921, Cesare se dedicou a seguir o conselho de seu primo. Foi a São Giovanni Rotondo mais como cético, foi com a firme intenção de desmascarar a impostura e denunciar ao seu regresso, diante de seus irmãos maçons, a superstição de Gargano. O padre Pio não sabia nada de Cesare Festa nem de sua pertença maçônica. Sem embargo, quando chegou na sacristia do convento entre outros peregrinos, o religioso se dirigiu até ele e o interpelou brutalmente: “Que quer este entre nós? É um maçom…”. O advogado não negou. O padre Pio analdiu: “Que papel desempenha você na Maçonaria?”. Festa respondeu sem vacilar: “Lutar contra a Igreja”.

As coisas estavam claras. O padre Pio não analdiu nenhuma palavra. Mirou fixamente a Cesare e lhe indicou com o dedo o confessionário. O advogado maçom se ajoelhou, abriu seu coração e, com a ajuda daquele sacerdote ao que poderia resistir, examinou toda a sua vida passada. Um perfume desconhecido e suave passava pela rede do confessionário e o ateu Festa via suas prevenções contra a religião cair uma atrás da outra. A conversão resultou numa paz interior que o invadia e lhe fazia receber as palavras de misericórdia e as exortações prodigadas por aquele estranho capuchinho.

Permaneceu três dias no convento e depois regressou a Genova. O ruído de sua conversão se estendeu e ocupou a primeira página dos periódicos. O advogado arrependido foi logo a Lourdes e depois voltou a São Giovanni Rotondo para receber das mãos do padre Pio o escapulário da Ordem terceira franciscana. Da maçonaria À Ordem terceira em poucos meses. O papa Bento XV recebeu no Vaticano a esse assombroso convertido. Disse-lhe a estima que tinha ao padre Pio, apesar dos informes por vezes desfavoráveis que haviam chegado, e confiou esta missão a Cesare Festa:

– O padre Pio é verdadeiramente um homem de Deus. Comprometa-se a dar testemunho, porque ele não é apreciado por todos como ele merece.

A clamorosa conversão de cesare Festa suscitou muitas controvérsias. O Avanti, cotidiano socialista, ironizou sobre este maçom que passava seu tempo entre São Giovanni Rotondo e Lourdes. A Grande Loja italiana se reuniu para pronunciar a exclusão oficial do advogado renegado dos ideais maçônicos.


Cesare Festa decidiu assistir, fazer frente e dar a conhecer seu testemunho: no dia da reunião recebeu uma tarjeta do padre Pio com estas quatro linhas: “Não se envergonhe de Cristo e de sua doutrina; é momento de lutar com o rosto descoberto. O Dispensador de todo o bem te dará a fortaleza para isso.”

(Yves Chiron: El Padre Pío. Ed. Palabra, pg.163, 1999.)

Os demônios creem e estremecem diante da presença real de Jesus na Eucaristia

Resultado de imagem para trevas

Uma reflexão a partir do roubo de uma hóstia consagrada por um grupo de satanistas

Alguns anos atrás, eu escrevi sobre uma experiência incomum que tive ao celebrar a santa missa: uma pessoa, atormentada pela possessão demoníaca, saiu correndo para fora da igreja no momento da consagração. Voltarei a falar deste caso um pouco mais adiante.

Eu me lembrei do fato nos últimos dias em face das atuais notícias de que um culto satânico da cidade de Oklahoma (EUA) roubou uma hóstia consagrada de uma paróquia e anunciou que a profanaria durante uma “missa negra”, a realizar-se neste mês de setembro. O arcebispo de Oklahoma, dom Paul Coakley, entrou com uma ação judicial para impedir o sacrilégio e exigir que o grupo devolvesse a propriedade roubada da Igreja. Dom Coakley ressaltou, no processo, que a hóstia seria profanada dos modos mais vis imagináveis, como oferenda feita em sacrifício a Satanás.

O porta-voz do grupo satânico, Adam Daniels, declarou: “Toda a base da ‘missa’ [satânica] é que nós pegamos a hóstia consagrada e fazemos uma ‘bênção’ ou oferta a Satanás. Nós fazemos todos os ritos que normalmente abençoam um sacrifício, que é, obviamente, a hóstia corpo de Cristo. Então nós, ou o diabo, a reconsagramos…”.

À luz do processo judicial, o grupo devolveu à Igreja a hóstia consagrada que tinha roubado. Graças a Deus.
Mas você notou o que o porta-voz satânico atestou sobre a Eucaristia? Ao falar do que seria oferecido em sacrifício, ele disse: “…que é, obviamente, a hóstia corpo de Cristo”.
Por mais grave e triste que seja este caso (e não é o primeiro), esses satanistas explicitamente consideram que a Eucaristia católica É o Corpo de Cristo. Pelo que eu sei, nunca houve tentativas de satanistas de roubar e profanar uma hóstia metodista, ou episcopaliana, ou batista, ou luterana, etc. É a hóstia católica o que eles procuram. E nós temos uma afirmação da própria escritura que garante: “Até os demônios creem e estremecem” (Tiago 2,19).

Em outra passagem, a escritura nos fala de um homem que vagava em meio aos túmulos e era atormentado por um demônio. Quando viu Jesus, ainda de longe, correu até Ele e o adorou (Marcos 5,6). O evangelho de Lucas cita outros demônios que saíam de muitos corpos possuídos e gritavam: “Tu és o Filho de Deus!”. Mas Jesus os repreendia e não os deixava falar, porque sabiam que Ele era o Cristo (Lc 4,41-42).

De fato, como pode ser atestado por muitos que já testemunharam exorcismos, há um poder maravilhoso na água benta, nas relíquias, na cruz do exorcista, na estola do sacerdote e em outros objetos sagrados que afugentam os demônios. Mesmo assim, muitos católicos e não católicos minusvaloram esses sacramentais (assim como os próprios sacramentos) e os utilizam de qualquer jeito, com pouca frequência ou sem frequência alguma. Há muita gente, inclusive católicos, que os consideram pouco importantes. Mas os demônios não! Vergonhosamente, os demônios, às vezes, manifestam mais fé (ainda que cheia de medo) que os crentes que deveriam reverenciar os sacramentos e os sacramentais com fé amorosa. Mesmo o satanista de Oklahoma reconhece que Jesus está realmente presente na Eucaristia. É por isso que ele procura uma hóstia consagrada, ainda que para fins tão nefastos e perversos.

Tudo isso me leva de volta ao caso real que eu descrevi já faz um bom tempo. Apresento a seguir alguns trechos do que escrevi há quase quinze anos, quando eu estava na paróquia de Santa Maria Antiga [Old St. Mary, na capital norte-americana] celebrando a missa em latim na forma extraordinária. Era uma missa solene. Não seria diferente da maioria dos domingos, mas algo muito impressionante estava prestes a acontecer.

Como vocês devem saber, a antiga missa em latim era celebrada “ad orientem”, ou seja, voltada em direção ao oriente litúrgico. Sacerdote e fiéis ficavam todos de frente para a mesma direção, o que significa que o celebrante permanecia, na prática, de costas para as pessoas. Ao chegar a hora da consagração, o sacerdote se inclinava com os antebraços sobre o altar, segurando a hóstia entre os dedos.

Naquele dia, eu pronunciei as veneráveis palavras da consagração em voz baixa, mas de modo claro e distinto: “Hoc est enim Corpus meum” [Este é o meu Corpo]. O sino tocou enquanto eu me ajoelhava.

Atrás de mim, no entanto, houve algum tipo de perturbação; uma agitação ou sons incongruentes vieram dos bancos da parte da frente da igreja, logo às minhas costas, um pouco mais para a minha direita. Em seguida, um gemido ou resmungo. “O que foi isso?”, perguntei a mim mesmo. Não pareciam sons humanos, mas grasnidos de algum animal de grande porte, como um javali ou um urso, junto com um gemido plangente que também não parecia humano. Eu elevei a hóstia e novamente me perguntei: “O que foi isso?”. Então, silêncio. Celebrando no antigo rito da missa em latim, eu não podia me virar facilmente para olhar. Mas ainda pensei: “O que foi isso?”.

Chegou a hora da consagração do cálice. Mais uma vez eu me curvei, pronunciando clara e distintamente, mas em voz baixa, as palavras da consagração: “Hic est enim calix sanguinis mei, novi et aeterni testamenti; mysterium fidei; qui pro vobis et pro multis effundetur em remissionem pecatorum. Haec quotiescumque feceritis in mei memoriam facietis” [Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, o mistério da fé, que será derramado por vós e por muitos para a remissão dos pecados. Todas as vezes que fizerdes isso, fazei-o em memória de mim].

Então, ouvi mais um ruído, desta vez um inegável gemido e, logo em seguida, um grito de alguém que clamava: “Jesus, me deixe em paz! Por que me tortura?”. Houve de repente um barulho que lembrava uma briga e alguém correu para fora a um som de gemidos, como de quem tivesse sido ferido. As portas da igreja se abriram e em seguida fecharam. Depois, o silêncio.

Consciência – Eu não podia me virar para olhar porque estava levantando o cálice da consagração. Mas entendi no mesmo instante que alguma pobre alma atormentada pelo demônio tinha se visto diante de Cristo na Eucaristia e não tinha conseguido suportar a sua presença real, exibida perante todos. Ocorreram-me as palavras da escritura: “Até os demônios creem e estremecem” (Tiago 2,19).

Arrependimento – Assim como Tiago usou aquelas palavras para repreender a fé fraca do seu rebanho, eu também tinha motivos para a contrição. Por que, afinal, um pobre homem atormentado pelo demônio era mais consciente da presença real de Cristo na Eucaristia e ficava mais impactado com ela do que eu? Ele ficou impactado em sentido negativo e correu para longe. Mas por que eu não me impactava de forma positiva com a mesma intensidade? E quanto aos outros crentes, que estavam nos bancos? Eu não tenho dúvidas de que todos nós acreditávamos intelectualmente na presença eucarística. Mas há algo muito diferente e muito mais maravilhoso em nos deixarmos mover por ela na profundidade da nossa alma! Como é fácil bocejarmos na presença do Divino e nos esquecermos da presença milagrosa e inefável, disponível ali para todos nós!

Quero deixar registrado que, naquele dia, há quase quinze anos, ficou muito claro para mim que eu tinha nas minhas mãos o Senhor da Glória, o Rei dos Céus e da Terra, o Justo Juiz e o Rei dos reis da terra.
Será que Jesus está realmente presente na Eucaristia?

Até os demônios acreditam!

Fonte: http://www.bibliacatolica.com.br/

A forma eficiente de receber a Cura


Imagem relacionada


– Frei Elias Vella


A forma mais eficiente de receber a cura e a libertação é através da oração de louvor. Quando louvamos a Deus nós submetemos nossas vidas a Ele. É na nossa fraqueza que encontramos toda a nossa força. Quando estamos louvando ao Senhor é o mesmo que dizermos a Ele que somos pessoas fracas que precisamos de ajuda d’Ele, da Sua cura e de Sua libertação e do Seu amor.

Precisamos orar em línguas. Porque quando oramos em línguas nos apresentamos diante do Senhor como criancinhas que estão aprendendo a falar. A I Carta aos Coríntios, capítulo 12, é a prece da criancinha. Muitas vezes, a criança não sabe como se expressar diante da sua mãe, ela apenas balbucia, e aquelas sílabas que os pequenos pronunciam só a mãe consegue entender. Não vamos encontrar essa linguagem infantil em nenhum dicionário, mas para a mãe aquilo tem muita expressividade.

Muitas vezes, nos encontramos diante de Deus sem saber o que pedir, como criancinhas. Não sabemos em que linguagem devemos nos comunicar com Ele, então a língua que usamos para falar com Ele é a de uma pequena criança. E não importa sobre o que vão dizer sobre nós de utilizarmos essa língua. Eu sou um(a) filho(a) livre diante de Deus, que se comunica comigo.

"Outrossim, o Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza; porque não sabemos o que devemos pedir, nem orar como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis (cf. Romanos 8,26).

Paulo fala nessa passagem bíblica que muitas vezes não sabemos como orar, então nós pedimos ao Espírito, que habita em nós, para orar em nós ao Pai, para orar numa língua que é a língua d’Ele [Espírito Santo]. E São Paulo expressa isso ao dizer que é o Paráclito que vem em auxílio à nossa fraqueza, porque não sabemos o que pedir, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis, e esses gemidos, que não podem ser traduzidos em palavras, é o Espírito orando em nós ao Pai segundo nossas necessidades, e que hoje, vem orar através de nós.

Estamos pedindo que o Espírito Santo de Deus venha orar em nosso nome para que a nossa oração chegue ao Pai, porque o Espírito sabe exatamente o que estamos necessitando.

Pelo Espírito vamos descobrir necessidades que nós mesmos não temos conhecimento; e uma coisa que precisamos fazer é entregar as nossas necessidades nas mãos do Espírito Santo, que sabe muito mais que nós o que precisamos.

Qual é o Pai que se rejubila vendo um filho sofrendo? Ou morrendo de fome e sede?

O Senhor não se alegra com isso! Não é Deus que causa todos esses desastres ao mundo. Ele não traz doença nem sofrimento. Caso contrário, qual seria o sentido de ir até Jesus buscar cura e libertação?

Ao contrário do que pensamos, Deus tem compaixão, e compaixão vem do latim que significa "sofrer junto". Ele não nos promete cura e libertação, mas Ele já nos está dando a cura e a libertação ao derramar o Seu Espírito que nos faz voltar à vida, e não nos deixará como ossos que estão secos, mas através desse sopro do Espírito nos fará criaturas vivas.

Lembra como a Bíblia apresenta a criação do homem? O homem que era apenas barro e o Senhor sopra naquele barro e o torna vivo. Lembra quando Jesus soprou sobre os apóstolos e derramou sobre eles o Seu Espírito Santo e eles se tornaram novas criaturas a partir daquele momento? Jesus, hoje, sopra cada um de nós e a partir disso você se torna uma nova pessoa, nos tornamos pessoas curadas e libertas.

Senhor, nós cremos em Tua Palavra. Não é apenas uma promessa, mas uma realidade! Tu és fiel na Tua Palavra. Eu abro, Senhor, meu coração para qualquer cura e libertação que queira fazer em mim. Abra os nossos corações, meu Senhor, para que possamos receber toda a cura que vem de Ti, e receber novamente a verdadeira vida.

Eu sei que o Senhor deseja fazer isso com todo o Seu povo. O Senhor deseja fazer isso comigo e eu Te agradeço, Senhor, por me fazer uma pessoa viva!

Frei Elias Vella 
Franciscano conventual, líder da RCC na Ilha de Malta

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

"Tira-me a liberdade de Te desagradar."

Resultado de imagem para diante do sacrario
Oh, torna-me mártir do Teu Amor,
que este martírio me faça morrer.
Tira-me a liberdade de Te desagradar,
que nunca Te faça a mais ligeira ofensa.
Quebra, arranca do meu coração
tudo o que Te desagrade.
Quero cumprir sempre a Tua vontade,
corresponder sempre à Tua graça.
Ó Mestre,
quero ser santa para Ti,
sê a minha santidade,
pois conheço a minha fraqueza .
Oh! Jesus, obrigada por todas as graças que me concedeste,
agradeço sobretudo por me teres provado.
É tão bom sofrer por Ti, conTigo.
Que cada batimento do meu coração
seja um grito de reconhecimento e de amor.»

Santa Elisabete da Trindade

LADAINHA DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO

Resultado de imagem para santissimo sacramento
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.

Deus Pai do Céu, tende piedade de nós.
Deus Filho, Redentor do mundo, tende piedade de nós.
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade que sais um só Deus, tende piedade de nós.  

Jesus, Deus e homem presente no Santíssimo Sacramento do Altar, tende piedade de nós.
Pão Vivo, que descestes do Céu, tende piedade de nós.
Deus, escondido e Salvador,...
Sacrifício perene do Novo Testamento,...
Sacrifício de todos mais digno,...
Verdadeiro Propiciatório por vivos e defuntos,...
Cordeiro Imaculado de Deus, ...
Resumo das maravilhas de Deus,...
Comemoração da sagrada paixão de Nosso Senhor e Salva­dor,...
Hóstia Santa,...
Cálice de benção,...
Mistério da Fé,...
Pão dos Anjos,...
Vínculo de paz e caridade,...
Celeste antídoto, que nos preserva dos pecados,...
Fonte de todas as graças,...
Consolo dos aflitos,...
Remédio dos enfermos,...
Viático dos que morrem no Senhor,...
Penhor seguro da glória futura,...

Sede-nos propício, perdoai-nos, Senhor.
Sede-nos propício, atendei-nos, Senhor.

Da recepção indigna do vosso Corpo e Sangue, livrai-nos, Senhor.
Da comunhão tíbia, livrai-nos, Senhor.
Da concupiscência da carne, livrai-nos, Senhor.
Da concupiscência dos olhos, livra i-nos, Senhor.
Da soberba da vida, livrai-nos, Senhor.
De toda ocasião de pecar, livrai-nos, Senhor.
Da morte eterna, livrai-nos, Senhor.
Por Vossa Santa Encarnação, livrai-nos, Senhor.
Por Vossa Sagrada Paixão e Morte, livrai-nos, Senhor.
Pelo ardente desejo com que desejastes comer a Páscoa com vossos Apóstolos, livrai-nos, Senhor.
Pela humildade, com que lavastes os pés dos Vossos Apósto­los, livrai-nos, Senhor.
Pelo ardentíssimo amor com que instituístes este Divino Sa­cramento, livrai-nos, Senhor.
Pelo Sangue Precioso, que no sacramento do Altar nos deixastes, livrai-nos, Senhor.
Pelas cinco sacratíssimas Chagas, que no Vosso Corpo recebestes por nosso amor, livrai-nos, Senhor.

Ainda que pecadores, ouvi-nos, Senhor.
Dignai-vos de aumentar e conservar em nós a Fé, reverência e devoção a este admirável Sacramento, ouvi-nos, Senhor.
Dignai-vos de nos dispor para um santo e freqüente uso da Sagrada Escritura pela sincera confissão dos nossos peca­dos, ouvi-nos, Senhor.
Dignai-vos de nos fazer colher os celestiais e preciosos frutos deste Santíssimo Sacramento, ouvi-nos, Senhor.
Dignai-vos de nos salvar de toda heresia, perfídia e cegueira espiritual, ouvi-nos, Senhor.
Que vos digneis de confortar-nos e fortalecer-nos na hora da morte com este celestial viático, ouvi-nos, Senhor.
Filho Eterno, verdadeiro Deus, ouvi-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende compaixão de nós, Senhor.

D. Vós lhes destes um Pão vindo do Céu.
T. Pão, que encerra todas as delícias.

D. Oremos:
Ó Deus, que neste admirável, Sacramento nos conservastes a memória de vossa Paixão, dai-nos a graça de reverenciar de tal modo o Mistério Sagrado de Vosso Corpo e Sangue, que experimentemos perenemente em nós os frutos da Redenção; Vós que viveis e reinais por todos os séculos.
T. Assim seja.

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...