quinta-feira, 2 de maio de 2013

Trabalho: Expressão de amor



Nesta festa de São José Operário pode ser de proveito refletir sobre algumas linhas do Bem-aventurado Papa João Paulo II em sua Exortação Apostólica Redemptoris Custos:


Uma das expressões cotidianas de amor na vida da Família de Nazaré é o trabalho. O texto evangélico especifica o tipo de atividade mediante o qual José procurava garantir o sustento da família: o ofício de carpinteiro. Esta simples palavra envolve toda a extensão da vida de José. Para Jesus, este período abrange os anos da vida oculta, de que fala o evangelista, em seguida ao episódio acontecido no templo: Depois desceu com seus pais para Nazaré e era-lhes obediente (Lc 2,51).

Esta submissão, ou seja, esta obediência de Jesus na casa de Nazaré é entendida também como participação no trabalho de José. Aquele que era designado o filho do carpinteiro (Mt 13,55), tinha aprendido o ofício de seu pai adotivo. Se a Família de Nazaré, na ordem da salvação e da santidade, é exemplo e modelo para as famílias humanas, pode-se também, analogamente, dizer o mesmo do trabalho de Jesus ao lado de José carpinteiro.

Em nossa época a Igreja pôs em realce este aspecto, com a inclusão da memória litúrgica de São José Operário, fixada no dia 1º de maio. O trabalho humano, em particular o trabalho manual, é de modo especial valorizado no Evangelho. Juntamente com a humanidade do Filho de Deus, ele foi acolhido no mistério da Encarnação, como também foi redimido de maneira particular. Graças à oficina de trabalho, onde ele exercia o próprio ofício juntamente com Jesus, José aproximou o trabalho humano do mistério da Redenção.

A importância do trabalho na vida do homem exige que se conheçam e se assimilem todos os seus conteúdos, para, através dele ajudar os demais homens a aproximarem-se de Deus, Criador e Redentor, e a participarem de seus desígnios salvíficos relacionados ao homem e ao mundo. Teria ainda o trabalho um papel relevante na vida do homem com Cristo, participando, mediante uma fé viva, na sua tríplice missão de sacerdote, profeta e rei.

Trata-se, em última análise, da santificação da vida cotidiana, na qual cada pessoa deve empenhar-se, segundo o próprio estado, e que por ser proposta de acordo com um modelo acessível a todos: São José é o modelo dos humildes, que o cristianismo enaltece para grandes destinos; é a prova de que para ser bons e autênticos seguidores de Cristo não se exigem ações grandiosas, mas são indispensáveis virtudes comuns, humanas e autênticas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ESTE BLOG É DEDICADO À:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...