Morte ao Mundo - A Guerra Invisível


Na guerra convencional, o inimigo sempre é outra pessoa - uma pessoa. Esse tipo de adversário é óbvio e direto. Em uma guerra invisível, os inimigos são ilusórios e invisíveis.


Os inimigos que encontramos na vida espiritual são identificados como:
O Mundo
A Carne
O Diabo

Isso nos é revelado nos Evangelhos quando Cristo entra no deserto e experimenta tentação. Isso também é identificado por São Paulo:


"Uma vez você caminhou, seguindo o curso deste mundo, seguindo o príncipe do poder do ar, o espírito que agora está operando nos filhos da desobediência - entre os quais todos vivemos nas paixões de nossa carne" São Paulo de Tarso

Esses inimigos são parcialmente corporais (físicos ou corporais) e incorporais (invisíveis ou corporais). Isso torna o combate a esses inimigos particularmente desafiador. Além do desafio, temos o teatro ou a arena em que vivemos. O espírito da época e da cultura em que vivemos é extremamente favorável à vitória do inimigo. Nos últimos tempos, a cultura moderna e a visão de mundo mudaram rapidamente de uma que encorajava e sustentava virtudes, valores e moral para uma era que se afunda no amor por esses três inimigos da alma. O mundo e todas as coisas do mundo são mantidos com a máxima estima, a carne e todas as formas de conforto e prazer são encorajadas, elogiadas e procuradas a qualquer custo, e o diabo - ele é o príncipe de tudo.
O Mundo

De acordo com o vernáculo moderno, ser mundano significa ser bem-sucedido, ter riqueza material, ter meios de auto-indulgência, conviver com pessoas bonitas, buscar e obter aceitação da classe social desejada. Fama, dinheiro, auto-indulgência são todos altamente valorizados e glorificados em nossa cultura. Embora pareça óbvio que estes não sejam significativos, e embora a maioria das pessoas saiba que eles não proporcionam felicidade, o mundo e todo o seu brilho alcançaram o status mais alto e são o objetivo de quase todos que respiram. O mundo exige nossa atenção e provoca nossa afeição.

Quando os santos usam o termo "mundo", eles não estão se referindo ao planeta ou às pessoas que habitam este adorável planeta. O termo "mundo" deve ser entendido como a parte do mundo que é afetada ou objeto do pensamento e comportamento humanos - ou seja, as paixões. Esta definição é melhor articulada por Santo Isaac, o Sírio:


"O mundo é o nome geral de todas as paixões. Quando desejamos chamar as paixões por um nome comum, as chamamos de mundo. Mas quando desejamos distingui-las por seus nomes especiais, as chamamos de paixões. As paixões são as seguintes: amor pelas riquezas, desejo de bens, prazer corporal de onde provém a paixão sexual, amor pela honra que gera inveja, desejo de poder, arrogância e orgulho de posição, o desejo de adornar-se com roupas luxuosas e ornamentos vãos, o desejo pela glória humana, que é uma fonte de rancor e ressentimento, e medo físico. Onde essas paixões deixam de ser ativas, aí o mundo está morto; pois, embora vivessem na carne, não viviam pela carne. Veja para qual dessas paixões você está vivo. Então você saberá até onde está vivo para o mundo e até onde está morto para isso." Isaac, o Sírio

Quando Cristo se refere ao mundo, é também deste ponto de vista. Por exemplo, ele disse:


"Não ame o mundo ou as coisas no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que existe no mundo - a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida - não é do Pai, mas é do mundo. E o mundo está passando, e sua luxúria; mas quem faz a vontade de Deus permanece para sempre" 1 João 2:15

Nossa cultura atual é definida pelo mundanismo. É impossível estar em qualquer estação da vida moderna sem estar saturado por tudo o que Santo Isaac descreveu. Nos dizem desde jovens para sermos ambiciosos, adquirirmos dinheiro e posses, procurarmos fama e glória. O mundo com todos os seus desejos se normalizou e é a meta e o objetivo do homem moderno. Isso torna o combate a esse inimigo aparentemente impossível.

Quando estamos sujeitos às paixões, amamos o mundo, que substitui o amor a Deus e o amor pelos outros. E São Tiago disse em sua epístola que a religião pura é manter-se imaculado do mundo (Tiago 1:27). O amor ao mundo e às coisas do mundo é um inibidor direto da vida espiritual. Embora pareça natural querer amar o mundo, essa atração pelas coisas terrenas não é natural para a alma.

É por isso que a batalha que travamos com esse inimigo exige um desapego feroz e a renúncia ao mundo. Lutar contra esse inimigo significa se afastar dele. A contemplação de Deus só pode ocorrer quando alguém renuncia ao mundo, como o amado místico russo, São Serafim de Sarov disse:


"A reverência a Deus é adquirida quando um homem, renunciando ao mundo e tudo o que há no mundo, concentra todos os seus pensamentos e sentimentos no pensamento único da lei de Deus, e mergulha inteiramente na contemplação de Deus e no sentimento de bem-aventurança. prometido aos santos." São Serafim de Sarov

Se realmente desejamos amar a Deus, devemos vencer e purgar o mundo que se esconde dentro de nós. Isso fica claro nas Escrituras Sagradas, quando Cristo explica que não se pode servir a dois senhores (Lucas 16:13). O mundo nubla e entorpece a alma ao divino.


"Sem se libertar do mundo, a alma não pode amar a Deus sinceramente. Pois as coisas do mundo, nas palavras de Santa Antioquia, são como um véu para a alma." São Serafim de Sarov

Portanto, somos chamados a estar "fora de sintonia com o mundo" e a resistir a tudo o que o mundo oferece. Nem tudo que reluz é ouro. Suas coisas brilhantes, desejos sedosos, suas modestas fugas, suas promessas vazias não passam de um ciclo interminável de prazer e dor, desejo e depressão. O asceta Nikitas Stithatos disse sabiamente na Philokalia:


"Pois quando você perceber que o resultado da fama, do prazer, da indulgência, da riqueza e da prosperidade não é nada, já que a morte e a decadência os aguardam, você reconhecerá a vaidade flagrante de todas as coisas do mundo e voltará os olhos para a consumação das coisas divinas. Você se apegará às realidades que realmente existem e não podem perecer; e, tornando essas coisas próprias, você se elevará acima da dor e do prazer. " Nikitas Stithatos

Portanto, como aqueles que vivem no mundo, somos chamados a nos separar do mundo e das coisas do mundo. Mas estejamos atentos, pois, assim que nos voltarmos na direção do Cristo, e começarmos a nos distinguir do resto do mundo, seremos testados.


“Muitos são tocados no coração, e muitos se tornam participantes da graça celestial, e são feridos pela paixão divina; mas por causa dos conflitos, lutas, trabalhadores e diversas tentações do diabo que surgem pelo caminho, eles não se sustentam, mas são consumidos por diversos e variados desejos mundanos, porque todo mundo tem alguma coisa mundana que escolhe amar, e não se desapegou de seus afetos..." São Macarius, o Grande

A arma escolhida para alcançar a vitória sobre esse inimigo é o desapego. No grande clássico espiritual, A Escada da Ascensão Divina, São João Clímaco afirma no segundo capítulo sobre desapego:


"O homem que passou a odiar o mundo escapou da tristeza. Mas quem tem apego a qualquer coisa visível ainda não está liberto da dor. Pois como é possível não ficar triste com a perda de algo que amamos?" São João Clímaco
A Carne

em breve...
O Diabo

em breve...


Postado em:
https://www.oracaodejesus.com/morte-ao-mundo-a-guerra-invisivel

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"ORAÇÃO DA SANTA CRUZ DE JESUS CRISTO"

Padre Pio Terço de Libertação

Frases de Pe. Pio de Pietrelcina