terça-feira, 8 de janeiro de 2013

"O lado de uma cura o lado do outro"


"Este é o meu Filho amado. Tem fome e alimenta multidões inumeráveis; afadiga-se a alivia os fatigados; não tem onde reclinar a cabeça e tudo sustenta com suas mãos; sofre e dá remédio a todos os sofrimentos; é esbofeteado e dá liberdade ao mundo; traspassaram o seu lado e ele cura o de Adão. Prestai-me toda atenção: quero acorrer ao manancial da vida e contemplar a fonte de onde jorram os remédios da salvação." (Do Sermão sobre a Santa Teofania, atribuído a Santo Hipólito de Roma, presbítero).

O tempo alegre do Natal se fecha e culmina com a festa do Batismo do Senhor. O servo santo e imaculado entra nas águas do Jordão. Associa-se ao cortejo dos pecadores. Caminha com passos decididos em direção de João. Lucas assim descreve o momento do batismo do Senhor: “Enquanto ele rezava, o céu se abriu e o Espírito Santo desceu sobre Jesus em forma visível como pomba. E o céu veio uma voz: Tu és o meu Filho amado, em ti ponho meu bem querer” (Lc 3, 22). Temos diante de nossos olhos a figura adorável do amado Filho do Pai. Toda a vida do discípulo não consistirá em outra coisa senão de ouvir a voz do Filho amado e a ela ser fiel. Em seu Batismo, Jesus se associa ao cortejo dos pecadores. Se faz pecador conosco.

Jesus é, com efeito, um paradoxo. É tudo e é nada. É grande e pequeno. É grande na pequenez. Tem fome, mas monta a mesa de seu corpo para alimentar os famintos. Tão cansado e tão exausto ele chama a si os desanimados e fracos e os recompõe e restaura. Sofre toda sorte de desconforto e dá remédio aos sofrimentos. Em sua fragilidade se torna força. A força de Deus está na fraqueza do Filho amado. Seu peito rasgado pela lança cura o lado do homem.

O Jesus que entra nas águas do Jordão, que se associa ao cortejo dos pecadores, santifica as águas… Todos os que mais tarde seriam batizados haveriam de mergulhar nas águas marcadas pela presença do Filho amado. Santo Efrem coloca belíssimas palavras nos lábios de Cristo que se dirige a João, o Batista: “Eu quero, João, aproxima-te e confere-me o batismo para que se realize a minha vontade. Não podes resistir à minha vontade; serei batizado por ti porque assim quero. Tu tremes e, contra a minha vontade, não percebes que te pedi um batismo muito importante para mim. Cumpre a obra para a qual foste chamado. Pelo meu batismo é que as águas serão santificadas, recebendo de mim o fogo e o Espírito. Se eu não receber o batismo, elas não terão o poder de gerar filhos imortais. É absolutamente indispensável que me batizes, sem discussão como te ordenei. Eu te batizei no seio materno; batiza-me no Jordão”.

Aquele que recebe o batismo de João no Jordão teria uma outra água a oferecer: a água de seu lado aberto. O lado ferido pelo soldado cura Adão e a mulher que saiu de seu lado aberto. O Coração de Jesus, seu peito aberto, é manancial de toda salvação. Água do peito de Jesus que lava peito de Adão. Batismo, santo batismo da regeneração. Voltemos ao texto de Hipólito: “Vinde, nações todas, ao batismo que confere a imortalidade. Esta é a água unida ao Espírito, que irriga o paraíso, fertiliza a terra, dá crescimento às plantas e faz os seres se reproduzirem. Em resumo, esta é a água pela qual os homens recebem nova vida, com a qual o Cristo foi batizado e sobre a qual o Espírito Santo desceu em forma de pomba”. O lado de Jesus inventou uma fonte borbulhante de puro amor que lava o lado de Adão. T

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...