sábado, 2 de março de 2013

O Espírito Santo como Dom de Deus



Ensina o Catecismo da Igreja Católica que “o Amor é o primeiro dom.
Ele contém todos os demais” (cf. CIC 733). São João ensina que
“Deus é Amor” (cf. 1Jo 4,8.16). Por isso Deus entregou-Se em
sacrifício na Cruz por nós na pessoa de Jesus Cristo, ato do Seu de
extremo amor por nós (cf Jo 15,13; Mt 26,26-28).

O Deus que venceu a Morte é o mesmo que nos insere na Vida. Por
esta razão o Espírito Santo é prometido para santificar e curar os fiéis de
seus pecados e males. Sobre isso ensina o Catecismo: “Pelo fato de
estarmos mortos, ou, pelo menos, feridos pelo pecado, o primeiro efeito do dom do Amor é a remissão de nossos pecados. É a comunhão do Espírito Santo (2Cor 13,13) que, na Igreja, restitui aos batizados a semelhança divina perdida pelo pecado. [...] É por este poder do Espírito que os filhos de Deus podem dar fruto.”
A Igreja ensina que o Espírito Santo também é dom dado aos fiéis
para que estes dêem frutos que são "caridade, alegria, paz, paciência,
afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança" (Gl 5,22-23).

Muita gente confunde os frutos do Espírito Santo com os dons do
Espírito Santo. “Os dons do Espírito Santo são disposições permanentes
que tornam o homem dócil para seguir as inspirações divinas. [...] Os frutos do Espírito Santo são perfeições plasmadas em nós como primícias da glória eterna.”

Os Dons do Espírito Santo
Desde o AT o Senhor anunciava pela boca de seus santos profetas o
advento do Espírito Santo. Por exemplo, disse o Profeta Ezequiel: “Porei em vós o meu espírito e vivereis” (cf. Ez 37, 6). A vida que recebemos através do Espírito Santo não foi merecida por nós, mas é puro presente de Deus, e por isso mesmo é chamado de dom. Quantos e quais são estes dons?

A primeira pista que Deus nos deu veio bela boca do Profeta Isaías:
"Um renovo sairá do tronco de Jessé, e um rebento brotará de suas
raízes. Sobre ele repousará o Espírito do Senhor, Espírito de
sabedoria e de entendimento, Espírito de prudência e de
coragem, Espírito de ciência e de temor ao Senhor. (Sua alegria
se encontrará no temor ao Senhor.) Ele não julgará pelas
aparências, e não decidirá pelo que ouvir dizer" (Is 11, 1-3).

Por isso a Igreja ensina que são sete os dons do Espírito Santo:
sabedoria, inteligência, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor de Deus.Entretanto encontramos o seguinte ensino de S. Paulo aos
coríntios: "A respeito dos dons espirituais, irmãos, não quero que vivais na ignorância. Sabeis que, quando éreis pagãos, vos deixáveis levar, conforme vossas tendências, aos ídolos mudos. Por isso, eu vos declaro: ninguém, falando sob a ação divina, pode dizer: Jesus seja maldito e ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, senão sob a ação do Espírito Santo. Há diversidade de dons, mas um só Espírito. Os ministérios são diversos, mas um só é o Senhor. Há também diversas operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito comum. A um é dada pelo Espírito uma palavra de sabedoria; a outro, uma palavra de ciência, por esse mesmo Espírito; a outro, a fé, pelo mesmo Espírito; a outro, a graça de curar as doenças, no mesmo Espírito; a outro, o dom de milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, a variedade de línguas; a outro, por fim, a interpretação das línguas. Mas um e o mesmo Espírito distribui todos estes dons, repartindo a cada um como lhe apraz" (1Cor 12,1-11).
Pode-se observar que existe uma notável diferença entre o que diz
São Paulo e o que diz o Profeta Isaías sobre os dons do Espírito Santo.
Porém, estaríamos cometendo um grave erro se achássemos que estes dois servos de Deus estão em contradição. Aliás, devemos lembrar que a
Escritura não se contradiz, pois é Palavra de Deus.

Esta aparente contradição se resolve pelo fato de que cada um está
falando sobre dons de categorias diferentes. A Igreja ensina que os dons ou
graças do Espírito Santo se dividem em:
a) graça santificante ou habitual: “A graça santificante é um dom
habitual, uma disposição estável e sobrenatural para aperfeiçoar a própria alma e torná-la capaz de viver com Deus, agir por seu amor”8. Este tipo de graça trata-se da “vida infundida pelo Espírito Santo em nossa alma, para curá-la do pecado e santificá-la” e é “recebida no Batismo”
b) graça atual: designa “as intervenções divinas, quer na origem da
conversão, quer no decorrer da obra da santificação” (Ibidem). A conversão de S. Paulo que se deu no caminho para Damasco por intervenção de Cristo é um exemplo deste tipo de graça (cf. At 9,1-8).
c) graça sacramental: são “dons que o Espírito nos concede, para
nos sociar à sua obra, para nos tornar capazes de colaborar com a salvação dos outros e com o crescimento do corpo de Cristo, a Igreja.” São “os dons próprios dos diferentes sacramentos”10.
d) graça especial ou carisma: As “graças especiais, chamadas
também ‘carismas’, segundo a palavra grega empregada por S. Paulo e que significa favor, dom gratuito, benefício. Seja qual for seu caráter, às vezes extraordinário, como o dom dos milagres ou das línguas, os
carismas se ordenam à graça santificante e têm como meta o bem
comum da Igreja. Acham-se a serviço da caridade, que edifica a Igreja.
Entre as graças especiais, convém mencionar as graças de estado, que
acompanham o exercício das responsabilidades da vida cristã e dos
ministérios no seio da Igreja”11.
Agora ficou simples resolver a aparente divergência entre o Profeta
Isaías e o Apóstolo Paulo. O primeiro está tratando dos dons que dizem
respeito à graça santificante ou habitual, aquela que recebemos no
batismo e nos demais sacramentos. O segundo refere-se aos dons
carismáticos que dizem respeito à graça especial, também chamada graça pessoal.



Prof. Alessandro Lima
O Dom das Línguas




Nenhum comentário:

Postar um comentário

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...