Não vamos permitir que o vírus transforme vizinhos em inimigos

QUARANTINE

Mesmo quando nos sentimos preocupados, podemos fazer um esforço para tratar as pessoas ao nosso redor com compaixão

Para todos nós, viver uma pandemia é algo inédito. E isso nos traz as emoções que surgem perante experiências desconhecidas: medo, incerteza, agitação, nervosismo.

O fato de recebermos informações confusas – dependendo de quem você ouve e de quais decisões as autoridades estão tomando – também não nos ajuda a nos adaptar ao que está acontecendo.

Uma das consequências mais preocupantes para nós, no entanto, é que a desconfiança dos outros está se tornando um novo modo de vida.

Isso pode ser visto em muitas situações, e é importante observar nossa atitude ao enfrentar a realidade atual, para não cair na desumanização dos outros ou justificar o comportamento egoísta.

A que tipo de comportamento a desconfiança pode levar?

Egoísmo: diante do medo de uma escassez de necessidades básicas, nas primeiras semanas de confinamento, parecia que algumas pessoas estavam envolvidas em uma espécie de competição para garantir sua própria sobrevivência, comprando grandes quantidades de produtos essenciais, mesmo aqueles que eles já tinha em suas casas.

Embora, em princípio, seja saudável ter um instinto de sobrevivência, se não tomarmos cuidado, ele pode se transformar em uma atitude generalizada de egoísmo que não leva em conta as necessidades de outros. Se caímos nesse tipo de atitude egoísta, podemos tirar proveito da reabertura de mais negócios e atividades para reabrir nossos corações também.

Suspeita: podemos ver tudo e todos como uma ameaça. Encontrar um vizinho no elevador tornou-se uma experiência indesejável. Embora nosso instinto de autopreservação possa fazer seu trabalho e possamos tomar a precaução de manter distância e usar o elevador em turnos, não podemos permitir que essas medidas práticas nos levem a ver as pessoas ao nosso redor como um perigo. Elas não são inimigas a serem evitadas, mas pessoas de quem nós podemos cuidar tomando precauções.

Falta de empatia e violência verbal: todos nós vimos pessoas nas ruas, mesmo durante o lockdown, nos lugares onde houve. Geralmente, não sabemos por que elas estão lá: podem precisar sair por um motivo importante, como comprar alimentos ou remédios, trabalhar como cuidadores de idosos ou na área da saúde etc.

Mas algumas pessoas extrapolaram ao ponto de ofender quem estava na rua. Embora seja verdade que nem todos respeitaram as regras, recorrer a insultos não nos ajuda a manter o equilíbrio psicológico necessário para lidar com a pandemia da melhor maneira possível.

Desconfiança versus respeito

É importante lembrar que, tendo em vista as precauções que tomamos para impedir a propagação do vírus – e continuaremos a tomar em vários graus à medida que muitos locais reabrirem – não estamos agindo apenas em nosso próprio nome , mas em nome de todos.

Em vez de desconfiar de nossos vizinhos e pessoas ao nosso redor, é muito mais construtivo e saudável pensar na melhor maneira de amá-los nessas circunstâncias. Embora possa parecer uma pequena mudança de atitude, a maneira como reagimos será completamente diferente.

Quando nossas ações se baseiam na suspeita de que outras pessoas “possam me infectar”, é mais fácil para o nosso distanciamento social ser acompanhado por olhares desagradáveis, repulsa, egoísmo, desprezo etc.

Por outro lado, quando optamos por tomar medidas para “proteger a nós mesmos e aos outros”, nosso comportamento é mais calmo. Estamos mais dispostos a dar preferência aos outros, olhamos para os outros sob uma luz diferente e nos tratamos como pessoas que se cuidam.

A situação não é fácil e todos estamos em um processo de aprendizado contínuo, ainda em quarentena ou em transição para um “novo normal”.

Vale a pena, no entanto, revisar as atitudes que adotamos e por que as adotamos. Lembremos que o que realmente fornece estabilidade emocional e psicológica é colocar amor e respeito pelos outros e por si mesmo acima das emoções exageradas e às vezes irracionais que sentimos.


https://pt.aleteia.org/2020/05/21/nao-vamos-permitir-que-o-virus-transforme-vizinhos-em-inimigos/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt


Comentários